Sargento da PM era segurança de braço financeiro do PCC, diz investigação

O sargento da Polícia Militar Farani Salvador Freitas Rocha Júnior, 36, investigado pela morte de Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro, um dos grandes narcotraficantes do Primeiro Comando da Capital, era o segurança do maior braço financeiro do PCC, desarticulado esta semana durante a Operação Rei do Crime, da Polícia Federal.

Cabelo Duro foi morto a tiros em 23 de fevereiro de 2018 no Tatuapé, zona leste da Capital, uma semana após assassinar Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, dois homens da alta cúpula do PCC. O duplo homicídio aconteceu na aldeia indígena de Aquiráz, região metropolitana de Fortaleza, no Ceará.https://a13efe9ca53ac69db67a76b3d84dcd05.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html?n=0

Para o advogado Eduardo Kuntz, defensor de Farani, seu cliente é inocente, não tem envolvimento com o crime organizado e isso será provado no processo. “Com relação à morte de Cabelo Duro, o sargento Farani está aguardando a chegada do material genético fornecido à Justiça. O resultado vai tirar ele, por completo, da cena dos fatos e, com isso, aguarda-se, igualmente, a retirada desta falsa acusação”, diz.

Os indícios da ligação do sargento com o PCC aumentaram na última quinta-feira (30/9), quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Rei do Crime e desarticulou o principal braço financeiro da organização criminosa, responsável pela lavagem de dinheiro do grupo. Treze pessoas acabaram presas e foram bloqueados R$ 730 milhões em contas bancárias.

Um dos 13 acusados pela PF com prisão preventiva decretada é Leandro de Souza Afonso, dono de postos de combustíveis. Farani trabalhou para ele por três anos, até ser preso pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) sob a acusação de ter mandado matar o cabo Wanderley Oliveira de Almeida Júnior, 38, em Itaquera, zona leste, em fevereiro deste ano.

O cabo tinha em mãos um dossiê contra o sargento e iria denunciar Farani aos seus superiores por envolvimento com traficantes de drogas do PCC na região de Cangaíba, zona leste. Por isso acabou morto a tiros.

Farani foi preso em 1º de junho. Nove dias depois, em depoimento prestado no Presídio Militar Romão Gomes ao delegado Vagner da Cunha Alves, do DHPP, sobre a morte de Wanderley, o sargento disse que fazia bico para Leandro em um posto de gasolina da rede MegaMais e recebia R$ 7 mil por mês. Afirmou que usava o Toyota Hilux do patrão.

Leandro foi ouvido pelo delegado Cunha em 23 de julho. O empresário confirmou que o sargento trabalhava para ele desde 2017 e era o responsável por transportar o dinheiro arrecadado no posto para agências bancárias. Acrescentou que o PM recebia os R$ 7.000,00 mensais em espécie e que, esporadicamente, também era o segurança dele.

Loading video
https://youtube.com/watch?v=-vGLJcQfuac%3Fenablejsapi%3D1%26amp%3D1%26playsinline%3D1

A Operação Rei do Crime da PF apurou que o braço financeiro do PCC utilizou 78 empresas e movimentou R$ 30 bilhões em quatro anos. Segundo a PF, o núcleo de Leandro tinha postos de combustíveis em nome de “laranjas” e chegou a movimentar R$ 44 milhões.

Agentes federais descobriram que a mulher de Leandro fazia parte do esquema e tem ligações com os ladrões do PCC que furtaram R$ 164 milhões da agência do Banco Central de Fortaleza em agosto de 2005. Ela também teve a prisão preventiva decretada na Operação Rei do Crime.

Ainda segundo a PF, o líder do maior braço financeiro do PCC é José Carlos Gonçalves, o Alemão, um dos 13 presos. Ele é apontado como o homem que financiou Cabelo Duro na Baixada Santista, importante reduto do PCC por causa do tráfico de cocaína para a Europa via porto de Santos.

As apurações da PF concluíram que parte dos investigados na Operação Rei do Crime era ligada a Cabelo Duro e está diretamente envolvida nos assassinatos de Gegê do Mangue e de Paca.

O narcotraficante Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, foi denunciado pelo Ministério Público à Justiça do Ceará como mentor do crime e é réu. Segundo a PF, Fuminho é ligado a Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como líder máximo do PCC.

A PF desarticulou o braço financeiro do PCC graças às delações do piloto de helicóptero Felipe Ramos Morais, 33. Ele prestava serviços aéreos para a facção e transportou em uma aeronave, com Cabelo Duro a bordo, Gegê do Mangue e Paca para a morte até a aldeia de Aquiráz.

O DHPP, unidade de elite da Polícia Civil de São Paulo, havia encerrado o inquérito sobre a morte de Cabelo Duro sem chegar a uma autoria, mas reabriu as investigações porque surgiram fatos novos. Cinco aparelhos de telefone celular dele vão ser periciados. O departamento aponta Farani como um dos assassinos de Cabelo Duro.

Segundo o DHPP, imagens de câmeras de segurança que registraram o assassinato de Cabelo Duro mostram um atirador muito parecido com o sargento. Um dos projéteis disparados contra a vítima ricocheteou no asfalto e atingiu a perna de um dos assassinos. O DHPP apurou que o Farani sofreu ferimento semelhante.

Tanto a Polícia Federal como o DHPP vão investigar agora se Cabelo Duro foi morto a mando da sintonia final do PCC como queima de arquivo e se o sargento Farani realmente foi um dos autores do crime.

O sargento Farani era lotado no 4º Baep (Batalhão de Operações Especiais), na zona leste. Ele também atuou na Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), tropa de elite da PM.

Loading video
https://youtube.com/watch?v=O3eFXsNgtBs%3Fenablejsapi%3D1%26amp%3D1%26playsinline%3D1

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.