Brasil

TEIXEIRINHA:Há 30 anos morria o maior cantor gauchesco de todos os tempos (fotos videos)

TEIXEIRINHA:Há 30 anos morria o maior cantor gauchesco de todos os tempos (fotos)
Neste dia 4 de dezembro, há 30 anos, morria, vitimado por um câncer, o maior ídolo popular que o Rio Grande do Sul já viu.

Vitor Mateus Teixeira, o Teixeirinha, vendeu milhões de discos, estrelou 12 filmes e deixou incontáveis fãs espalhados pelo Brasil afora.
filme completo TEIXEIRINHA A 7 PROVAS

Durante a maior parte de sua vida, duas mulheres dividiram o coração de Teixeirinha. Em 1956, quando morava em Santa Cruz do Sul, conheceu Zoraida, quatro anos mais jovem.
Casaram-se um ano depois, e foi com ela que o músico ficou até a morte, em 1985. Tiveram quatro filhas: Margareth, Elizabeth, Fátima e Márcia. Porém, nos palcos e na estrada, sua parceira era Mari Terezinha, 20 anos mais jovem que ele.
Eles se encontraram pela primeira vez quando ela tinha 15 anos, em Bagé. Graças ao seu talento na gaita, foi convidada para apresentar-se com ele em um show. O sucesso foi tamanho, que a dupla manteve-se por 21 anos. Com Mari, Teixeirinha teve um casal de filhos, Alexandre e Liane.
Zoraida e Mari sabiam uma da outra e mantinham cordial distância. Se, na estrada, Teixeirinha era companheiro de Mari, tudo mudava na chegada a Porto Alegre. O músico nunca deixava de voltar para a casa que construiu no Bairro Glória, onde vivia com a mulher e as filhas.
Especial Teixeirinha Completo- Momentos finais do Teixeirinha

Nos 28 anos da morte de Teixeirinha, relembre a carreira e a vida do ídolo gaúcho Reprodução/Ver Descrição
Casa da Glória repleta de filhos
Foram, no total, nove filhos, com quatro mulheres diferentes. Com Ezi, que conheceu na época de funcionário do Daer, teve Victor Mateus Filho e Líria. Não chegaram a casar oficialmente, e, como ela não aceitava sua carreira artística, separaram-se. Com Zoraida, foram quatro filhas, e, com Mari, um casal. A mais velha de todos, porém, é Sirley, filha de uma namorada, só teve a paternidade reconhecida aos 15 anos.
Todos os nove filhos, em algum momento, moraram com ele e Zoraida na casa da Glória. Agregador, Teixeirinha gostava da casa cheia e, de certa forma, envolvia os filhos em suas atividades. Seus filmes, por exemplo, sempre tinham participações especiais de alguém da prole. Teixeirinha Filho e Alexandre, os únicos meninos, chegavam até a estrelar anúncios publicitários como filhos do cantor.
A história de Teixerinha

Carreira
Nas décadas de 1960 e 1970, Teixeirinha lançava discos, fazia programas de rádio e aparições esporádicas em tevês, mas os fãs queriam ainda mais. O primeiro filme,Coração de Luto, foi lançado em 1967 para contar a verdadeira história da morte de sua mãe, Ledurina.
Com o sucesso do longa, estreou, em 1970, Motorista Sem Limites, o filme nacional de maior renda naquele ano. Foi quando Teixeirinha decidiu montar a sua própria produtora, que fez outros dez filmes, todos com bilheterias expressivas. Todos os filmes tiveram a história original escrita por ele.
Os filmes de Teixeirinha seguiam sempre a mesma fórmula: baseados em canções compostas pelo artista, que interpretava a ele mesmo. Situações cômicas, um pouco de pancadaria, números musicais e Mary Terezinha como a mocinha.
Teixeirinha – A morte não marca hora

É só conversar com alguém mais próximo de Teixeirinha que, em algum momento, você descobre que ele também atuou em um dos filmes da Teixeirinha Produções Artísticas. Filhos, amigos, colegas de trabalho: todo mundo fazia uma pontinha, ou papéis maiores, nos seus filmes.
– Eu trabalhei em vários… Cita alguns aí… Acho que em todos estes que tu falaste – lembra o amigo e advogado de Teixeirinha, Nico Fagundes.
O primeiro e maior sucesso de Teixeirinha foi Coração de Luto, lançado em 1960. A música escrita em homenagem a sua mãe, Ledurina, morta em consequência de queimaduras quando ele tinha nove anos, teria vendido, em diferentes lançamentos, entre compactos, vinis e 78 rotações, cerca de 25 milhões de cópias.
Teixeirinha compôs hits que entraram para a história da música gaúcha. Só para citar alguns dos mais conhecidos, Querência Amada, Gaúcho de Passo Fundo, Tordilho Negro e Velho Casarão.
Calcula-se que, em toda a sua trajetória, foram mais de 120 milhões de cópias comercializadas. Vendagens tão expressivas que deram a ele, na década de 1960, a alcunha de Rei do Disco.
Fim do Nosso Amor – Teixeirinha

Fim da dupla com Mari e morte
Em 1983, Mari Terezinha e Teixeirinha desmancharam a dupla, numa separação com detalhes de escândalo que rendeu muitas páginas nos jornais da época. Teixeirinha chegou a ir a programas de tevê, queixando-se do abandono da parceira. Um tempo depois, foi diagnosticado com câncer.
A doença e a ausência de Mari, cuja relação com ele havia extrapolado os palcos e gerado dois filhos, trouxeram um período de melancolia para Teixeirinha. Apesar disso, produziu ainda três discos e deixou pronto o argumento para um novo filme.
– O seu último disco, Amor Aos Passarinhos, foi gravado em julho de 1985 e seria lançado no Jornal do Almoço do dia 5 de dezembro. Ele morreu um dia antes de lançar, mas ouviu e aprovou o disco no Hospital Lazzarotto, onde esteve internado – relata a filha Betha.
TEIXEIRINHA – ESPERO SER FELIZ

Teixeirinha morreu em casa, aos 57 anos, vitimado por um câncer linfático, no dia 4 de dezembro de 1985. Seu velório, no Salão Nobre do Grêmio, e o enterro, no Cemitério da Santa Casa, foram acompanhados, segundo jornais da época, por 50 mil pessoas. Todos os detalhes do serviço fúnebre foram especificados por ele na música A Morte Não Marca Hora – inclusive como deveria ser a estátua junto ao túmulo, segurando o violão. Até hoje, seu túmulo é um dos mais visitados da Capital. WWW.ALTOPARANADIGITAL.COM
PUBLICIDADE:
EMPRESAS DO GRUPO CAPITANBADO.COM
GRUPO CAPITANBADO

Comentarios

Más popular

Arriba