Brasil

Paranaense acerta dezenas da Mega acumulada, mas não faz aposta por causa da fila

O bilhete que o arquiteto pretendia apostar estava no bolso da calça e mostrava a sequência milionária – 09 – 12 – 15 – 21 – 31 – 36, que seria sorteada logo mais, no sábado à noite, dia 21.

Ele passou por uma lotérica próxima de casa e estava com a fila saindo pela porta. Passou em outra, na esquina da casa da namorada, e a fila também o intimidou. Saindo de um mercado, viu a terceira lotérica, mas aquela sim estava imensa. Isso aconteceu com o arquiteto Cleiton Luiz, 32 anos, que mora no bairro Jardim Cláudia, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, e essas três filas que ele se recusou a enfrentar o separou da bolada de R$ 170 milhões. Cúmulo do azar? Pode até ser.

O bilhete que o arquiteto pretendia apostar estava no bolso da calça e mostrava a sequência milionária – 09 – 12 – 15 – 21 – 31 – 36, que seria sorteada logo mais, no sábado à noite, dia 21. No bolso, uma aposta que ele tinha feito na quarta-feira (18) e sem nenhum acerto. Mas não é que justamente essas dezenas que não valeram nada na quarta-feira, poderiam tê-lo deixado milionário no sábado? Isso, se não fosse um detalhe: o arquiteto não fez a aposta por causa das filas gigantes nas lotéricas. As seis dezenas que ele acertou, mas não apostou, foram sorteadas no sábado (21) às 20 horas em Santo Anastácio (SP) e, novamente, acumulou. É de enlouquecer, não é?

Com apostas bem esporádicas, o arquiteto contou que o incentivo inicial foi da mãe, que deu a ele R$ 10 e pediu que apostasse uma numeração já conhecida. “Como ela viu que estava acumulada, me deu esse valor na semana passada e pegou um jogo que eu tinha feito em setembro e fez uma segunda aposta deixando alguns números e acrescentando outros. Joguei em uma lotérica no Centro e ainda critiquei, disse pra minha namorada eram quase os mesmos números. Passou, foi sorteada na quarta-feira e vi que não tinha ganhado nada”, descreveu o arquiteto.

Foi então que Cleiton, na manhã do sábado seguinte, encontrou o bilhete que tinha apostado na quarta-feira passada e resolveu jogá-lo novamente. “Fui nessa lotérica em Pinhais e a fila estava saindo pela porta, fui na casa da minha namorada no Guabirotuba (Curitiba) e tinha fila também. Fomos na casa de um amigo em Colombo e quando saía de um mercado, vi que tinha uma lotérica no subsolo, mas aquela fila estava a maior de todas. Aí eu desisti”, contou.

Ai meu Deus do céu…..e não é que os números foram sorteados. “Eu ouvi no rádio que tinham alguns números que estavam no meu bilhete, cheguei em casa e fui conferir na internet. Quando vi, eram três números, quando vi era a quadra, a quina e aí eu quase caí da cadeira. Eu gritei para a minha namorada, ela pensou que eu estava brincando, mas viu que eu estava desesperado. Acabei não ficando na fila e não ganhando R$ 170 milhões sozinho”, lamenta.

Calma, Cleiton. Para deixá-lo ainda impaciente, a Banda B lembra que a probabilidade de se tornar um milionário na Mega-Sena nesse concurso de sábado era de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa Econômica Federal. “Olha, é frustrante porque, poxa, uma coisa é você ter o papel guardado na sua casa e os números saem. Outra coisa é você, realmente, colocar o bilhete no bolso e tentar em várias lotéricas. Inclusive, conferir números que eu não joguei era algo que eu nunca tinha feito”, ressalta o quase-ganhador.

E sobre o “quase sortudo” que faria com o dinheiro, caso tivesse apostado, porque acertar ele acertou. “Eu investiria o dinheiro, com certeza. É uma quantia grande, mas não dá para sair torrando. Mas, infelizmente, agora esse é um bom problema que eu não tenho”.

Tentativas.

E já que a sorte está com ele, nada melhor do que tentar mantê-la bem próxima. Para a Mega-Sena da Virada, que já está arrecadando, Cleiton vai continuar apostando com o bilhete sortudo. “Inclusive eu liguei para os meus amigos, ninguém quis acreditar, mas agora todos querem fazer bolão comigo”, brinca. Que nenhuma fila te amedronte, Cleiton. Boa sorte!

Foto: Arquivo Pessoal.

Comentarios

Más popular

Arriba