Otros

Celular lidera lista do que mais atrapalha a produtividade no trabalho

O celular e as mensagens são os que mais atrapalham a produtividade no trabalho, mostrou pesquisa do CareerBuilder, site de carreiras norte-americano. Mais de 55% dos patrões acreditam que o smartphone é o maior culpado pela falta de produtividade.

Cerca de 83% dos trabalhadores têm smartphone e 82% ficam de olho no aparelho durante o trabalho. Apenas 10% das pessoas com smartphone dizem que ele está diminuindo sua produtividade no trabalho, e 2 em cada 3 (66%) dizem que o utilizam várias vezes ao dia, mesmo enquanto trabalha.

“Nós precisamos ficar conectados para trabalhar, mas também estamos a um clique de distrações sedutoras da nossa vida pessoal, como mídias sociais e outros aplicativos”, afirma Rosemary Haefner, diretora de recursos humanos do CareerBuilder. “A conectividade não é necessariamente ruim, mas ela precisa ser gerenciada. Ter um diálogo aberto com os empregados sobre distrações tecnológicas, reconhecer sua existência e discutir desafios são algumas soluções para manter a produtividade”, completa Rosemary.

Veja abaixo a lista com os 10 “matadores” de produtividade mais comuns:

1) Celulares e mensagem de texto: 55%

2) Internet: 41%

3) Fofoca: 39%

4) Mídias sociais: 37%

5) Colegas de trabalho que passam para conversar: 27%

6) Pausas para fumar: 27%

7) E-mail: 26%

8) Reuniões: 24%

9) Colegas de trabalho barulhentos: 20%

10) Sentar em um cubículo: 9%

Veja como os profissionais usam o celular no horário de trabalho:

1) Mensagem pessoal: 65%

2) Previsão do tempo: 51%

3) Notícias: 44%

4) Jogos: 24%

5) Compras: 24%

6) Trânsito: 12%

7) Fofoca: 7%

8) Vendas: 6%

9) Conteúdo adulto: 4%

10) Namoro: 3%

Custos da falta de produtividade

Três em cada quatro empregadores (75%) disseram que duas ou mais horas do dia são perdidas porque os trabalhadores estão distraídos; 43% disseram que pelo menos três horas do dia são perdidas.

Entre as principais consequências da falta de produtividade estão: comprometimento da qualidade do trabalho (48%), baixa moral porque outros funcionários precisam fazer o trabalho que não foi feito (38%), impacto negativo na relação patrão/empregado (28%), prazos não cumpridos (27%), perda de receita (26%) e impacto negativo na relação com o cliente (20%).

Cerca de 76% dos empregadores tomaram atitudes para acabar com os problemas de produtividade, como bloqueio de determinados sites da internet (32%), proibir chamadas pessoais ou uso do celular (26%), horário de almoço e lanche controlados (24%), monitoramento de e-mails e uso da internet (19%), entre outros.

A pesquisa foi feita nos Estados Unidos, entre 10 de fevereiro e 17 de março deste ano, com 2.186 gerentes de contratação e profissionais de recursos humanos em todos os setores e portes de empresas e 3.031 trabalhadores com idade a partir de 18 anos.

Comentarios

Más popular

Arriba