Otros

Greenpeace faz “terrorismo psicológico”, diz FPA

Ativistas deixaram “mala simulacro de bomba” na Câmara dos Deputados
A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) repudiou publicamente e pediu que sejam tomadas providências civis e criminais contra o que classificou de “terrorismo psicológico” praticado pelo Greenpeace. Os ativistas deixaram uma “mala simulacro de bomba” na Comissão Especial que debate o projeto de lei sobre defensivos fitossanitários na Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (20.06), causando apreensão em todos os presentes. Confira a Nota de Repúdio:

FPA pede providências civis e criminais contra bomba simulacro do Greenpeace

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) repudia a ação do Greenpeace, organização-não-governamental e internacional, que deixou uma mala simulacro de bomba na Comissão Especial que debate defensivos fitossanitários na Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (20), causando terrorismo psicológico em todos os presentes à reunião.

Segundo a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados, ouvida no momento em que a mala foi encontrada, faltou apenas a carga explosiva. O artefato sonoro com simulacro de bomba continha bateria e ligações elétricas para disparo à distância e foi encontrado por um dos assessores presente no local, que notou comportamento estranho de um homem com barba e que vestia terno azul.

A FPA rechaça qualquer incentivo a práticas terroristas e criminosas contra a democracia e os Poderes da República Federativa do Brasil e pede:

1. Providência civis e criminais contra o Greenpeace;

2. Identificação de quais servidores da Câmara dos Deputados estão envolvidos com a entrada da mala sem passar pelo raio-x;

3. Identificação de qual parlamentar interferiu na segurança da Polícia Legislativa e permitiu a entrada do portador da mala na Comissão Especial, que naquele momento permitia o acesso apenas à servidores da Casa e à profissionais credenciados; e

4. Providência da Presidência da República, por meio da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para controle de atividades terroristas no Brasil.

O diálogo e o processo democrático do país devem ser preservados, sobretudo, em debates polêmicos como o da modernização da legislação de defensivos agrícolas no país.

Fonte: Agrolink

Comentarios

Más popular

Hasta arriba