Operação faz buscas contra PCC em 8 estados; substituto de Marcola é alvo

Caio Guatelli/Folhapress
Imagem: Caio Guatelli/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

Uma operação policial integrada cumpre 110 mandados de prisão em Alagoas e mais sete estados contra integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) e o traficante identificado como Maré Alta, que teria substituído o antigo líder da facção, Marcola, hoje preso em Brasília (DF).

As buscas começaram em Alagoas onde há altos registros de mortes no “tribunal do crime” em Maceió e região Metropolitana. Nessas execuções, inimigos do PCC acabam torturados e sentenciados à morte por líderes da facção, que acompanham os assassinatos em tempo real.

Série do UOL mostra como PCC foi de pequeno grupo a cartel internacionalGrupo examinou contas do PCC após ataques de 2006; Justiça rejeita denúnciaGarçons e prostitutas são agentes para PCC levar cocaína a Europa e África

A Operação Flashback acontece também em cidades dos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Tocantins e Sergipe. Cerca de mil policiais civis e militares participam das buscas.

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública de Alagoas, a operação é resultado de sete meses de investigações.

O objetivo é combater o principal núcleo da facção criminosa, com base no Mato Grosso do Sul, de onde saem as ordens para o “tribunal do crime” para todo o Brasil. Elas seriam comandadas pelo traficante Maré Alta.

Os criminosos são procurados ainda por envolvimento em sequestros, tráfico de drogas e assaltos.

Documentário “Primeiro Cartel da Capital”

O selo MOV.doc, destinado a produções documentais do UOL, lançou a série PCC – Primeiro Cartel da Capital. Com direção de João Wainer (diretor dos documentários “Junho – o mês que abalou o Brasil” e “Pixo”), a série de quatro episódios é o resultado de um trabalho minucioso de apuração da equipe de Notícias da maior empresa brasileira de conteúdo, serviços e produtos da internet.

A equipe trabalhou na investigação por seis meses com gravações em São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Rio Branco (AC) e Nápoles (Itália). O resultado é uma grande série documental que busca entender como um grupo de oito detentos se transformou numa facção que hoje tem mais de 33 mil membros e tenta conquistar o monopólio do tráfico de drogas no país.

O documentário tem reportagem, pesquisa e produção dos jornalistas Flávio Costa, Luís Adorno, Aiuri Rebello e Eduardo Militão e apresentação de Débora Lopes.