Na Espanha, advogado diz que ex-major da PMMS procurado pela Interpol está morto

Notificação da morte de Paul Wouter foi encaminhada à Justiça

 Em 15h03 – 25/11/2020

Carvalho flagrado em local onde se encontrava com traficantes na Espanha (Foto: Diário de Pontevedra)

Com mais de 17 inquéritos, acusado de vários crimes no Brasil e na Espanha, o ex-major da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) é tido como morto pelo advogado. Nos últimos dias foi encaminhada notificação à Justiça de Pontevedra (ES) sobre a morte de Paul Wouter, identificação falsa usada por Carvalho naquele país.

Expulso da PMMS em 2018, mesmo já tendo sido condenado por crimes desde 1997, Carvalho morava atualmente na Espanha, onde tinha uma mansão avaliada em 2 milhões de euros. Usando o codinome Paul Wouter, ele chegou a ser preso também em 2018, por tráfico de drogas. Ele seria o responsável pela entrada de 1,7 tonelada de cocaína no país, através de um navio.

Mesmo assim, acabou liberado e há poucos dias foi informada a morte do militar. A informação é dos jornais espanhóis La Voz de Galícia e Diário de Pontevedra. A princípio, o advogado teria encaminhado à Quinta Seção do Tribunal Provincial de Pontevedra a notificação da morte.LEIA TAMBÉM:

No entanto, ainda não teria sido apresentada a certidão de óbito e a defesa também alega que o corpo do ex-major foi cremado. A morte foi notificada só após a defesa de Carvalho saber que o Ministério Público da Espanha faria pedido de 13 anos e 6 meses de prisão a Paul Wouter. Por isso, a Justiça Espanhola não acredita em tal versão, nem mesmo a Polícia Federal e então foi emitido o mandado de prisão junto com a Interpol.

Na Espanha, advogado diz que ex-major da PMMS procurado pela Interpol está morto
Mansão em que Carvalho vivia, na Espanha (Divulgação, PF)

Inúmeros crimes

Sérgio Roberto chegou a ser preso em 2009, na Operação Las Vegas, mas acabou conseguindo liberdade em abril de 2013, pela Justiça Federal. Na operação em questão, ele era investigado por esquemas de jogos de exploração de cassinos, mesmo crime pelo qual foi alvo da Operação Xeque-Mate. Neste, ele também já tinha sido.

Midiamax