Marketing

Dieta Ravenna promete eliminar até 10% do peso no primeiro mês

Método corta carboidrato refinado do cardápio e tem acompanhamento psicológico.

Desenvolvida pelo psicanalista argentino Máximo Ravenna, a Dieta Ravenna é baseada em três pilares essenciais- corte, medida e distância. O método conta não só com acompanhamento nutricional, como também de psicólogos e educadores físicos, todos trabalhando em conjunto no espaço chamado de centro terapêutico. O primeiro pilar se refere ao corte do excesso alimentar, da compulsão e do número de refeições por dia. A medida é um conceito relacionado tanto à quantidade da porção ingerida quanto a redução de medidas corporais. Já a distância prima por afastar o indivíduo da comida enquanto uma forma de compensação, eliminando a compulsão alimentar. Quer entender melhor como essa dieta funciona? Esclareça suas dúvidas com os especialistas:

A Dieta Ravenna faz restrição de algum grupo alimentar?

A dieta Ravenna inclui todos os grupos alimentares – carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e sais minerais – porém exclui os alimentos feitos com farinha e açúcares refinados, também conhecidos como carboidratos simples (pães, massas, bolos). De acordo com a nutricionista Camila Avileis, do Centro Terapêutico Máximo Ravenna, em São Paulo, durante o período de emagrecimento, não é permitido o consumo desses alimentos por conta de seu alto índice glicêmico. “Os carboidratos simples são convertidos em energia rapidamente em nosso sangue, levando a produção exagerada de insulina, podendo nos deixar com fome mais cedo do que o normal”, diz.

A nutricionista Fernanda Amorim, do Centro Universitário Celso Lisboa, no Rio de Janeiro, completa afirmando que os carboidratos simples não agregam tantos nutrientes à dieta, podendo ser excluídos sem prejuízos. “No lugar desses serão ingeridos os carboidratos complexos, ricos em fibras, que melhoram o funcionamento do intestino e dão saciedade”, diz. Exemplo de carboidratos complexos são os grãos integrais, cereais, frutas e verduras.

Existe uma promessa de perda de peso definida?

A média de perda de peso é diferente para homens e mulheres, sendo que eles podem perder uma média de 7% a 10% do seu peso no primeiro mês, enquanto as mulheres perdem de 5% a 7% do peso em média no mesmo período. Dessa forma, um homem com peso de 80 Kg pode chegar a perder até 8 kg no primeiro mês. Já uma mulher com 80 Kg perderia até 5,6 kg no mês. Mas esses valores podem variar de pessoa para pessoa.

Quanto tempo dura a dieta?

A duração depende de quantos quilos o paciente precisa perder. A Dieta Ravenna é dividida em duas etapas: a de redução e a de manutenção. No primeiro momento acontece a restrição de carboidratos e toda a perda de peso, levando o tempo necessário de acordo com o metabolismo de cada um. “Já o período de manutenção dura o resto da vida, e consiste na reintrodução de todos os alimentos, porém com acompanhamento nutricional e reeducação alimentar”, explica a nutricionista Camila.

Quantas calorias são permitidas por dia?

Esses valores variam conforme a avaliação clínica de cada paciente, mas a média é de 800 calorias por dia. Apesar de ser uma quantidade muito abaixo do recomendado normalmente em uma dieta, esse número tem um propósito: “A ingestão baixa de calorias fará com que nosso metabolismo se altere, passando a queimar gordura em vez de glicose para produzir energia”, declara a nutricionista Camila. Um dos maiores problemas dessa inversão é que, ao queimar gorduras, nosso corpo passa a produzir os chamados corpos cetônicos, que em altos níveis podem ser prejudiciais às células. “Mas o fato de a dieta não ser baseada apenas na ingestão de proteínas e gorduras faz com que a produção de corpos cetônicos seja baixa, não afetando o organismo”, ressalta Camila Avileis.

De acordo com a nutricionista Fernanda, dietas hipocalóricas que tem menos de 1000 calorias por dia não são consideradas saudáveis pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pois podem não atingir a recomendação diária de nutrientes que uma pessoa necessita para se manter saudável. “Para manutenção da saúde, o ideal é que a demanda de energia não seja inferior à Taxa Metabólica Basal (TMB – necessidade básica de energia do organismo)”, diz. Porém, segundo a nutricionista Camila, o metabolismo basal de casa indivíduo também é levado em conta na hora de montar a dieta Ravenna, e por isso a restrição calórica varia para cada indivíduo.

É necessário o uso de suplementos alimentares?

Sim, justamente porque a restrição de calorias pode fazer com que a pessoa não atinja as quantidades adequadas de vitaminas e sais minerais por dia apenas com a alimentação. “Os cardápios da Dieta Ravenna são montados de forma equilibrada e incluem todos os grupos alimentares nas refeições, mas quantidades ingeridas de alimentos não alcançam as recomendações diárias para alguns nutrientes”, explica a nutricionista Camila. “Dessa forma, é receitado para cada paciente uma determinada quantidade de suplemento, que pode variar para mais ou menos conforme o andamento da dieta”, completa. A especialista ressalta que a suplementação usada é de linha mercado, não havendo manipulação própria.
São feitas quantas refeições por dia?

O cardápio da dieta Ravenna respeita quatro refeições diárias, divididas em café da manhã, almoço, café da tarde e jantar. O método não parte do princípio usual da reeducação alimentar de que é importante se alimentar a cada três horas, somando assim seis refeições ao longo do dia. “Quando há um número grande de refeições em um espaço curto de tempo, existe a chance do exagero alimentar, principalmente nos lanches”, explica a nutricionista Camila. As refeições estabelecidas seguem um ritual bem definido. “No almoço e jantar, por exemplo, primeiro é servido um caldo quente que tem a função de frear a ansiedade, depois é servida uma salada verde para dar saciedade, a seguir vem o prato principal, que inclui uma proteína e um acompanhamento, e por último a sobremesa”, ensina a nutricionista Camila. Ela explica que todas as refeições são precedidas de um líquido quente, justamente para acalmar o indivíduo no momento da refeição e dar início ao processo de saciedade. “A principal finalidade desse ritual é tornar a refeição prazerosa e parte do dia, eliminando da rotina o estilo fast food, que fazem a pessoa perder a noção do que come.”

Como funcionam os grupos terapêuticos?

Junto com o auxílio nutricional, a dieta Ravenna também conta com grupos terapêuticos, que são acompanhados por um psicólogo especializado em obesidade e transtornos alimentares. “O aporte de um profissional ajuda a pessoa a entender sua relação com a comida e eliminar qualquer vínculo compulsivo que possa estar impedindo seu emagrecimento”, afirma a nutricionista Camila. Os encontros podem ser semanais, quinzenais ou mensais, tudo vai depender do quadro clínico de cada paciente. Dependendo do caso, a terapia pode identificar algum vício específico, como a fissura por chocolate ou queijos, e restringir esse alimento da dieta de forma controlada, de forma que a compulsão seja contida e ele entenda que a alimentação tem função nutricional, e não emocional. “Além disso, os grupos também compartilham seus sucessos e falhas, se ajudando e buscando motivação para manter o tratamento.”

Qual a importância da atividade física nesse método?

Os exercícios físicos são incluídos na rotina para ajudar na redução das medidas e fortalecimento dos músculos, como parte de uma vida saudável. Por se tratar de uma dieta hipocalórica, a frequência e quantidade de atividade física é avaliada caso a caso. “São oferecidas várias opções de exercícios no centro terapêutico, e o praticante escolhe o que mais combina com seu gosto e horários”, explica a educadora física Stella Zanca, do Centro Terapêutico Máximo Ravenna, em São Paulo. “É preciso ir experimentando até encontrar algo que dê prazer e tornar a prática de atividade física um prazer, em vez de obrigação.”
PUBLICIDADE:
ALTA

Comentarios

Más popular

Arriba