Fronteira

Indústria da maconha deve movimentar US$ 30 bilhões em 5 anos

Um trabalhador coleta folhas de uma planta de maconha nas instalações da Canopy Growth Corporation em Smiths Falls, Ontário, Canadá, em 4 de janeiro de 2018. Foto tirada em 4 de janeiro de 2018. Para coincidir com a Insight CANADÁ-MARIJUANA / INOVAÇÃO REUTERS / Chris Wattie
Um trabalhador coleta folhas de uma planta de maconha nas instalações da Canopy Growth Corporation em Smiths Falls, Ontário, Canadá, em 4 de janeiro de 2018. Foto tirada em 4 de janeiro de 2018. Para coincidir com a Insight CANADÁ-MARIJUANA / INOVAÇÃO REUTERS / Chris Wattie

Líderes no setor de maconha legalizada dos EUA, as empresas Aurora e Canopy Growth reportaram ganhos trimestrais decepcionantes esta semana. Roy Bingham, diretor executivo e fundador da empresa de dados sobre maconha, BDS Analytics, disse ao Yahoo Finanças que ele ainda projeta no mercado americano de cannabis US$ 30 bilhões nos próximos cinco anos.

«Você ouve esses números gigantes como um mercado de US$ 150 bilhões ou US$ 200 bilhões», diz Bingham. “Esse é o mercado potencial total. Nossa projeção é mais para um mercado de US$ 30 bilhões, com base na avaliação real de quanto tempo leva para abrir as lojas e conseguir aprovar os regulamentos”.

O total de vendas de maconha legalizada atingiu um montante de US$ 10,4 bilhões nos EUA em 2018, de acordo com o New Frontier Data.

A Aurora perdeu as estimativas trimestrais de ganhos na quinta-feira, registrando uma perda de ‘lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização’ ajustada de 39,7 milhões dólares canadenses – superior aos 20,8 milhões esperados pelos analistas. Também anunciou que está suspendendo os planos de produção em suas instalações no Canadá e na Dinamarca para assegurar seu balanço.

O diretor corporativo da Aurora, Cam Battley, disse que os maiores desafios para o setor são problemas com questões governamentais e a crescente demanda do consumidor.

Isso porque o rival Canopy Growth também relatou ganhos abaixo do esperado.

«Os últimos dois trimestres foram desafiadores para o setor canadense de cannabis, já que as províncias reduziram as compras para níveis mais baixos do que em estoque, as aberturas de lojas ficaram aquém das expectativas e os produtos Cannabis 2.0 ainda estão por chegar ao mercado», disse Mark Zekulin, diretor executivo da Canopy, após a queda, de acordo com o MarketWatch.

O fundo de investimento de colheita alternativa caiu mais de 30% este ano, mas Bingham diz que a adoção de produtos pelos consumidores será o principal fator para mudar as coisas para o setor de cannabis – especialmente nos EUA.

“Nos Estados Unidos, vemos um crescimento de mercado nos estados mais velhos de cerca de 21% este ano, e então você acrescenta os novos estados que vão aderir à Lei de Uso de Maconha por Adultos em janeiro do próximo ano, como Michigan e Illinois, e você pode ver um tremendo crescimento”, explica Bingham. «Vamos ser sinceros, em termos da taxa geral de crescimento, você não pode ter 100% de crescimento ano após ano.»

Mas algumas pessoas na indústria temem que as empresas canadenses possam ultrapassar o mercado dos EUA se a cannabis for legalizada em território nacional, especulando que empresas canadenses melhor estabelecidas poderiam construir suas cadeias de suprimento mais rapidamente do que marcas menores com sede nos EUA.

«Várias pessoas estão dizendo ‘o mercado atual é atraente para mim, para que meus negócios sejam substanciais e lucrativos'», explica Bingham. “No entanto, é difícil expandir de um estado para vários estados na situação atual. Você precisa configurar uma estrutura organizacional totalmente separada em cada estado. Existem grandes empresas americanas emergindo na Califórnia e no Colorado, mas elas ainda não conseguem atingir o mesmo tipo de escala em termos de capital que os canadenses”.

Então, o que pode separar os vencedores dos perdedores nesse mercado? Bingham especula que a confiança do consumidor em uma marca estabelecida será o fator determinante para o sucesso de uma empresa.

«Não há dúvida de que, em última análise, os consumidores são atraídos por marcas», diz Bingham. “Eles esperam que uma experiência seja consistente e previsível. Depois de encontrarem uma marca que gostem, eles continuarão fieis à marca. Então, agora estamos nesta fase em que não se trata tanto de distribuição e de chegar às prateleiras, mas de começar a se relacionar com o consumidor”.

Meghan Fitzgerald

Más popular

Hasta arriba