Economia

Dólar tem em julho maior queda mensal em mais de um ano

Dólar tem em julho maior queda mensal em mais de um ano

No mês, o dólar recuou 5,87%, maior queda mensal desde junho de 2016 (-11,05%, acumulando no ano perdas de 4,04% ante o real

Por Claudia Violante, da Reuters

Dólar: o dólar recuou 0,52%, a 3,1183 reais na venda, nesta segunda-feira (Thinkstock/Thinkstock)

São Paulo – O dólar recuou quase 6 por cento e encostou em 3,10 reais em julho, maior queda mensal em mais de um ano, com o cenário político e econômico mais calmo, o que pode levar a novas desvalorizações da moeda norte-americana no curto prazo.

O dólar recuou 0,52 por cento, a 3,1183 reais na venda, nesta segunda-feira, menor patamar desde 16 de maio (3,0955 reais). Na mínima da sessão, foi a 3,1144 reais, enquanto o dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,10 por cento no final da tarde.

No mês, o dólar recuou 5,87 por cento, maior queda mensal desde junho de 2016 (-11,05 por cento), acumulando no ano perdas de 4,04 por cento ante o real.

“A tendência de curto prazo é do dólar mais perto de 3 reais, com alguma perspectiva de fluxo”, avaliou o analista-chefe da corretora Rico, Roberto Indech, ao ponderar, no entanto, que questões políticas podem trazer volatilidade.

Em julho, o dólar foi beneficiado, entre outras coisas, pela aprovação da reforma trabalhista no Congresso Nacional e aberturas de capital de empresas brasileiras, que devem gerar entrada de capital externo. De modo geral, o mercado continuava avaliando que, mesmo num eventual afastamento do presidente Michel Temer, a atual equipe econômica continuará atuando e com foco nas reformas.

Mas a cautela com a cena política não deve deixar de vez os mercados. Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados deve votar se autoriza ou não o Supremo Tribunal Federal (STF) continuar trabalhando na denúncia por crime de corrupção contra Temer, com base nas delações de executivos do grupo J&F.

A expectativa é de que esse processo seja barrado pelos parlamentares, mas outras denúncias contra o presidente podem ocorrer, já que ele também é investigado por crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa.

A cena externa também tem ajudado na queda do dólar no mercado brasileiro. A moeda norte-americana recuava ante uma cesta de moedas com as incertezas se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, será capaz de impulsionar a sua agenda econômica e questões sobre o ritmo do aumento de juros no país.

O Banco Central brasileiro não realizou leilão de swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, nesta sessão, após ter concluído a rolagem dos contratos que vencem em agosto no pregão passado. Em setembro, não há vencimentos de swap, apenas em outubro, de 8,205 bilhões de dólares.

PUBLICIDADE.

Comentarios

Más popular

Hasta arriba