Otros

Somos o maior estádio do mundo, diz executivo do Facebook

Olimpíada: interações na abertura já bateram o total dos Jogos de Inverno, realizado há dois anos
Victor Caputo Victor Caputo, de EXAME.com
Siga-me
Olimpíadas 2016 São Paulo – Desde que se tornou funcionário do Facebook, há um ano e meio, Felipe Kozlowski não teve descanso. Ele é responsável por parcerias do Facebook e do Instagram na área de esportes. Na época, a equipe se preparava para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, mas não podia se descuidar, já que também rolavam campeonatos nacionais de futebol na América Latina e a Copa América.
PUBLICIDADE:
IMG-20160810-WA0104

A equipe de Kozlowski trabalha com cinco áreas diferentes: times, eventos, campeonatos, atletas e imprensa esportiva. Você já deve ter percebido que a Olimpíada do Rio é um prato cheio para ele.

“Nós tentamos ficar em contato com essas pessoas e mostrar o que funciona e o que não funciona dentro do Facebook e do Instagram”, explica.

EXAME.com conversou com Kozlowski sobre como o Facebook está trabalhando durante esta edição dos Jogos Olímpicos. Veja a seguir.

EXAME.com – Como esta edição é diferente de Londres-2012 para o Facebook?

Felipe Kozlowski – Quatro anos são um tempo muito grande nesse caso. O que usamos para comparação é a última edição dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, Rússia. Vimos 45 milhões de pessoas interagindo no Facebook durante todos os dias de competição. A Rio-2016, somente com as interações durante a abertura, já bateu esse número.

O Facebook é o maior estádio virtual do mundo. Tivemos mensagens especiais com contagem regressiva na chegada da Tocha Olímpica. Temos filtros especiais com efeitos para todos os países—inclusive para o time de refugiados. Temos um recurso no topo do feed que estimula a produção de conteúdo nativo. Tudo isso estimula as pessoas e faz com que a conversa realmente aconteça.

Como Facebook e Instagram podem complementar cobertura de TV em um evento desse porte?

Nós temos colaboração com seis detentoras de direitos oficiais na América Latina: ESPN Brasil, Fox Sports Brasil, TYC Argentina, Claro Sports, ESPN LATAM e TVN Chile. O nosso papel é fazer com que a mensagem e o conteúdo deles atinjam mais pessoas. Meu papel é entender o foco deles e oferecer a melhor solução. Para nós, funciona assim: o Facebook é a primeira fileira para quem está assistindo, e o Instagram são olhos nos bastidores. Os veículos estão cobrindo no local, então geram conteúdo de bastidor. Antes, isso não era usado, mas agora é um complemento da cobertura.

Você tem também o bastidor do atleta, que é o grande barato. Vou pegar o exemplo da Rafaela Silva [medalhista no judô]. Ela usou a plataforma para pedir força antes da luta e depois para agradecer à torcida. Você tem vários atletas interagindo assim, desde o Michael Phelps, até a Daniele Hypolito com um post de adeus. É claro que tem atleta que gosta mais e outros mais tímidos. Isso são conteúdos que não seriam vistos antes porque são locais sem acesso para a mídia, como ônibus de equipes ou a própria Vila Olímpica.

Esse bastidor pode incentivar o esporte ao mostrar que os atletas são pessoas e não super-homens?

A gente pode cair em um achismo aqui, mas eu acho que democratizar a informação pode trazer isso. Você tem a chance de criar uma conexão direta com o fã. Isso é algo muito bacana. Esse recurso dá voz ao atleta também, e eles falam com mutia gente, têm um papel. Eles ganham uma função de inclusão social.

Como é feita a conversa com atletas?

Temos que agradecer muito aos comitês. Eles nos deram nomes de atletas e também falaram quais deveriam ser os mais abertos a falar com a gente. É uma via de duas mãos. Conversamos com os atletas sobre o que podem fazer melhor, apresentamos as ferramentas como Live, Instagram, etc. Sabemos o quão árduo é para essa turma. É o momento quando eles têm uma atenção maior e podem gerar conteúdo interessante para o público em geral. Alguns esportes ganham valor. Você vê a esgrima sendo comentada, por exemplo. Isso vem de atletas também.

Os comitês são importantes nesse ponto. Nossa colaboração tem um valor pela própria geração dos comitês. O Time Brasil tem um espaço bacana e um centro de treinamento. Eles estão gerando conteúdo interessante o tempo todo. Eles fizeram um ao vivo com a Rafaela depois da medalha. Depois da medalha de prata do [Felipe] Wu, fizeram um Live no dia seguinte indo para a conferência de imprensa. Isso ajuda a passar a sua mensagem. Essa é disparada a Olimpíada mais virtual. É bacana ver conteúdo relevante sendo gerado pelos comitês.

Alguma ideia do que podemos esperar do Facebook nos Jogos Olímpicos de 2020?

É muito difícil prever um cenário para quatro anos. Basta ver tudo que mudou e os novos produtos que surgiram nos últimos dois anos. O que podemos esperar é um cenário mais imersivo e maior participação dos fãs. A realidade virtual pode ser importante até lá. Estou curioso para ver o impacto que isso pode causar. Imagina você assistir a uma partida da sua casa como se você estivesse no estádio. Realidade virtual e imersão serão os dois pontos para daqui quatro anos.

PUBLICIDADE:
11745577_1615540182038350_7386744584170395597_n
INMOBILIARIA CAPITANBADO:VENHA FAZER UM BOM NEGOCIO.!!
Inmobiliaria CAPITANBADO oferece serviços exclusivos para você que está em busca de um imóvel para comprar ou alugar. Além de poder pesquisar em nossa base de dados, você conta com diversas ferramentas que vão lhe ajudar na busca do seu imóvel. Aproveite!
Inmobiliaria CAPITANBADO conta com dezenas de ofertas de casas, apartamentos, chácaras, sítios, fazendas, terrenos e conjuntos comerciais. Essas ofertas são enviadas e atualizadas diretamente pela imobiliária, corretores, por esse motivo, temos a maior variedade de propostas em imóvel para todo tipo de cliente.
ACESSE http://www.capitanbado.com/inmobiliaria/

Comentarios

Más popular

Arriba