FRONTEIRA.Quarentena ou Férias de março? Estudantes ignoram medida e se aglomeram em bares do lado brasileiro

Medida de prevenção adotada pelo governo paraguaio tem sido ignorada por parte dos estudantes que se aglomeram do lado brasileiro.

Na última semana após dois casos serem confirmados em Assunção, o governo paraguaio decretou 15 dias de quarentena nos principais estabelecimentos, universidades e escolas do país como medida preventiva ao novo coronavírus COVID-19 a fim de evitar aglomerações. Mas, a cena em que vemos na fronteira de Pedro Juan Caballero com Ponta Porã , um dos maiores polos universitários do Paraguai tem sido muito distante da realidade em que vivem os demais países afetados pelo vírus, falta consciência por parte das pessoas e principalmente dos universitários, ao contrário do que as autoridades pensavam muita gente não fica dentro de casa, a realização de calouradas e festas nos bares do lado brasileiro até mesmo durante a semana tem sido frequente, levando centenas de universitários a se aglomerarem ignorando as medidas de prevenção estabelecidas pelo governo e a OMS – Organização Mundial Da Saúde.


É importante lembrar que não é proibido sair de casa, todos têm o direito de ir e vir porém, estamos no meio de uma pandemia e evitar aglomerações ajuda na redução do número de casos que apesar de ainda ser baixa na região, a nossa fronteira é “porta de entrada” para o vírus tendo em vista que recebe diariamente milhares de turistas.
No Brasil existem 200 casos confirmados, sendo 3 em Campo Grande MS a 300 km da fronteira.
Preocupados com a situação, foi criado um comitê juntamente com autoridades brasileiras e paraguaias a fim de combater a entrada do vírus na fronteira, a economia já sente de perto os efeitos, o maior shopping de importados da América latina, o Shopping China anunciou na manhã desta segunda-feira (16) que fechará as portas por tempo indeterminado.
Vamos fazer a nossa parte. Cada um fazendo o “seu sacrificio” de ficar em casa, todo mundo ganha. São só 15 dias. Vamos cooperar. Não é férias, é quarentena!

Texto: Júnior Dias – Jornalismo UCDB