Otros

Preso “Tonzinho”, acusado de “tocar terror” em Coronel Sapucaia

Preso “Tonzinho”, acusado de “tocar terror” em Coronel Sapucaia

Eberton Pavon, acusado de roubos, homicídio e trocar tiros com a polícia, estava escondido em Naviraí, diz delegado.

Eberton Pavon Vaes, o “Tonzinho” segurando armas de grande potencial de fogo. Procurado pelas justiças do Brasil e do Paraguai, Tonzinho foi preso pela Polícia Civil na tarde dessa quarta-feira na cidade de Naviraí. (Fotos: Divulgação)
Vilson Nascimento

Uma ação conjunta envolvendo policiais civis das duas cidades de Coronel Sapucaia e Naviraí resultou na prisão, na tarde dessa quarta-feira, dia 9 de março, em Naviraí, de Eberton Pavon Vaes, o “Tonzinho”, 24 anos.

De acordo com o delegado titular de Polícia Civil em Coronel Sapucaia, Dr. Roberto Duarte Faria, por meio de informações levantadas pela Polícia Civil de Coronel Sapucaia, uma equipe de investigadores da Polícia Civil de Naviraí chegou até o local onde Tonzinho estava escondido.

Segundo Dr. Roberto Faria, junto com Eberton Pavon, os investigadores naviraienses prenderam outro indivíduo procurado pela polícia da fronteira com o Paraguai, Luan Carlos, de 19 anos.

De acordo com o delegado, o rapaz seria comparsa de Tonzinho em ações criminosas na fronteira e inclusive em um post da dupla em rede social, cuja imagem foi capturada pela polícia, ele aparece segurando um fuzil e a sua direita Tonzinho aparece com uma escopeta, aparentemente calibre 12.

Dr. Roberto Faria informou que pedirá a prisão preventiva de Luan Carlos junto a Justiça de Amambai, comarca a qual o município de Coronel Sapucaia pertence.

Classificado de alta periculosidade

Segundo a polícia, Eberton Pavon Vaes, o “Tonzinho” age com estrema violência e é classificado como um criminoso de altíssima periculosidade.

Procurado pelas justiças do Brasil e do Paraguai, o rapaz é apontado com o autor de vários assaltos a mão armada dos dois lados da fronteira, homicídio, tentativa de homicídio e ameaças.

De acordo com a Polícia Civil, Eberton Pavon, que já trocou tiros por várias vezes com a polícia em Coronel Sapucaia no Brasil e em Capitan Bado no Paraguai, também estava na mira de outros criminosos que atuam na região.

No ano passado, após se envolver em novas ocorrências policiais e novas trocas de tiro com as polícias, brasileira e paraguaia, Tonzinho teve dois tios e um irmão assassinados sem motivo aparente.

De acordo com a polícia supostamente os assassinatos foram cometidos por grupos criminosos em represália as ações de Eberton Pavon na região.

Em um post mais recente em rede social, onde a Polícia Civil teve acesso, Tonzinho fala sobre a caçada frenética que vinha sofrendo por parte da polícia e de outros criminosos, diz que em nome de Jesus ninguém o deteria, pois conhecia a “quebrada” como a palma da mão e agradece os que ele chama de “manos” que o estariam protegendo no “Chacoi”, nome de uma região do Paraguai.

Segundo a Polícia Civil, tanto Tonzinho como Luan serão trazidos para Presídio de Amambai onde passarão a disposição da Justiça.

Na foto abaixo extraída pela polícia de uma rede social, Tonzinho fala de “vida louca” e faz agradecimentos a supostos protetores.

Fonte: A Gazeta News

Comentarios

Más popular

Arriba