Otros

Agepen nega que suspeito de estuprar acadêmica trabalhe na universidade

Agepen nega que suspeito de estuprar acadêmica trabalhe na universidade

O detento trabalhava em outra empresa da cidade

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) negou que o homem de 36 anos, preso em flagrante por estuprar a ex-namorada de 25 anos, trabalhe na cidade universitária de Dourados. Segundo a agência, o suspeito prestava serviço em outra empresa da cidade e estava foragido desde segunda-feira (4) de manhã, quando saiu para trabalhar.

Para a equipe do Jornal Midiamax, a Agepen afirmou que existem detentos que trabalham na universidade, mas não é o caso do suspeito do estupro. Ainda de acordo com a instituição, os internos são fiscalizados três vezes por semana para evitar problemas nos locais de trabalho.

Preso por estuprar acadêmica estaria prestando serviços na universidade
Estudantes protestam depois de estupro em universidade de Dourados
Ex-namorado é preso pelo estupro de acadêmica em universidade de MS
Nesta segunda-feira, como de costume, o homem foi liberado do presídio na parte da manhã para ir até a empresa onde trabalha, mas fugiu, foi até a cidade universitária e cometeu o crime.

Depois do estupro, o suspeito, que cumpre pena desde 2010 por roubo, crime configurado pelo artigo 157 do Código Penal, que pode acarretar em reclusão de quatro a dez anos, tentou fugir, mas acabou preso em flagrante por equipes da Polícia Civil.

Ainda conforme a polícia, ele já tem passagens por furto, roubo, vias de fato e violência doméstica. O caso segue em investigação.

Estupro

Depois do crime, a estudante chegou em casa e foi direto para o banheiro tomar banho. A mãe da vítima suspeitou e viu que, após sair do banho, a jovem foi lavar a calcinha. A mulher continuou estranhando as atitudes da filha e a questionou, a jovem mentiu.

Desconfiada, a mãe foi até o cesto de roupas sujas e encontrou a calça da jovem, suja de sangue. A mulher questionou a filha, que acabou contando que o ex-namorado, de 36 anos, a havia estuprado perto da biblioteca da universidade. As duas procuraram a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) de Dourados, onde informaram os fatos.

Não há relato de como o suspeito foi preso, mas ele foi detido em flagrante. Ele e a vítima tiveram um relacionamento em 2014, que teria terminado porque a família da jovem não aceitava o namoro.

Também de acordo com o boletim de ocorrência, a jovem tem problemas neurológicos e a mãe encaminhou laudos de exames para a polícia. O caso foi registrado às 15h40 como estupro e segue em investigação pela delegacia especializada.

Comentarios

Más popular

Arriba