Otros

Lava Jato prende suspeito de ser ‘homem da mala’ de Geddel

Doleiro foi apontado por Lúcio Funado como a pessoa responsável pela entrega de dinheiro ao ex-ministro
Lava Jato prende suspeito de ser ‘homem da mala’ de Geddel
© Ueslei Marcelino / Reuters

Notícias ao Minuto Brasil
HÁ 1 HORA POR FOLHAPRESS

POLÍTICA OPERAÇÃO

A nova fase da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, deflagrada nessa quinta-feira (3), prendeu em Brasília um doleiro apontado por Lúcio Funaro como a pessoa que fez entrega de dinheiro ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB), apurou a reportagem.

Essa suposta entrega de dinheiro está sendo investigada em um dos inquéritos em que o presidente Michel Temer é alvo no STF (Supremo Tribunal Federal).

Em outubro de 2017, o operador financeiro Lúcio Funaro disse à Procuradoria-Geral da República ter direcionado R$ 1 milhão a Geddel, dinheiro que teria recebido do advogado José Yunes, ex-assessor especial de Temer.

Segundo Funaro, o dinheiro foi enviado por meio de um doleiro sediado no Uruguai que prestava serviço para ele, chamado Tony. Esse doleiro teria feito o trabalho de “logística” -receber o dinheiro em São Paulo e entregá-lo em Salvador: “Ele [um funcionário do doleiro Tony, de nome “Júnior”] entregou no comitê do PMDB da Bahia para o próprio Geddel”, disse Funaro.

+ Gleisi visita Lula, sai com olho marejado e diz que Ciro não foi pauta

Funaro disse também que não tinha a exata identificação de Júnior -o doleiro preso nesta quinta-, “pois tal pessoa era mencionada apenas dessa forma”.

Funaro entregou às autoridades anotações que, segundo ele, comprovam a entrega de R$ 1,2 milhão em Salvador no dia 3 de outubro de 2014, às vésperas das eleições daquele ano.

Ele disse que quase a totalidade da movimentação financeira com Geddel foi identificada pela PF, que rastreou movimentações diárias, abastecimento de aeronave e hangar em Salvador, além de hospedagem em hotel. Geddel afirma que a história não é verdadeira e que não conhece nenhuma pessoa chamada Junior no contexto referido por Funaro.

DOLEIROS

Na nova fase, a Lava Jato do Rio mirou um esquema de doleiros que atuam no país e movimentou cerca de US$ 1,6 bilhão (cerca de R$ 5,3 bilhões), envolvendo mais de 3.000 offshores em 52 países.

A operação não tem ligação com o suposto esquema apontado por Funaro e que teria beneficiado Geddel. Junior, apelidado de Jubra -junção de “Junior” com “Brasilia”- foi detido porque faria parte do suposto esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas investigado pela Lava Jato.Vinicius Claret e Cláudio Barboza, apontados como os maiores doleiros do país, fizeram delação premiada.

Seus depoimentos deram base à operação desta quinta. Barboza disse que foi apresentado a Junior por Lucio Funaro, em 2008, como sendo “um doleiro que atuaria em Brasília”. Desde então, passou a utilizar os serviços de Junior para fornecer dinheiro em espécie em Brasilia e para fazer a logística para entrega de dinheiro em espécie pelo país. A reportagem não conseguiu contato, até as 17h30, com o advogado de Júnior. Com informações da Folhapress.

PUBLICIDADE.
NUEVA EMPRESA DEL GRUPO CAPITANBADO.COM
GLOBAL INVEST PJC.
COMO INSTALAR SUA EMPRESA EM PEDR JUAN CABALLERO.

PUBLICIDAD.


Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

APP FM CAPITANBADO.

Oi pessoal to passando pra informar que nosso RADIO FM já tem o seu próprio App FM CAPITANBADO, sua radio para Android e o mais legal ele é GRATIS. E gostaria de pedir para todo os nossos internautas que instalem, comente e avalie o aplicativo para assim ir melhorando o App.- FM Capitán Bado: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.fmcapitanbado&hl=es_PY

Comentarios

Más popular

Arriba