Otros

FMI vê recuperação lenta no Brasil e alerta para riscos à frente

“Brasil está pronto para sair de recessão profunda”, diz relatório. Para fundo, recuperação depende da aprovação de reformas impopulares.
O comitê executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta terça-feira (15) que a economia brasileira pode estar perto de sair de uma forte recessão, mas enfrenta um longo e duro caminho de recuperação que depende da aprovação de reformas impopulares.
“O Brasil está pronto para sair de recessão profunda”, disse o FMI nas considerações do relatório anual sobre o Brasil. O comitê executivo afirma, entretanto, que apesar dos esforços do novo governo para evitar uma crise fiscal, eles esperam uma recuperação gradual da economia brasileira, destacando que a atividade deverá permanecer “fraca por um período prolongado”.
saiba mais
Após vitória de Trump, mercado vê corte menor de juros no fim do mês
FMI mantém projeção de que Brasil só atingirá superávit primário em 2020
Os diretores elogiaram as medidas de controle das despesas apresentadas pelo governo, como a PEC do teto de gastos, mas destacaram a necessidade de medidas complementares como a de uma reforma da Previdência para a “consolidação fiscal para garantir estabilidade macroeconômica”.
Projeções e riscos
Dados decepcionantes de produção industrial e consumo têm abalado as esperanças de uma recuperação mais rápida no próximo ano, com algumas autoridades do governo reduzindo suas projeções de crescimento de 2% para 1% em 2017, destaca a agência Reuters.
O FMI está ainda mais pessimista, com uma projeção de expansão de 0,5% no próximo ano (para 2016, a estimativa é de queda de 3,3%), após dois anos seguidos de queda na economia. As projeções feitas pelo fundo para a economia brasileira seguem as mesmas feitas em relatório de outubro.
PIB FB (Foto: G1)

Para o fundo, as perspectivas para o Brasil ainda estão sujeitas a riscos como incertezas políticas decorrentes da evolução das investigações de corrupção e da desaceleração do crescimento nos países emergentes, especialmente a China, o que têm provocado queda nos preços das commodities e trazido condições financeiras mais apertadas.
Leia também: Com 6 meses de Temer, como está a economia?
Efeito Trump
Uma forte valorização do dólar frente ao real desde a semana passada em meio a preocupações com uma mudança em políticas econômicas nos Estados Unidos após a eleição de Donald Trump para a Presidência norte-americana também levantou preocupações sobre a recuperação.
Segundo a Reuters, uma autoridade do FMI disse que ainda é muito cedo para medir o impacto de futuras políticas de Trump sobre o Brasil, mas que as amplas reservas do país e o regime de câmbio flutuante podem oferecer alguma proteção.
Taxa de juros
O fundo recomenda ainda que o Banco Central mantenha uma política monetária (de definição da taxa básica de juros) “relativamente apertada”. Ou seja, de cautela na redução dos juros, até a realização de progressos no processo de aprovação de medidas fiscais no Congresso e maior convergência das expectativas de inflação para a meta do BC.
Após vitória de Trump, o mercado passou a estimar uma queda menor dos juros na última reunião do Comitê de Política (Copom) do Banco Central deste ano, marcada para o final de novembro. A expectativa agora é de uma redução de 0,25 ponto percentual – para 13,75% ao ano.
Esperanças de uma rápida recuperação haviam sido levantadas após Michel Temer assumir a Presidência em decorrência do impeachment de Dilma Rousseff.
Temer apresentou uma medida para limitar o crescimento do gasto público, em tramitação no Congresso Nacional, e prometeu rever o custoso sistema previdenciário do país.
Embora elogiem essas reformas, a maioria dos diretores do comitê do FMI acredita que o Brasil poderia se beneficiar mais acelerando a consolidação fiscal com medidas para aumentar a receita.
Entretanto, Temer disse que não planeja elevar impostos a menos que essas reformas não passem, o que ecoa a opinião de alguns diretores do FMI que alertaram que aumento de impostos pode precisar esperar até que a economia esteja em um passo mais firme.
O comitê foi unânime em suas preocupações sobre as fracas finanças dos Estados e municípios do Brasil. Muitos Estados brasileiros, incluindo o Rio de Janeiro, estão sofrendo para pagar seus funcionários e honrar suas dívidas.
Fonte: G 1

Comentarios

Más popular

Arriba