Otros

PF prende doleiro mira empresa do grupo dono da JBS

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (1º) a Operação Sépsis, uma nova etapa da Operação Lava Jato. Um dos alvos foi o doleiro Lúcio Bolonha Funaro, preso em São Paulo.
Segundo delatores da Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República (PGR), Funaro é ligado ao presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele deverá ser transferido na segunda-feira (4) para Brasília, onde ficará detido na Superintendência da PF, à disposição dos investigadores.

Ao todo foram cumpridos na operação 19 mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Distrito Federal.
Os mandados foram autorizados pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato noSupremo Tribunal Federal (STF), a pedido da PGR.
O objetivo da operação é investigar um suposto esquema de pagamento de propina para liberação de recursos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa Econômica Federal.
A operação teve como base delações do ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto e de Nelson Mello, ex-diretor da empresa Hypermarcas (leia outras informações mais abaixo).
De acordo com investigadores, Fabio Cleto informava os nomes das empresas que pediam financiamento com recursos do FGTS a Lúcio Funaro, que procurava as empresas e pedia propina para agilizar a liberação do dinheiro. Segundo os investigadores, a propina era dividida entre Funaro, Cleto e Cunha.
O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, afirmou que o banco revisará todas as operações de empresas apontadas por Cleto na delação. Por meio de nota oficial, a Caixa informou que não houve prejuízo ao FI-FGTS (leia ao final desta reportagem nota divulgada pela instituição).
O FI-FGTS é um fundo de investimento bilionário administrado pela Caixa Econômica Federal que aplica recursos do trabalhador em projetos de infraestrutura. No final de 2015, o patrimônio do fundo acumulou patrimônio de R$ 31,9 bilhões. No ano passado, auditores da KPMG informaram que do total de R$ 21,65 bilhões em investimentos do FI-FGTS, R$ 4,12 bilhões foram para projetos de empresas investigadas na Lava Jato ou companhias ligadas a elas.

Veja os principais alvos da operação:
– Lúcio Funaro, doleiro que, segundo delatores, é ligado a Eduardo Cunha
– Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F
– Eldorado, braço de celulose da J&F Investimentos (a J&F Investimento é dona daJBS e é de propriedade da família Batista)
– Milton Lira, lobista
– Cone Multimodal, empresa de infraestrutura industrial e logística multimodal
– Henrique Constantino, empresário
Mandados
Um dos mandados de busca e apreensão foi cumprido em uma unidade, em São Paulo, da Eldorado, braço de celulose da J&F Investimentos, grupo dono da JBS e comandado pela família Batista. A JBS é dona da Friboi.
A casa de Joesley Batista, presidente do conselho de administração da JBS e diretor-presidente da J&F, também foi alvo de buscas.
Outro alvo de busca e apreensão da Sépsis foi a casa do empresário Henrique Constantino, em São Paulo.
saiba mais
CEF revisará operações de empresas citadas em delação, diz presidente
Doleiro preso ligado a Cunha tinha crime como ‘modus vivendi’, diz Janot
Denúncia apresentada contra Cunha em junho envolve esquema na Caixa
Cunha recebia 80% da propina paga em esquema na Caixa, diz delator
A Polícia Federal cumpriu ainda um mandado de busca e apreensão em uma casa de Vargem Grande do Sul, cidade do interior de São Paulo onde Lúcio Funaro tem família. Não há detalhes do que foi levado da residência.
Em Brasília, a polícia fez busca e apreensão na casa do lobista Milton Lira.
Em Pernambuco, os alvos das buscas foram a Cone Multimodal, que tem o Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS) como um dos sócios, e os imóveis dos empresários Marcos José Roberto Moura Dubeaux e Marcos Roberto Bezerra de Melo Moura Dubeaux, pai e filho. O primeiro é presidente da Moura Dubeux, que já foi sócia da Cone. O segundo é o presidente da Cone. Na casa de Marcos José Moura Dubeux, os agentes federais encontraram 30 mil euros e US$ 53 mil. Também foi recolhido um notebook.
No estado de São Paulo, além da prisão, houve 12 buscas e apreensões. No Distrito Federal, foram duas buscas e apreensões, assim como no Rio de Janeiro. No Recife, houve três mandados de busca e apreensão.
Delações motivaram operação
A ação na manhã desta sexta se baseia nas informações da delação premiada de Fábio Cleto, ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal e que também seria aliado de Eduardo Cunha.

PUBLICIDADE:
CHOCA

No mês passado, Cunha afirmou que deu apoio à indicação de Cleto pela bancada do PMDB do Rio. Em dezembro do ano passado, Cleto foi exonerado da Caixa por determinação da atualmente presidente afastada Dilma Rousseff.
Às autoridades, Fábio Cleto relatou que o presidente afastado da Câmara recebeu propina por negócios feitos pelo Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS).
Outra delação que baseou as ações desta sexta é a de Nelson Mello, ex-diretor da empresa Hypermarcas.
Eduardo Cunha nega
Por meio de nota divulgada pela assessoria, Cunha negou ter cometido irregularidades.
Na nota, ele afirmou que não recebeu vantagens indevidas e que desconhece o conteúdo da delação, mas ressalvou que desmente “com veemência”. Leia abaixo a íntegra da nota:
Nota
Em relação aos fatos hj divulgados, tenho a esclarecer o que se segue:
1) Desconheço o conteúdo da delação, porém quero desmentir com veemência os supostos fatos divulgados e desafio a provarem
2) Não recebi e nem combinei com quem quer que seja qualquer vantagem indevida de nenhuma natureza
3) O delator, ao que parece, é réu confesso de práticas irregulares, as quais cabe a ele responder por elas
4) Não tenho operador, gestor financeiro ou qualquer coisa do gênero e também não autorizei ninguém a tratar qualquer coisa em meu nome
5) Lamento que todas as denúncias formuladas são baseadas em palavras de delator, com histórias fantasiosas, onde não tive nem o direito de ser ouvido em sede de inquérito para estabelecer o contraditório
Ass: Eduardo Cunha
Versões dos envolvidos
Até a última atualização desta reportagem, o G1 e a TV Globo não tinham conseguido contato com as defesas de Lucio Bolonha Funaro, Fabio Cleto, Nelson Mello e Milton Lira.
Por meio de nota, a Via Rondon informou que, no caso de Henrique Constatino, os procedimentos da Polícia Federal se referem somente à empresa e não têm relação com outras empresas da família Constantino.
“A Via Rondon informa que, um de seus diretores, Henrique Constantino, foi procurado na manhã desta sexta-feira pelo MPF para apresentar a documentação pertinente a empréstimo tomado junto ao Fundo Investimentos FGTS, solicitação esta que foi prontamente atendida. Ressaltamos que a solicitação do MPF está relacionada unicamente com a Via Rondon e não possui qualquer relação com outras empresas da família Constantino”, afirma a nota.
A advogada Simone Haidamus, que representa Henrique Constantino, disse ao G1 que as buscas foram feitas para recolher documentos relativos a um financiamento obtido pela Via Rondon. A ação, segundo a advogada, não teve relação com atuação de Constantino na Gol. “[O financiamento] é absolutamente lícito e os documentos foram entregues”, afirmou advogada.
PUBLICIDADE
13516469_10210132154285861_4534715048324970584_n

A JBS divulgou um comunicado aos acionistas no qual afirma que a companhia e seus executivos não são alvo da operação da polícia. “A JBS comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que, em relação às notícias veiculadas na data de hoje pela imprensa, a Companhia, bem como seus executivos, não é alvo e não está relacionada com a operação da Polícia Federal ocorrida na manhã de hoje”, afirmou o comunicado.
A assessoria do grupo de investimentos J&F e do empresário Joesley Batista disse que não vai se manifestar.
Em nota, a Eldorado confirmou buscas da PF na sede da empresa em São Paulo, mas informou desconhecer as razões.
“A Eldorado confirma que a Polícia Federal realizou busca e apreensão em suas dependências em São Paulo na manhã de hoje. A companhia desconhece as razões e o objetivo desta ação e prestou todas as informações solicitadas. A Eldorado sempre atuou de forma transparente e todas as suas atividades são realizadas dentro da legalidade. A companhia se mantém à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais”, diz o texto.
Em nota, enviada em nome dos empresários Marcos José Roberto Moura Dubeaux e Marcos Roberto Bezerra de Melo Moura Dubeaux, a Cone S/A informou que só vai se manifestar quando tiver conhecimento de todo o conteúdo da denúncia e que está à disposição das autoridades.
Nota da Caixa
Leia abaixo a íntegra de nota divulgada pela Caixa Econômica Federal sobre o FI-FGTS:
A Caixa Econômica Federal, administradora do FI-FGTS nos termos da Lei nº 11.491/2007, lamenta que, apesar de sua rígida estrutura de governança e de qualidade técnica dos investimentos, um suposto esquema possa ter se utilizado de informações encaminhadas aos membros dos órgãos deliberativos do fundo, para obtenção de vantagens escusas.
Como instituição pública, comprometida com os mais altos padrões de governança e transparência e por meio de seu respeitoso quadro profissional, a CAIXA informa que continuará auxiliando todas as investigações e buscará ressarcimento de todos os prejuízos que porventura tenham ocorrido.
A CAIXA esclarece ainda que as notícias divulgadas até o momento indicam que não houve qualquer prejuízo direto ao FI-FGTS e, portanto, ao FGTS, de forma que não há impacto aos recursos alocados no fundo.
Por fim, a CAIXA tem segurança que este fato isolado não reflete, de forma alguma, a postura de uma instituição que possui funcionários e órgãos de governança reconhecidos como de mais alto padrão pelo mercado.
Fonte: G 1

Comentarios

Más popular

Arriba