Veleiro com 2,2 toneladas de cocaína interceptado a 270 quilômetros da costa chega ao Porto do Recife

Cinco pessoas que estavam no barco foram presas e trazidas para a capital pernambucana. Embarcação tinha como destino a Europa, segundo a Marinha.

veleiro carregado com 2,2 toneladas de cocaína que foi interceptado pela Marinha a 270 quilômetros da costa chegou ao Porto do Recife na manhã desta terça-feira (16). Segundo as Forças Armadas, cinco pessoas foram presas na operação, realizada em parceria com entidades internacionais de combate ao narcotráfico (veja vídeo acima).

Imagens exclusivas da TV Globo mostraram que duas lanchas e um navio escoltavam o barco até a entrada do porto. Também foi possível ver a chegada do navio da Marinha. A embarcação atracou às 7h05.

Na segunda-feira (15), a Marinha havia estimado que havia 1,5 tonelada de droga, mas a Polícia Federal fez a pesagem do material e constatou que havia 2,216 toneladas.

Após desembarcar, os cinco homens presos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal (PF) no Cais do Apolo, região central da capital, para prestar depoimento. O interrogatório ficou sob responsabilidade da delegada da Polícia Federal Adriana Vasconcelos, da Delegacia de Entorpecentes.

Veleiro flagrado com cocaína em alto-mar chega ao Porto do Recife, nesta terça-feira (16) — Foto: Marinheiro Bezerra/Marinha do Brasil/Divulgação

Veleiro flagrado com cocaína em alto-mar chega ao Porto do Recife, nesta terça-feira (16) — Foto: Marinheiro Bezerra/Marinha do Brasil/Divulgação

A PF informou que os depoimentos poderiam durar o dia todo e que, depois das ouvidas, os cinco devem ser encaminhados para audiência de custódia. A corporação também informou que a cocaína apreendida foi também para a superintendência e que, depois das investigações, deve ser incinerada.

A embarcação foi encaminhada para o Cabanga Iate Clube, que fica próximo ao Porto do Recife, depois da retirada das drogas.

Escoltado, veleiro interceptado com toneladas de cocaína entra no Porto do Recife, nesta terça-feira (16) — Foto: Reprodução/TV Globo

A operação que resultou na interceptação do barco foi realizada pela Marinha e pela Polícia Federal, em parceria com o Centro de Análise e Operações Marítimas de Lisboa, em Portugal; com o Drug Enforcement Administration, dos Estados Unidos; e com o National Crime Agency, do Reino Unido.

“A Marinha do Brasil, realmente, tem esse cuidado com a nossa Amazônia Azul, esse zelo, e, cada vez mais, ela se faz presente, principalmente nessa fase agora de interação entre órgãos internacionais e órgãos nacionais, agências que efetivamente cuidam e monitoram essas áreas de importância para os países”, afirmou Guerra, comandante do navio patrulha oceânico Araguarí.

A operação contou com uma inédita cooperação internacional e envolveu as agências do Reino Unido, de Portugal e dos Estados Unidos. Os cinco tripulantes que estavam na embarcação foram levados para a sede da Polícia Federal.

Um navio-patrulha oceânico foi utilizado para interceptar a embarcação, que foi encontrada ainda em águas jurisdicionais brasileiras, na noite do domingo (14). Policiais federais participaram da operação e deram voz de prisão aos cinco tripulantes do veleiro, todos brasileiros.

De acordo com a PF em Brasília, há um órgão central, um grupo especial, ligado à cooperação internacional para investigar tráfico internacional de drogas, que recebeu informações de que o veleiro estaria em áreas territoriais brasileiras, aguardando para transportar cocaína para a Europa 

Por G1 PE