Fronteira

Milho 2ª safra em MS deve atingir 9 mi de toneladas na temporada 2018/19

O presidente do Sistema Famasul destacou desafios do setor durante o lançamento oficial da Aprosoja/MS

Os desafios na safra 2018/19 de soja e a expectativa para o plantio do milho 2ª safra foram destaques do presidente do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Mauricio Saito, nessa quinta-feira (31), durante o lançamento oficial da colheita de soja e plantio de milho, safra 2018/2019, de Mato Grosso do Sul. O evento organizado pela Aprosoja/MS – Associação dos Produtores de Soja de MS, com apoio da Federação, aconteceu na Fazenda Luana, do agricultor, Bruno Maggioni, localizada em Campo Grande.

Na cerimônia, Saito falou dos cenários extremos da temporada. “Em relação à soja, podemos dizer que o clima foi fator relevante para o desenvolvimento da cultura no estado, com relatos de produtividade inferior a 25 sacas por hectare”, afirmou Saito, destacando ainda: “A situação exige que o agricultor aplique suas habilidades em planejamento para conduzir a atividade mesmo diante dos possíveis impactos”, afirmou Saito.

Em relação à safra de milho, o presidente da Federação acrescentou: “Para a 2ª safra, se a condição climática for favorável, a perspectiva é positiva com relação à demanda do mercado externo, que projeta uma melhor precificação”, explica.

Saito reforçou também: “É o momento de fazer gestão para garantir bons resultados na evolução do ciclo das duas culturas e também de sensibilizar o Governo Federal sobre a importância para o setor da permanência das linhas de créditos, garantia de recursos e manutenção dos juros para financiamentos”.

O presidente da Aprosoja/MS, Juliano Schmaedecke, apresentou os dados referentes à colheita e plantio. “As regiões Sul e Centro enfrentaram, em média, de 10 a 25 dias sem chuvas, mas há registros de propriedades sem precipitações por 45 dias. Neste ciclo passamos a ter 5,18% a mais de área para o cultivo de soja, expansão que aconteceu sobre áreas antes dedicadas à pastagem e produção de cana”, ressalta.

O secretário da Semagro, Jaime Verruck, destacou a questão logística no evento: “Nosso foco é melhorar a situação local e, para isso, temos trabalhado intensivamente para colocar, em prática, projetos relacionados às ferrovias, hidrovias e rodovias do Estado. Temos consciência da contribuição do agronegócio para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul e do País”, conclui.

Projeção

A Aprosoja/MS, previu durante a fase de plantio uma produção de 10 milhões de toneladas, porém com as intempéries climáticas em diversos municípios, principalmente aqueles da região Sul do estado, a estimativa foi reduzida para 8,947 milhões da oleaginosa, volume 6,6% menor que a última safra.

Para o milho a projeção é de 1,9 milhão de hectares destinados ao cultivo do cereal, sendo que deste total, 8,4% já encontram-se semeados. A temporada deve alcançar 9 milhões de toneladas, 14,85% a mais que no ciclo anterior.

Comercialização

Aproximadamente 40% da safra foi negociada antecipadamente. Em janeiro de 2018, o preço registrado para a saca de soja era de R$ 62,94, para o mesmo período deste ano, o valor é de R$ 66,06, acréscimo de quase 5%.

Participaram do evento o diretor-tesoureiro do Sistema Famasul, Marcelo Bertoni; o diretor-secretário, Frederico Stella; a 2ª secretária, Thais Carbonaro Faleiros; o vice-presidente da Aprosoja/MS, André Dobashi; o chefe geral interino da Embrapa Gado de Corte, Roney Mamede; o chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus.

Além da diretora-técnica do Sistema Famasul, Mariana Urt, do ex-presidente da Aprosoja/MS, Almir Dalpasquale e do Superintendente da Semagro, Rogério Beretta.

Fonte: Famasul

Comentarios

Más popular

Hasta arriba