Otros

Brasil está entre os 60 piores países do mundo para mulheres

Germano Lüders / EXAME
Mulheres de sucesso ainda são exceção; na foto Andrea Menezes (Standard Bank), Marise Barroso (Masisa), Adriana Machado (GE), Claudia Sender (TAM), Luiza Helena Trajano (Magazine Luiza), Sylvia Coutinho (UBS), Chieko Aoki (Blue Tree) e Andrea Marquez (Bunge)

Raphael Martins, de Exame.com

São Paulo – Além de erradicar a pobreza, mitigar a fome e melhorar serviços de educação e saúde, os estudos do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) daONU procuram também o empoderamento feminino e a igualdade de gênero como forma de desenvolvimento social.

Na edição publicada ontem (14) de “O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano”, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) traz também o Índice para o Desenvolvimento de Gênero, que elenca indicadores de IDH separados entre homens e mulheres, buscando as lacunas que ainda os distanciam, em especial em educação e renda.

Ao contrário do IDH, o Índice para o Desenvolvimento de Gênero deve ser próximo de zero para ser considerado satisfatório. Entram números de caráter reprodutivo (natalidade na juventude, mortalidade de mães, etc), saúde, capacitação educacional e presença no mercado de trabalho.

Lidera a lista a Eslovênia, com 0,016 de índice, seguido por Suíça, Alemanha,Dinamarca e Áustria.

O Brasil vai mal e é apenas o 97º lugar, com 0,457, dos 155 países com indicadores para pontuar no ranking. Nas últimas colocações estão Chade (0,706), Níger (0,713) e Iémen (0,744).
Exame revista

Comentarios

Más popular

Arriba