Economia

DÓLAR FECHA EM ALTA-Confira os fechamentos de bolsa, câmbio, juro e commodities

SÃO PAULO, 19 Jun (Reuters) – Veja como fecharam nesta
terça-feira mercados financeiros no Brasil, Estados Unidos e
Europa, além das movimentações nas cotações de petróleo, soja e
açúcar.

(“A crise consiste no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer”)
www.capitanbado.com
Anuncie. 06 MESES E PAGUE 04.
MSG AO +595 984 202944

BOVESPA- Índice sobe mais de 2% puxado por forte alta de
bancos
O principal índice acionário da B3 avançou mais de 2 por
cento nesta terça-feira, com o setor financeiro puxando o
movimento de recuperação após as recentes perdas e descolando o
mercado acionário local do exterior.
O Ibovespa fechou em alta de 2,26 por cento, a 71.394
pontos. O giro financeiro somou 13,06 bilhões de reais.

MetaTrader 300×250
CÂMBIO- Dólar se acomoda e tem leve alta ante real, em dia
sem ação extraordinária do BC
O dólar terminou a terça-feira praticamente estável ante o
real, com um movimento de correção que desobrigou o Banco
Central a atuar extraordinariamente no mercado e colocou o
Brasil na contramão do exterior, onde predominou a aversão ao
risco com o recrudescimento das tensões comerciais entre Estados
Unidos e China.
O dólar avançou 0,11 por cento, a 3,7443 reais na venda,
depois de marcar a máxima de 3,7855 reais e a mínima de 3,7176
reais. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,05 por
cento.

JURO- DIs recuam com ajuste; apostas para manutenção da
Selic são majoritárias
As taxas dos contratos futuros de juros terminaram com forte
queda nesta terça-feira, num movimento de ajuste após o avanço
recente, com o trecho mais curto reprecificando as apostas para
a possibilidade de o Banco Central deixar a Selic estável no
encontro que termina no dia seguinte.

BOLSA EUA- Wall Street recua com preocupações comerciais,
Dow devolve ganhos de 2018
Os mercados acionários dos Estados Unidos recuaram nesta
terça-feira, quando uma forte escalada na disputa comercial com
a China abalou os mercados e colocou o Dow Jones novamente em
território negativo para o ano.
O índice Dow Jones caiu 1,15 por cento, a 24.700 pontos,
enquanto o S&P 500 perdeu 0,402343 por cento, a 2.763
pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,28 por
cento, a 7.726 pontos.

PUBLICIDADE.
WWW.CDENEWS.COM

BOLSA EUROPA- Agravamento da guerra tarifária afeta ações de
automóveis e pressiona principais índices
A intensificação da guerra comercial entre os Estados Unidos
e a China ampliou as vendas generalizadas no mercado acionário
europeu nesta terça-feira, com as ações de automóveis, mineração
e tecnologia sofrendo o impacto.
O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,72 por cento, a 1.498
pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu
0,7 por cento, a 383 pontos.

COMMODITIES
PETRÓLEO- Preços caem com disputa comercial EUA-China e foco
em decisão da Opep
O petróleo caiu nesta terça-feira, antecipando a
possibilidade de um aumento na oferta da Opep e conforme a
intensificação das disputas entre os Estados Unidos e a China
desencadeava grandes vendas em muitos mercados globais.
Os futuros do petróleo Brent recuaram 0,26 dólar,
fechando a 75,08 dólares por barril, enquanto os preços do
petróleo dos EUA (WTI) caíram 0,78 dólar, fechando a
65,07 dólares o barril.

SOJA , MILHO , TRIGO
Soja tem mínima de quase 10 anos em Chicago por disputa
EUA-China e tempo favorável
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago
despencaram para o seu nível mais fraco em quase uma década
nesta terça-feira, conforme a intensificação das tensões
comerciais entre os Estados Unidos e a China, maior comprador de
soja do mundo, causava vendas por fundos, disseram analistas.
O milho e o trigo seguiram as amplas perdas no setor de
commodities.

AÇÚCAR , CAFÉ
Café arábica amplia perdas na ICE para mínima desde 2016;
açúcar também cai
Os contratos futuros do café arábica na ICE caíram pela
quinta sessão consecutiva, atingindo uma mínima em mais de dois
anos nesta terça-feira, enquanto o açúcar bruto também caiu
pressionado pela influência da fraqueza em mercados de
commodities e pela firmeza do dólar norte-americano.

(Por Isabel Marchenta; Edição de Iuri Dantas)
((isabel.marchenta@thomsonreuters.com; +5511 5644 7721;))

Comentarios

Más popular

Hasta arriba