Fronteira

MS zera déficit de delegados ao nomear 72 aprovados em concurso

Turma que integrou o 8º Curso de Formação de Delegados de Polícia Civil será lotada em unidades do interior
Os 72 novos delegados serão direcionados para unidades do interior. (Fotos: PCMS/Divulgação)

A nomeação de 72 novos delegados de Polícia Civil vai acabar com a falta desses profissionais de segurança pública. A intenção é lotar todos os integrantes 8º Curso de Formação em cidades do interior, com ênfase nos 30 municípios da faixa de fronteira e viabilizar ações de prevenção à violência contra mulheres, crianças e adolescentes. Dentre os aprovados, há policiais civis que vieram de outros Estados e policiais militares.

Delegado-geral de Polícia Civil, Marcelo Vargas reforçou que a prioridade é transferir os novos delegados para as 27 cidades que não têm titulares nas suas unidades –municípios com apenas um delegado receberão um segundo integrante.

“A presença de um delegado no município tem impacto na referência de Justiça da população. Só a prevenção por si só não consegue inibir o crime. A gente só consegue formalizar os atos da Polícia Judiciária com a presença do delegado. Nas cidades que não possuem delegados é necessário que a Polícia Militar se desloque para o município vizinho”, afirmou Vargas.

Dentre os 72 novos delegados, 15 são mulheres. Elas, conforme o delegado-geral, terão como objetivo reforçar o enfrentamento aos crimes contra mulheres, crianças e adolescentes. As delegacias passarão a contar, ainda, com a Sala Lilás (ambiente preparado para atendimentos exclusivos a esses segmentos da população), em parceria com a Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres.

Ainda segundo Vargas, a faixa de fronteira terá o reforço de cerca de 30 delegados. “Com isso, vamos melhorar a elucidação de homicídios na região de fronteira, que são relacionados ao tráfico de drogas”, afirmou.

Marcelo Vargas destacou que as cerca de 30 cidades na região de fronteira terão novos delegados
Formação – O 8º Curso de Formação de Delegados de Polícia Civil começou em abril, tendo 600 horas de aula em regime integral, de segunda a domingo (incluindo feriados), em três turnos. Foram oferecidas aulas teóricas, práticas, operacionais e estágio supervisionado.

A turma é formada por graduados em Direito aprovados no concurso realizado em 2017, com profissionais vindos de 14 Estados.

Diretora da Acadepol (Academia de Polícia Civil), a delegada Maria de Lourdes Cano destaca que o curso reforça o papel da polícia comunitária e do novo perfil de segurança pública. “A partir do momento que a polícia está próxima da população passa a ter uma confiabilidade maior no poder público. Os novos delegados aprendem que ninguém faz nada sozinho. Defendemos o trabalho conjunto com as outras instituições e a população”.

Novos – Eduardo Ferreira de Oliveira era delegado de Polícia Civil em São Paulo, Estado que trocou por Mato Grosso do Sul. “A Polícia Civil daqui é uma das melhores do país. Sempre escutamos elogios lá em São Paulo. Temos condições de realizar um bom trabalho em prol da sociedade”, afirmou.

Eduardo Ferreira de Oliveira era delegado em São Paulo e optou por vir para Mato Grosso do Su
Ex-integrante da Polícia Civil de Goiás, a delegada Nelly Gomes dos Santos Macedo destacou os objetivos de aproximação entre a instituição e a sociedade, bem como a preocupação com o tratamento às mulheres vítimas de violência. “A gente consegue entender e dar um atendimento padrão de qualidade para que elas não sejam vitimizadas novamente”.

Já Eramos Bruno de Mello Cubas foi policial militar por dez anos no Estado. Agora, afirma realizar um sonho. “Os 72 delegados estão esperançosos de atender à necessidade do Estado na melhoria de sensação de segurança para a população e resolver as questões administrativas”.

Com 21 anos, Ulisses Nei de Brito Santos será o delegado de Polícia Civil mais novo do Brasil. Vindo de Rondônia, ele obteve mandado de segurança que lhe permitiu assumir a vaga, tendo de passar por uma banca de avaliação. “Eu fiquei encantado com os amigos dos meus pais que combatiam a criminalidade. Eles me incentivaram a entrar nesta carreira”, conta.

“Vou me empenhar no cargo para reduzir a criminalidade. Pretendo integrar com a sociedade, fazendo com que tudo ocorra bem, inclusive, fazendo palestras em escolas”, completa Ulisses.

Presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina (PSDB, Bataguassu) afirma que o novo efetivo é muito aguardado. “A gente destaca a decisão do governador Reinaldo Azambuja, mesmo em um período difícil, ter a atitude de nomeá-los e contemplar os municípios”, declarou.

Fonte: Campo Grandenews

Comentarios

Más popular

Arriba