Pistoleiro do PCC morto em confronto em Campo Grande é filho de megatraficante ‘Pingo’

Marlon era chamado de de “Sintonia Paraguaia”, responsável por articular os contatos da facção no transporte de drogas do país vizinho. Marlon cumpria pena no em regime semiaberto após ser preso pela Polícia Federal na Operação Leviatã em 2012.

Pingo era considerado barão do tráfico de drogas na região de fronteira e também um dos principais fornecedores de maconha e cocaína para o RS

Morto em um confronto com policiais militares do Batalhão de Choque, Jardel Angelo Wink Soligo, de 36 anos, pistoleiro do PCC (Primeiro Comando da Capital) em Campo Grande, é filho do megatraficante Irineu Domingos Soligo, o “Pingo”, considerado – antes da sua prisão em 2010 -, um dos narcotraficantes brasileiros mais procurados do país e também pela Interpol, de acordo com a Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai.

Jardel foi morto em um confronto com policiais na noite desta quinta-feira (31), na Vila Bordon, na Capital. Ele transitava em um Renault Fluence quando foi abordado, resistiu a abordagem e trocou tiros. Com ele foi apreendido uma pistola municiada.

Apontado como um dos principais pistoleiros da facção criminosa PCC em Campo Grande, Jardel seria o responsável por realizar possíveis atentados contra autoridades, já que tinha confiança da cúpula da facção para “missões” do tipo. Contra ele, havia um mandado de prisão em aberto pela morte de Marlon Ricardo da Silva Diarte, assassinado a tiros no Indubrasil no último dia 8 deste mês. Marlon também fazia parte da cúpula do PCC.

Seu pai, o gaúcho Irineu Domingos Soligo, o “Pingo”, está preso no Rio Grande do Sul após ser capturado em uma fazenda na região de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, em julho de 2010. Pingo era procurado por anos e conseguiu se esconder utilizando identidades falsas e propina.

Considerado um barão do tráfico de drogas na região de fronteira, Pingo tem duas condenações no Brasil por narcotráfico, de 15 anos e outra de 26 anos de prisão. O megatraficante teria associações com a organização paulista PCC e de sua fazenda, em território paraguaio, comandava uma rede de tráfico internacional de drogas. MIDIAMAX