Fronteira

A brasileira que virou celebridade ao compartilhar a rotina no YouTube

O longo cabelo louro, as roupas de grifes e o jeito expansivo da jovem milionária Alexia Hahn, de 21 anos, fazem parecer que ela saiu de algum filme americano sobre “patricinhas”. Há pouco menos de um ano, a universitária tornou-se youtuber.

Em um país com pobreza e número de desempregados crescentes, Alexia transformou-se em celebridade virtual ao compartilhar sua rotina, em meio a artigos de luxo.

Ela deu início ao canal no YouTube em abril de 2018. As publicações de Alexia passaram a ter milhares de visualizações após a jovem mostrar a mansão da família, em São Paulo. No vídeo, que atualmente acumula mais de 2,4 milhões de visualizações, a milionária mostra detalhes da residência de 4 mil metros quadrados – ao todo, o terreno tem 40 mil metros quadrados, nos quais há piscinas, sauna e quadras esportivas.

Alexia admite que o fato de ser rica atrai grande parte de seu público. Ao criar o canal, ela pensou que uma das características que mais chamariam atenção dos internautas seria o fato de ter uma vida “muito diferente da realidade da maioria das pessoas”.

A jovem, porém, afirma que o público continua a acompanhando em razão do comportamento dela. “Acho que as pessoas gostam dos meus vídeos porque acham que eu sou doida. Aliás, tenho certeza disso. Minha mãe sempre fala que sou meio doida. O fato de ser rica não mantém público, porque se a pessoa for chata ninguém assiste”, diz à BBC News Brasil.

Apesar de viver em meio ao luxo, ela ressalta que evita “ostentar” e procura mostrar sua rotina de modo cômico. “Eu quero fazer uma sátira disso tudo, até porque faço muita brincadeira com tudo. Dou risada até em velório”, comenta.

Filha da dona de casa Joyce Jorge e do empresário Marcelo Hahn, fundador e diretor executivo da gigante Blau Farmacêutica, a jovem diz que os pais não se incomodam com as publicações dela na internet. “Eles sempre disseram que eu tenho que correr atrás dos meus sonhos. Como eles sabem, há muitos anos tenho essa vontade de ser youtuber, então tá tudo bem.”

A vida de youtuber

Ainda na infância, Alexia manifestava o interesse em trabalhar com comunicação. Na adolescência, passou a acompanhar brasileiros no YouTube. “Me interessei em fazer vídeos também. Muitos conhecidos me incentivavam, porque diziam que eu tinha carisma. Mas eu era muito nova e fui adiando”, relata.

Ela fez o primeiro vídeo, no ano passado, após contratar uma equipe de produção audiovisual, que tornou-se responsável pela captação e edição das publicações dela no YouTube. “Desde o começo do meu canal, decidi que queria mostrar a minha vida por uma perspectiva debochada. Mesmo que ninguém assistisse, eu continuaria publicando. Quando vi que o pessoal estava gostando, fiquei feliz. E aí percebi que virei uma celebridade”, diz.

O dinheiro que recebe da monetização dos vídeos, segundo Alexia, não arca com os custos das produções. “O valor não paga nem um quarto dos gastos que tenho, porque, como contrato uma produtora, os custos são altos”, explica.

A jovem publica um vídeo por semana. Os temas são variados. Ela responde a perguntas do público, mostra viagens, detalhes de sua vida ou ataca de cozinheira – ela já ensinou receitas desastrosas como um “suflê duvidoso” e um “miojo gourmet”.

“Eu faço vídeos de diversos assuntos, sou muito eclética. O meu objetivo é que eles fiquem engraçados. Por exemplo, os de culinária, não fiz pelas receitas em si”, afirma.

Em nove meses de canal, já conquistou mais de 200 mil inscritos no YouTube e seus vídeos têm, ao todo, mais de 8,4 milhões de visualizações. O sucesso, ela confessa, foi inesperado. “Não imaginava que teria tanta gente me acompanhando em tão pouco tempo”, comenta.

Conforme a antropóloga e professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Maria Claudia Coelho, o sucesso de Alexia na internet pode ser creditado ao fato de o público acompanhar pessoas que possuem características que almejam para si.

“O fã idolatra aquele que, para ele, simboliza suas aspirações. Pode ser a riqueza, mas também a beleza. E pode ser ainda o infortúnio, com o qual se identifica, ou as histórias de superação de sofrimentos e adversidades”, relata Coelho à BBC News Brasil.

“O culto às celebridades é parte de uma mitologia gerada pela indústria cultural. Um mito é uma história criada pelas sociedades como um esforço de resolução de seus dilemas e conflitos. Não há sociedade que não produza mitos próprios. Segundo Umberto Eco, mitificar é projetar sentidos e aspirações sobre uma imagem”, pontua.

Alexia mostra a mansão da família
Image captionEntre os cinco vídeos mais assistidos no canal de Alexia, três deles são sobre a mansão da família

“As celebridades geradas pelas redes sociais são novas versões dessa velha questão”, acrescenta. Segundo a antropóloga, uma das distinções entre as webcelebridades e os famosos de outrora é que não há mais um meio centralizador que difunde a persona, como no passado, quando a fama costumava estar associada ao cinema ou a grandes emissoras de televisão.

O público que a acompanha

Entre os cinco vídeos mais assistidos no canal de Alexia, três deles são sobre a mansão da família. Ela conta que se divide entre três residências, pois os pais são divorciados. “Há a casa maior, que é a do vídeo mais famoso, que é do meu pai. Além dela, há um apartamento do meu pai e o da minha mãe. Eu costumo dizer que moro nos três lugares, pois divido meus dias entre eles”, explica.

No vídeo em que a youtuber abre a mansão de oito quartos – o nono está em construção -, os internautas ficaram surpresos com a dimensão da moradia. “Nessa casa, queria ver se minha mãe iria escutar se eu derrubasse o controle”, disse uma jovem. “O tamanho total da casa dela é o da minha escola”, descreveu outra.

A youtuber revela que se diverte com muitos dos comentários. Sobre as críticas, como quando dizem que ela ostenta nas redes ou se vangloria da sua condição financeira, Alexia diz não se abalar. “Acho um absurdo quando as pessoas não entendem que estou sendo irônica. Por exemplo, quando digo que um quarto gigante é básico, é claro que sei que não é.”

Desigualdade social

Alexia afirma ter conhecimento de que vive em um Brasil de extrema desigualdade social. Conforme indicadores sociais sobre pobreza do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de pobres cresceu nos últimos anos.

Em 2016, o Brasil tinha 52,8 milhões (25,7% da população) de pessoas pobres. No ano seguinte, o número aumentou para 54,8 milhões (ou 26,5%). Tal indicador tem como referência a linha de pobreza proposta pelo Banco Mundial – rendimento de até US$ 5,5 por dia, ou R$ 406 por mês.

Na faixa etária de Alexia – dos 18 aos 24 anos -, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, também do IBGE, 25,8% dos jovens brasileiros estavam desempregados no terceiro semestre de 2018.

A jovem comenta ter vivenciado pouco a realidade de grande parte dos brasileiros. Ela andou de ônibus e metrô somente uma vez. “Foi com o consentimento dos meus pais, há uns cinco anos. Uma das linhas do metrô estava um caos, achei perigosa e com um sistema falho. A outra linha estava bem melhor. Já o ônibus era muito antigo e ‘podrinho’. Mas sei que existem alguns que têm Wi-Fi e até decorações natalinas.”

Alexia Hahn
Image caption’Não me importo somente com coisas materiais. Além disso, uma pessoa fútil pensa que ela é pelo que ela tem. Não sou assim’

Alexia anda em carro blindado, acompanhada de seguranças. Segundo a jovem, a medida é necessária para garantir a sua integridade.

Ela afirma ter consciência de que possui uma vida diferente da imensa maioria dos brasileiros. “Sei que há pessoas que sequer têm o que comer. Preciso dar graças a Deus todos os dias. Essas situações de pobreza me entristecem. Quem tem dinheiro pode ajudar de alguma forma”, acrescenta.

“Já visitei uma comunidade carente em Manaus, quando viajei pra lá, e fui a áreas pobres de São Paulo, onde moro, porque a igreja que frequento costuma fazer ações sociais. É chocante ver como existem tantos extremos em um país”, declara.

Responsabilidade nas publicações

A youtuber explica que tenta ajudar outras pessoas por meio de ações sociais. “Sempre tive empatia. Na escola, fui a abrigos, asilos e sempre conscientizavam a gente sobre causas sociais. Mas não gosto de expor isso na internet, porque parece que querem ganhar visualizações mostrando boas ações.”

Em seus vídeos, Alexia comenta que procura ter responsabilidade social. “Eu tento passar mensagens mais responsáveis. Tem muitas blogueiras que falam besteiras e coisas que não deveriam. Acho que se essa gente tem esse poder de fala, tem que usar isso para o bem.”

Alexia Hahn
Image captionUma das inspirações da youtuber é a celebridade americana Kylie Jenner, que tem sua idade

“Tem blogueiras que são muito irresponsáveis. Por exemplo, há garotas magras que postam fotos com a legenda: ‘vai, gordinha’. Isso é muito gordofóbico. Sabe, tem muitas coisas erradas que elas falam. Precisam realmente melhorar e aprender mais sobre a vida. Tem gente que você acompanha e pensa: ‘meu Deus, isso não pode ser real'”, completa.

Em razão da preocupação social que diz ter em seus vídeos e publicações nas redes sociais, Alexia afirma que não se considera fútil. “Não me importo somente com coisas materiais. Além disso, uma pessoa fútil pensa que ela é pelo que ela tem. Não sou assim.”

Empresária e celebridade

Além do período que passa diariamente nas redes sociais e produzindo conteúdos para o canal no YouTube, Alexia também dedica parte de seu tempo aos estudos. Ela cursa Administração. Filha mais velha de Marcelo Hahn – o empresário tem outros quatro filhos -, a youtuber acredita que o curso pode auxiliá-la no futuro.

Apesar de admitir que não pensa nisso por ora, a jovem diz que no futuro deverá trabalhar na empresa do pai. “Quero me envolver (com os negócios do pai), mas tenho de estar preparada. Ainda sou muito nova, estou indo para o terceiro período da faculdade. Mais pra frente, quando estiver mais a par do assunto, aí vai dar tudo certo.”

Uma das inspirações de Alexia é a celebridade milionária Kylie Jenner, do clã Kardashian. “Você sabe quem é a Kylie Jenner, né? Bom, eu a admiro porque ela tem a minha idade, já é mãe, tem o próprio negócio e não surtou. Eu, no lugar dela, acho que surtaria.”Fonte: BBC Brasil

Comentarios

Más popular

Hasta arriba