Brasil

Advogado de MS nega ser dono de avião que escapou do caça da FAB

Advogado de MS nega ser dono de avião que escapou do caça da FAB

O advogado de Campo Grande André Luiz Sisti não tem ligação com André Luiz Siste, apontado como dono da aeronave de prefixo PT-EXP em consulta ao site da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Ele nega qualquer envolvimento com o avião, que ficou famoso ao escapar dos tiros de um caça da FAB (Força Aerea Brasileira) e já foi flagrado com contrabando em 2012.

Sisti explicou ao Jornal Midiamax que parece ter um homônimo, pois nem o CPF apontado como sendo do responsável pela aeronave coincide com o documento dele. “Não conheço esta pessoa, não sou dono deste avião e o meu CPF não bate com o número deste outro CPF”, afirmou.

O avião interceptado pela FAB (Força Aérea Brasileira) no sábado (25) na fronteira de Mato Grosso do Sul já havia sido apreendido em 2012 na cidade de La Paloma, no Paraguai, com mercadorias contrabandeadas. A aeronave foi localizada e apreendida nesta segunda-feira (26) pela Polícia Civil, no aeroporto de Paranavaí, no Paraná.

Em setembro de 2012 o avião, de prefixo PT-EXP, foi apreendido com um carregamento de produtos eletrônicos e de medicamentos contrabandeados. Na ação, equipes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai prenderam cinco pessoas, que realizavam o descarregamento da carga. Os brasileiros Atilon Bezerra de Alencar, que era o piloto da aeronave e César Maidana Paulo, além dos três paraguaios Walter Daniel Hull, Milciades Espinola e Julio Galeano Levia, foram presos, segundo as reportagens da época.

Agora, a principal suspeita da polícia é que a aeronave esteja novamente envolvida em atividades ilícitas. O caso vai ser apurado pela Polícia Federal, segundo informou o delegado operacional da Oitava Subdivisão de Paranavaí, Carlos Henrique Rossato.

De acordo com ele, o avião estava vazio e foi encontrado por acaso, quando a equipe policial foi até o hangar do aeroporto municipal, onde fariam um voo de reconhecimento pela cidade. Assim que foram vistos os tiros na asa esquerda, dados pela equipe da FAB, a ligação com o episódio ocorrido em Mato Grosso do Sul foi imediata, já que os policiais tinham conhecimento do fato.

A principal hipótese é que após ser interceptado pela FAB no Estado, o piloto tenha ‘fugido’ para o Paraguai e depois retornado ao Brasil, pousando em Paranavaí. Uma funcionária do aeroporto informou à equipe que alguém pousou o avião pela manhã desta segunda-feira e logo saiu, sem se identificar.

Conforme o delegado, a suspeita de que a aeronave pudesse estar transportando produtos ilegais é reforçada ainda pelo fato de só ter sido encontrado o banco do piloto. Normalmente, os outros bancos são retirados para abrir espaço.

Carlos Rossati confirmou que a aeronave está em nome de André Luiz Siste, que tem o nome bastante semelhante ao advogado que atua em Campo Grande André Luiz Sisti. O advogado negou ser dono do avião. De acordo com o delegado, a informação sobre a propriedade também será investigada pela PF. Segundo ele, a única apuração feita até agora indica que o dono da aeronave renovou a carteira de habilitação recentemente e que o endereço dado é de Foz do Iguaçu, no Paraná.

Interceptação

Moradores de Mundo Novo e Japorã relataram por meio de mensagens de WhatsApp, que uma aeronave não identificada teria sido abatida por uma equipe da FAB (Força Aérea Brasileira), no fim da tarde deste sábado (24) na região.

A FAB confirmou que a aeronave foi abatida por não apresentar plano de voo, e percorrer rota conhecida em atividades ilícitas. Segundo a Força Aérea, o avião foi detectado durante uma operação rotineira de policiamento do espaço aéreo, e foi considerado suspeito. Todas as medidas legais de controle teriam sido adotas, incluindo o abate, visto que a aeronave tentou fugir para o país vizinho.

Fonte: midiamax

Comentarios

Más popular

Arriba