CAPITAN BADO.Suspeitos de execuções na fronteira são presos com pistola e metralhadora

Suspeitos de execuções na fronteira são presos com pistola e metralhadora
Thaiano Flores e Cleberson Vasques Acosta seriam “soldados” do PCC em Capitán Bado

Armas, carregadores e munições encontrados com brasileiros (Foto: Divulgação)
Dois brasileiros, supostamente membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), foram presos hoje (23) em Capitán Bado, cidade paraguaia vizinha de Coronel Sapucaia (MS), a 400 km de Campo Grande.

Thaiano Souza Flores e Cleberson Vasques Acosta são suspeitos de envolvimento em execuções na fronteira entre os dois países. A linha internacional entre o Departamento (equivalente a Estado) de Amambay e Mato Grosso do Sul convive com assassinatos quase diários há quase cinco anos.

O comissário da Polícia Nacional Rubén Paredes informou que os dois brasileiros estavam com uma pistola Clock 9 milímetros com seletor de rajada e com uma submetralhadora Uzi do mesmo calibre, de fabricação israelense. Com eles também foram encontrados seis carregadores, munições calibres 9 milímetros e cartuchos de escopeta calibre 12.

Localizados por agentes do Departamento de Investigações, Thaiano e Cleberson são considerados bandidos perigosos e suspeitos de participação no confronto que deixou um policial morto e outro ferido no dia 1º deste mês em Sargento José Félix López, povoado conhecido como Puentesiño, no Departamento (equivalente a Estado) de Concepción.

O povoado de sete mil habitantes fica a 71 quilômetros de Bela Vista (MS), mas em linha reta está situado a menos de 15 km do território sul-mato-grossense. Os dois policiais estavam na sede local da Polícia Nacional quando foram alvejados a tiros. O oficial Ramón Ávalos morreu e o suboficial Pedro Jara ficou gravemente ferido.

De acordo com o comissário Rubén Paredes, os dois também são suspeitos de outras execuções recentes em Capitán Bado. As armas encontradas com eles serão submetidas à perícia, para tentar identificar ligação nas mortes.

Já Thaiano Souza Flores aparece como réu apenas em um processo por furto qualificado em Dourados, em 2014. Ele e o cunhado foram acusados de furtar peças de um carro que encontraram capotado em estrada da região. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS