Economia

Dólar reverte alta após preços do petróleo dispararem

Dólar: o dólar recuou 0,28%, a 3,2218 reais na venda
Claudia Violante, da REUTERS
São Paulo – O dólar devolveu a alta ante o real exibida mais cedo e fechou a sessão desta quarta-feira com queda, depois que os preços do petróleo dispararam com a informação de um acordo sobre a produção.
PUBLICIDADE;
Tte. Herrero, esquina J. Casaccia
Tel.: (0336) 273 950 – mensajes al Cel.: (0971) 812 931
Pedro Juan Caballero – Paraguay
Sem título

O dólar recuou 0,28 por cento, a 3,2218 reais na venda. Na terça-feira, a moeda já havia recuado 0,51 por cento. Na mínima, a moeda marcou 3,2198 reais e, na máxima, 3,2557 reais. O dólar futuro cedia cerca de 0,4 por cento esta tarde.

“O salto do petróleo criou ambiente para o dólar perder força e a fala do Evans (presidente do Fed de Chicago, Charles Evans) de que o ambiente de juros baixo nos Estados Unidos deve ser mantido por algum tempo acabou ajudando”, justificou um operador de uma corretora nacional.

Uma fonte da Opep disse nesta tarde que a organização chegou a um acordo para limitar a produção de petróleo, e isso deu sustentação aos preços da commodity.

O dólar perdeu força imediatamente e, no Brasil, anulou os ganhos e passou a oscilar entre pequenas altas e baixas com a notícia.

Evans disse que as taxas de juros devem seguir baixas por algum tempo no país e que o aumento não deve acontecer tão rápido.

Ele, no entanto, não vota nos encontros do comitê de mercado aberto do Fed.
PUBLICIDADE:
14063924_631536427011669_8506645499090415380_n

Pela manhã, o presidente do Fed de Minneapolis, que também não vota, Neel Kashkari, havia dito que a economia não estava sobreaquecida e chegou a influenciar pontualmente o dólar, já que o mercado entendeu naquele momento que não haveria necessidade de alta de juros neste ano.

Mas quem de fato conduziu o mercado na maior parte da sessão foi a chair do Fed, Janet Yellen, ao reforçar a percepção de que a economia dos Estados Unidos está mais forte, fazendo com que o mercado ampliasse as apostas de um aumento de juros na maior economia do mundo este ano.

Na sessão de perguntas e respostas, Yellen reforçou a percepção de melhora da economia norte-americana ao dizer que a expectativa é que a taxa de desemprego caia mais.

Segundo ela, a criação de empregos nos EUA está bem acima do que é sustentável e essa contínua criação de emprego levará a um superaquecimento.

“O mercado entendeu que é provável de fato um aumento de juros neste ano, daí a pressão no dólar”, comentou o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer.

“Ela indicou que a maioria dos membros do Fomc vê a alta de juros como provável este ano.”

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, também falou nesta quarta-feira, mas não adicionou nada que pudesse influenciar nas cotações.

Segundo ele, as taxas de juros baixas do BCE são necessárias para reanimar o crescimento e os governos precisam fazer a sua parte se querem que os juros subam para níveis normais.

Do lado doméstico, a pressão compradora vista em grande parte da sessão decorreu também da formação da Ptax de final de mês, que é a taxa de câmbio usada para liquidação dos derivativos cambiais.

A sinalização do governo de que votará a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos até 11 de outubro em primeiro turno na Câmara, esteve como pano de fundo, justificando a trajetória de baixa da moeda.

O Banco Central vendeu nesta manhã todo o lote de 5 mil contratos de swap cambial reverso –equivalente à compra futura de moeda.

Texto atualizado às 17h21

COMPUSHOP IMPORTADOS.
PUBLICIDADE.
compushop

Comentarios

Más popular

Arriba