Brasil

Brasil caminha para polarização similar à dos EUA, diz pesquisador

Há 25 anos nos Estados Unidos, o professor Vivaldo Andrade dos Santos diz que o acirramento da crise política no Brasil tem revelado uma polarização parecida com a existente na sociedade americana.
Para ele, o fla-flu em torno do impeachment da presidente Dilma Rousseff lembra a divisão que vigora nos Estados Unidos entre os partidos Republicano e Democrata, que se revezam na Casa Branca desde a Guerra Civil (1861-1865) e protagonizam as disputas políticas no país.
PUBLICIDADE:
555
O professor de estudos brasileiros da Universidade Georgetown (Washington) diz notar, porém, uma diferença nos cenários políticos dos dois países: enquanto vários jovens brasileiros têm abraçado bandeiras conservadoras e assumido posições de liderança nas mobilizações contra Dilma, universitários americanos são a principal força por trás de Bernie Sanders, o pré-candidato à Presidência que se define como socialista.
Confira os principais trechos da entrevista de Santos à BBC Brasil.

Professor de estudos brasileiros conta que, com a crise, interesse por sua disciplina diminuiu
BBC Brasil – A crise alterou a procura por disciplinas sobre o Brasil na sua universidade?
Vivaldo Andrade dos Santos – Por volta de 2008 ou 2009, quando o Brasil ganhou as disputas para sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas, as matrículas cresceram muito não só em Georgetown, mas no país todo. Havia muito interesse pelo Brasil nas áreas de literatura, economia, negócios. Desde o ano passado e com a crise recente, esse interesse têm diminuído em termos de matrículas.
Os alunos são muito pragmáticos. Muitos querem trabalhar no Brasil, mas estão atentos quanto às (menores) possibilidades do mercado de trabalho.
BBC Brasil – Como os alunos têm encarado o momento no Brasil?
Santos – Há muita curiosidade. Na minha disciplina trato da ascensão de Lula. Eles querem muito entender o que está acontecendo com ele e com o projeto do governo. Muitos querem compreender o Brasil para um dia poder fazer algo pelo país.
Os jovens aqui nos EUA têm uma atitude mais socialista e democrática que na sociedade brasileira. Há uma mobilização grande dos jovens americanos em torno do Bernie Sanders.

PUBLICIDADE:
1919612_1203389903012465_7594708261898672561_n

Já no Brasil é curioso ver como muitos jovens na liderança do movimento pelo impeachment têm assumido um discurso antigoverno muito próximo das posições do Partido Republicano (conservador). As críticas que fazem aos programas sociais, à ideia de que o Estado dá o peixe em vez de ensinar a pescar são exatamente as mesmas que fazem os Republicanos americanos.
Parece que no Brasil a gente caminha para uma polarização muito parecida com a dos Estados Unidos.
\ 150630223555_dilma_obama_640x360_ap_nocredit
Baixa popularidade de Obama não levantou discussão sobre impeachment, compara pesquisador
BBC Brasil – Por que acha que os jovens nos dois países têm posições distintas?

PUBLICIDADE:
banner-anuncie
Santos – Muitos universitários no Brasil não sabem como eles mesmos se beneficiam do Estado, a começar pela educação pública. Para se formar médico, engenheiro ou advogado numa universidade pública no Brasil não se paga nada. As pessoas perderam a referência.
Já aqui nos EUA você não se forma sem sair da universidade com uma dívida de US$ 250 mil, US$ 300 mil (uma das propostas mais populares de Sanders entre eleitores jovens é tornar gratuitas as universidades públicas).
BBC Brasil – Quais as diferenças entre a polarização na política brasileira hoje e o embate entre democratas e republicanos nos EUA?
Santos – Há uns dois anos houve aqui nos EUA uma “greve” dos congressistas republicanos que paralisou a Câmara por duas semanas. Mas existe uma consciência de que se deve criar uma possibilidade de governabilidade, porque o país não pode ficar parado.
Houve um momento no governo de Obama em que a popularidade dele esteve muito em baixa, mas nunca se falou em fazer impeachment por causa disso. O americano acredita no processo democrático e aceita esperar a próxima eleição.
No Brasil me espanta que não se respeite um processo democrático simplesmente porque há baixa popularidade. Desde a reeleição da Dilma se articula uma espécie de desencantamento para tirá-la do governo. Acho que falta maturidade dos partidos opositores e de parte da mídia.
PUBLICIDADE:
73345287-c69b-45e4-8c36-13aa343a1246
Silva diz que impeachment traz o perigo de figuras como Bolsonaro se sobressaírem
BBC Brasil – Uma pesquisa recente do Datafolha mostrou que 68% dos brasileiros são a favor do impeachment. Não há apoio popular à troca de comando?
Santos – Nossa democracia é muito jovem. Um impeachment seria um retrocesso. Também acho que há uma construção, uma mobilização que aponta o impeachment como a única alternativa.
Falta uma discussão que vá além da questão do impeachment. Quem são as pessoas na linha de sucessão? Quem é a liderança que pode surgir desse impedimento? Não há na oposição alguém que concilie toda a sociedade. Há ainda um perigo de que figuras como Jair Bolsonaro e Silas Malafaia se sobressaiam.
O posicionamento golpista tem uma longa história entre as elites brasileiras. A nossa república foi fundada a partir de uma projeto militarista. O processo de modernização industrial era muito conservador, não inclusivo. É preciso por as coisas em contexto para entender a reação das pessoas nesse momento.
BBC Brasil – A oposição rejeita o uso do termo “golpe”.
Santos – Hoje de fato não há necessidade de um golpe militar. O que mais me assusta é o Judiciário, porque você pode dar o golpe a partir da legalidade. É um outro tipo de golpe.
O Judiciário hoje pode passar por cima do Executivo e do Legislativo. Há juízes comprometidos com figuras e partidos que se beneficiaram de todo esse processo de corrupção. Falta isenção e imparcialidade.
Se hoje se pode fazer uma manobra para destituir a presidente, não há garantia de que em quatro anos e com outro partido no poder não se faça a mesma coisa. A qualquer momento qualquer candidato pode se sujeitar a uma intervenção por decisão de um juiz com interesses ideológicos.
BBC Brasil – A crescente polarização pode gerar violência?
Santos – Há essa possibilidade, porque há pessoas intolerantes em ambas as partes. Há um tipo de macarthismo no ar que nos faz pensar na polarização entre esquerda e direita nos anos 1960. Havia na época o Comando de Caça aos Comunistas e também uma forte patrulha ideológica de esquerda.
Mas não acho que vá chegar em violência porque o Brasil tem certa maturidade para negociar conflitos. Acho que a intelectualidade brasileira, as pessoas mais informadas da esquerda e direita e os políticos de oposição devem trabalhar para que isso não ocorra.
Fonte: BBC Brasil
PUBLICIDADE:
LILIAN

Comentarios

Más popular

Arriba