Frontera

Ex-policial de MS era “sócio” de Minotauro no tráfico de drogas pela fronteira

Traficante usava documentação falsa em nome de José Antônio Brito

A Prisão do narcotraficante no início deste mês foi decisiva para o flagrante de Adair José Belo, nesta texta-feira (26) no aeroporto de Viracopos em Campinas, SPo Fernandes

As investigações que culminaram na prisão do ex-policial militar de Mato Grosso do Sul Adair José Belo, de 47 anos, nesta terça-feira (26) também indicaram que o foragido era sócio de Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, 32 anos, o “Minotauro”, também preso no início deste mês em Balneário Camboriú, Santa Catarina.

Adair foi detido no Aeroporto de Viracopos em Campinas, SP, com certa quantia em dinheiro a usando documentos falsos em nome de José Antônio Brito. As informações iniciais eram de que ele tinha sido preso na Bolívia.

O foragido buscava embarcar com destino a Rio Branco, AC, onde possivelmente se deslocaria até a Bolívia para realizar negociações envolvendo o tráfico de drogas. A ação foi decorrente de investigação da superintendência da Polícia Federal de Mato Grosso do Sul e contou com o apoio da delegacia da PF em Campinas, SP.

As investigações para localizar e prender Adair José Belo se iniciaram a partir da prisão de Minotauro. A análise dos materiais apreendidos pela Polícia Federal indicaram que Adair era um dos apoiadores da organização criminosa chefiada pelo narcotraficante. A rede criminoso se dedica ao tráfico de entorpecentes da Bolívia para o Brasil pela fronteira sul de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Dinheiro apreendido com o foragido. (Foto: Direto das Ruas)

Dinheiro apreendido com o foragido. (Foto: Direto das Ruas)

Carteira de habilitação apresentada pelo criminoso no aeroporto. (Foto: Direito das Ruas)

Carteira de habilitação apresentada pelo criminoso no aeroporto. (Foto: Direito das Ruas)

Belo já foi segurança e braço direito do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani e chegou a ser apontado como sucessor de Rafaat no comando do tráfico de drogas da fronteira, após sua execução em 2016.

Ele é suspeito de diversos crimes, entre eles tráfico internacional de drogas, homicídios, porte ilegal de arma de uso restrito e organização criminosa, e ainda tinha mandado de prisão em aberto. O suspeito foi conduzido à delegacia da Polícia Federal de Campinas, SP e em seguida será encaminhado ao presídio local.

Trajetória no crime – Foragido por tráfico em Mato Grosso do Sul, Adair José foi descoberto em dezembro de 2017 em Rondônia, depois de atirar na cabeça do próprio tio, durante uma briga. À época, o filho do homem baleado na cabeça procurou a polícia no dia seguinte e contou sobre a verdadeira identidade de Adair – que se apresentava como Jorge -, mas o traficante conseguiu fugir.

O filho da vítima contou aos policiais que Adair teria comprado uma fazenda perto de Pimenteiras (RO), de onde comanda o tráfico internacional de drogas. Em buscas na fazenda, os policiais encontraram um revólver 357, uma pistola 9mm adaptada para disparar sem interrupção e diversas munições calibres 22 e 12, mas Adair já tinha desaparecido. 

Natural do Paraná, Adair José Belo foi soldado da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, mas desertou em 1994, após executar um sargento da corporação, mando de traficantes. Preso e condenado, se tornou informante da polícia sobre os narcotraficantes, mas depois de cumprir a pena voltou para o crime. CGNEWS

Comentarios

Más popular

Hasta arriba