Operações resultaram em R$ 30 milhões apreendidos em espécie pela PF no MS

Em 2019 a Polícia Federal apreendeu em Mato Grosso do Sul cerca de R$ 30 milhões em espécie. O valor é resultado das apreensões efetuadas em operações de combate ao tráfico de drogas.

Segundo o balanço divulgado nesta manhã (6/1), no ano passado foram apreendidos 79.834,53 kg de maconha e 7.405,61 kg de cocaína. Nas investigações e ações de combate ao tráfico de drogas foram apreendidos das organizações criminosas aproximadamente R$ 30 milhões e mais de duzentos veículos. 

Observou-se também um aumento de 79% no volume de cocaína apreendida e uma diminuição de 5% no total de maconha comparando as apreensões no ano de 2018. Aquele foi o período com maior volume de apreensões de maconha pela Polícia Federal no Mato Grosso do Sul. 

Ainda, no ano de 2019, ações integradas com outras forças como a Operação Hórus e erradicação das plantações de maconha no Paraguai, por meio da Operação Aliança, uma atuação conjunta entre a Polícia Federal e a Polícia Paraguaia, têm contribuído para o combate aos distribuidores de droga através do Estado.

Quanto ao contrabando de cigarros foram apreendidos mais de 31 milhões de maços, aproximadamente trezentos veículos e, em ações conjuntas com outras forças, 280 indivíduos foram presos envolvidos neste tipo de modalidade criminosa. As operações de combate determinaram um prejuízo de mais de R$ 238 milhões de reais às organizações criminosas.

Importa ressaltar que houve queda nas apreensões de cigarro por parte Superintendência Regional da Polícia Federal no ano de 2019 em relação ao ano de 2018. 

Isso pode ser explicado por dois fatores: pelo incremento de ações ostensivas de combate, às quais dificultaram a entrada de produtos ilícitos no território nacional, e por ações que desarticularam financeira e estruturalmente organizações criminosas bastante significativas — os exemplos são as Operações Nepsis e suas fases, Teça, Trunk, dentre outras.

Também em 2019 foram apreendidas 132 armas e 18.188 munições, o que representou um pequeno aumento em relação ao ano de 2018, na ordem de 2% em relação aos armamentos e 10% quanto às munições. D.NEWS