Moro anuncia leilão de 91 imóveis confiscados do tráfico em Sapucaia e todo MS

Na lista, estão terrenos, apartamentos e até fazendas
29/02/2020 14:01 – Da Redação
Estado tem o segundo maior número de imóveis confiscados – Reprodução/Bing

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro anunciou na sexta-feira (28) que o governo federal vai leiloar 612 imóveis em todo o Brasil confiscados de organizações criminosas ligadas ao tráfico de drogas. Em Mato Grosso do Sul, 91 imóveis serão vendidos.

São casas, apartamentos, prédios comerciais, fazendas, chácaras, sítios, lotes e outros itens. A maioria está em Rio Verde de Mato Grosso, mas há imóveis em 17 municípios. São eles: Amambai, Aquidauana, Batayporã, Caarapó, Campo Grande, Coronel Sapucaia, Corumbá, Coxim, Dourados, Japorã, Juti, Mundo Novo, Naviraí, Ponta Porã, Rio Brilhante, Terenos e Três Lagoas.

Há, por exemplo, um apartamento no Centro da Capital e um prédio no bairro Caiçara; uma fazenda no Pantanal, em Aquidauana; uma chácara em Caarapó; um sítio em Japorã; um prédio comercial em Rio Brilhante e três casas em Três Lagoas. A maioria das propriedades são lotes.

Todos os 612 imóveis foram listados em um painel georreferenciado com a localização exata e as informações detalhadas. Segundo a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), o painel diminui a burocracia e facilita que esses bens, confiscados em favor do Fundo Nacional Antidrogas (Funad), sejam alienados o quanto antes, gerando recursos para políticas antidrogas.  

A página ainda apresenta informações sobre a documentação judicial do imóvel, se está completa ou não, indicando, assim, se há pendência com relação aos documentos encaminhados pelo Judiciário à Senad. Assim, caso esteja completa, o bem pode ser leiloado.

Conforme entram e saem dados do painel, ele é atualizado. A lista está disponível para consulta pública na página do Ministério da Justiça na internet (clique aqui para acessar).

Ministro disse apenas que leilão ocorrerá em breve – Reprodução/Twitter

COMO FUNCIONA  

Os imóveis do Funad têm origem no confisco de bens apreendidos em processos criminais relacionados ao tráfico de drogas e demais crimes previstos na Lei de Drogas (11.343/2006).  O registro é feito em um sistema própria, que gerencia os dados dos bens do fundo, a partir das informações encaminhadas pelo Poder Judiciário à Senad.

Esses bens têm como destinação principal a venda, por meio de leilões, resultando na arrecadação de recursos a serem aplicados em ações e projetos de enfrentamento e prevenção às drogas.