Economia

Recessão no Brasil interrompe sonho de empresas aéreas

O novo terminal do aeroporto de Viracopos, fora da cidade de São Paulo, custou US$ 800 milhões e foi um esforço para criar o maior hub da América Latina — maior que o Heathrow, de Londres — até 2042.

Mas os seus corredores amplos e modernos, planejados no pico dos anos de prosperidade do Brasil, estão virtualmente vazios, exceto pelos funcionários, em um momento em que o país atravessa sua pior recessão em 25 anos. O desemprego atingiu 7,9 por cento em outubro e não se espera que a economia mude de direção até no mínimo 2017.

As decisões da Copa e da American Airlines de suspender os voos de Viracopos provavelmente deixarão a Azul como a única operadora do aeroporto com serviço internacional a partir de fevereiro. A Azul, que voa diariamente para a Flórida, não pretende oferecer o serviço para Nova York a partir de Viracopos antes de julho, pelo menos.

Os corredores vazios de Viracopos ecoam os problemas mais amplos enfrentados pelo setor aéreo do Brasil. As viagens aéreas domésticas caíram 5,3 por cento em outubro em relação ao ano anterior, registrando a terceira queda mensal seguida e a maior em seis anos, segundo a Anac. O crescimento das viagens internacionais desacelerou bruscamente.

“Não esperamos uma melhora nos próximos 24 meses”, disse Eduardo Sanovicz, presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas, a Abear, na semana passada. “Os números vão piorar em 2016 e continuarão ruins em 2017”.

A Azul, que tem a terceira maior participação de mercado no Brasil, disse na segunda-feira que reduziria sua capacidade em até 5 por cento no ano que vem. A Gol e a Latam, as maiores empresas aéreas do Brasil, disseram nos últimos meses que estão reduzindo a capacidade e adiando entregas de aviões. A Gol está aumentando o subleasing de aeronaves para outras operadoras. Novas reduções na capacidade e adiamentos de entregas de aviões, assim como reduções nos empregos, podem estar no horizonte de todo o setor.

O novo terminal foi construído para suportar o crescimento da demanda pelo menos nos próximos dez anos, e 552.000 passageiros em viagens internacionais passaram pelo aeroporto neste ano, em comparação a 65.000 em 2014, segundo um comunicado do grupo que opera Viracopos.

Reduzindo capacidade

Outras empresas aéreas precisam reduzir a oferta, disse Stephen Trent, analista do Citigroup. A capacidade doméstica deverá cair cerca de 5 por cento no ano que vem, escreveu Savanthi Syth, analista da Raymond James Financial, em um relatório de 23 de novembro.

A evaporação da demanda não é o único fantasma que assombra as empresas aéreas. O real caiu 31 por cento em relação ao dólar neste ano, maior declínio entre as principais moedas. Isso pressionou os custos atrelados à moeda americana — como os de combustível, manutenção e leasing de aeronaves, cerca de 60 por cento do total.

“O valor do real foi para tudo quanto é lado neste ano”, disse Trent. “Há partes no mercado que tratam as empresas aéreas como completos desastres quando o dólar está ficando mais forte e de repente tratam as empresas aéreas como operadoras de milagres” quando o real se valoriza. “Não acho nenhum desses tratamentos justos, mesmo sabendo que o câmbio tem um impacto muito importante”.

Pensando bem

As empresas aéreas estão lidando com a situação de várias formas. A unidade brasileira da Avianca, quarta maior operadora do país em participação de mercado, diz que provavelmente manterá o tamanho de sua frota estável no ano que vem após receber oito jatos de médio alcance Airbus A320 para modernizar sua frota, aumentando a capacidade de assentos em 15 por cento neste ano.

“Eu confesso que se tivéssemos que ter tomado esta decisão em janeiro deste ano, nós provavelmente não teríamos feito isso”, disse recentemente o CEO da Avianca Brasil, José Efromovich, a repórteres.

Na semana passada, a Azul fechou um acordo para a venda de uma participação de 24 por cento ao conglomerado chinês HNA Group por R$ 1,7 bilhão (US$ 440 milhões) para levantar dinheiro para reduzir dívida e renovar sua frota. O CEO Antonoaldo Neves disse na segunda-feira que além do corte na capacidade, a empresa aérea provavelmente aposentará alguns de seus jatos mais antigos e que não espera realizar uma oferta pública inicial em 2016. A Azul já adiou seu IPO três vezes.
Exame
–Com a colaboração de Rafael Mendes.

Comentarios

Más popular

Arriba