Otros

Com fim das buscas, professor deve ser indiciado por estupro e morte de Kauan

Com fim das buscas, professor deve ser indiciado por estupro e morte de Kauan

Após quase uma semana de trabalho e mais de 15 quilômetros do Córrego Anhanduí vistoriados, as buscas pelo corpo de Kauan Andrade Soares, de 9 anos, foram suspensas. O inquérito pelo abuso e exploração sexual deve ser encerrado nesta sexta-feira (28), mas outras duas investigações, por homicídio, ocultação de cadáver e posse de pornografia, não têm prazo, segundo a Polícia Civil.

De acordo com o delegado da Depca (Delegacia Especializada de Atendimento a Criança e ao Adolescente), Paulo Sérgio Lauretto, o professor de 38 anos, principal suspeito pela morte de Kauan, deve ser indiciado pelos três crimes, mesmo negando. “Temos indícios suficientes para a culpa dele, por mais que ele negue os crimes”, disse.

Lauretto ainda disse que mais oito vítimas do professor foram identificadas e já prestaram depoimento. As vítimas, todos meninos, tinham idade entre 9 e 12 anos, e segundo o delegado moravam na região.

Ainda segundo informações, as crianças atraídas eram recompensadas com dinheiro e, caso levassem mais uma criança para o suspeito, ‘ganhavam’ R$ 50 do professor. No dia de sua prisão na última sexta-feira (21), ele teria entregue o celular para os policiais afirmando que ‘não tinha nada a esconder’. Mas, no aparelho foram encontrados vídeos pornográficos, cenas dele fazendo sexo com uma possível aluna e portando armas de fogo.

No celular os agentes da Polícia Civil encontraram cenas de sexo explícito. Em uma delas, aparece o suspeito e uma menina. Ele identificou a jovem à polícia pelo primeiro nome e disse que ela teria 17 anos. A garota seria moradora de um bairro da região sul de Campo Grande, onde o suspeito já deu aula em uma escola municipal.

No domingo (23), ele conseguiu a liberdade pelo crime de possuir imagens pornográficas envolvendo crianças e adolescentes, mas vai permanecer preso preventivamente pelos crimes de estupro e exploração sexual.

SAIBA MAIS
Falta de creche faz mães deixarem de trabalhar para crianças não ficarem sozinhas
Há 1 mês, mãe busca forças e tenta driblar perguntas dos irmãos de Kauan
‘Solto’ só em flagrante por pornografia, suspeito de matar Kauan segue preso
As buscas
Foram cinco dias de buscas pelo corpo de Kauan Andrade, de 9 anos, no Córrego Anhanduí, em Campo Grande. O Corpo de Bombeiros percorreu aproximadamente 12 quilômetros pelas margens secas do córrego, além de usar botes e mergulhadores na tentativa de achar o garoto.

Acredita-se que Kauan poderia estar preso em uma pedra ou galho, e um pente fino foi feito, mas nada foi encontrado.

Caso
Kauan desapareceu da casa da família, no Aero Rancho, no dia 25 de junho. O menino cuidava carros na região quando foi visto pela última vez. A família registrou boletim de ocorrência e as investigações foram realizadas pela Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). Foram mais de 20 dias sem notícias até o último sábado (22), quando o caso foi esclarecido.

Durante as investigações do desaparecimento, um adolescente de 14 anos acabou apreendido por envolvimento no crime. Ele relatou à polícia que atraiu Kauan na noite do dia 25 de junho para a casa do pedófilo. A criança teria falecido enquanto era violentada.

Com Kauan inconsciente, não se sabe ainda se desmaiado ou já sem vida, os suspeitos colocaram o corpo do menino em saco plástico e ‘desovaram’ no Córrego Anhanduí, por volta da 1 hora do dia 26 de junho.

O pedófilo suspeito de matar Kauan nega as acusações, mas de acordo com o delegado Paulo Sérgio Lauretto, o depoimento do adolescente e os fatos já confirmados pela perícia, na casa do revendedor de celulares, não deixam dúvidas da autoria.

Comentarios

Más popular

Arriba