Otros

Cientista criam culturas que “adoram” sal

Cientista criam culturas que “adoram” sal

Alternativa visa suprir uma possível falta de alimentos no futuro

Cientistas em Dubai estão desenvolvendo culturas, como a quinoa, que podem se desenvolver muito bem nos solos salgados que estão invadindo as terras cultiváveis do mundo. No entanto, eles afirmam que conquistar pessoas suficientes para comê-las está sendo um desafio maior do que foi anteriormente esperado.

Em uma fazenda experimental, pesquisadores do Centro Internacional de Agricultura Biosalina (ICBA) estão tentando ajudar os agricultores do Oriente Médio a partir da criação das chamadas “plantas improváveis” conhecidas como halófitas. Essas plantas, desde a popular quinoa até a salicórnia obscura, florescem em ambientes salgados e áridos onde as culturas básicas como trigo ou arroz murcham.

Preocupações sobre a mudança climática, o crescimento populacional e a degradação de terras férteis acrescentam urgência ao trabalho do ICBA, que tem um orçamento de US $ 15 milhões por ano. As Nações Unidas estimam que a produção de alimentos deve aumentar em 60% em trinta anos para atender a demanda, enquanto os ganhos no rendimento das safras estão diminuindo.

“Você pode ver o desastre chegando. Não consigo entender por que mais pessoas não estão agindo para evitar isso”, diz Ismahane Elouafi, diretor geral da ICBA. Os governos relutam em investir em novos alimentos e permanecem amarrados a culturas básicas que “são muito exigentes em água”, completa.

Através da criação seletiva, o instituto de pesquisa sem fins lucrativos desenvolveu cinco variedades de quinoa, que é um grão rico em proteína e sem glúten que tem sabor de arroz com nozes e cresce especialmente bem em solo salgado. O centro está apresentando-os no Egito e no Marrocos.  Fonte: Agrolink

Comentarios

Más popular

Hasta arriba