Brasil

Tecnologias digitais dão novos ares ao gerenciamento de fazendas brasileiras

De acordo com a pesquisa, tecnologia e agronegócio são os segmentos com maior potencial para atrair investidores.

As agtechs, soluções tecnológicas para o agronegócio, estão mudando a forma de gerenciamento das propriedades rurais, por meio de imagens de satélite, sensores inteligentes e Big Data (volume de dados armazenados que impactam os negócios no dia a dia).

Estes recursos traduzem dados em informações úteis e recomendações personalizadas para o agricultor, permitindo uma tomada de decisão mais precisa e rápida nas propriedades.

Outras iniciativas em digital farming (tecnologias digitais agrícolas) são o uso de aplicativos para tablets e smartphones, estações meteorológicas, armadilhas de insetos, drones para a captura de imagens, telemetria (envio de informação via comunicação sem fios – wireless), modelagem de previsão climática, entre outras ferramentas de agricultura de precisão.
PUBLICIDADE:
12011375_1644994229098997_7264163538097511199_n (1)PUBLICIDADE:
11391232_489551337863945_5665645638124629123_n

EXPORTADOR DE STARTUPS

“A agricultura faz parte da vocação do nosso país, que poderá criar a demanda por soluções inovadoras como as que as agtechs têm a oferecer para resolver problemas reais que facilitem a tomada de decisão do produtor e da cadeia agrícola, dentro e fora da porteira”, comentou Almir Araújo Silva, gerente de Marketing Digital para América Latina da Basf, durante o painel “O Brasil Exportador de Startups”.

Silva acredita que o futuro das startups de agro estão no Brasil, “país que tem potencial para se tornar exportador de empreendimentos com foco no agronegócio”.

Porém, esclareceu: “Primeiro, precisa criar suas próprias soluções tecnológicas para atender melhor o produtor rural. A tecnologia está no pequeno, no médio e no grande produtor. É preciso profissionalizar o ecossistema de startups.”

De acordo com Silva, “o agronegócio é uma fábrica a céu aberto, os riscos climáticos são enormes, a detecção de pragas e doenças de forma preventiva é fundamental e a escassez de recursos naturais, somados à responsabilidade de alimentar o mundo com um crescimento populacional em bilhões, com quase a mesma quantidade de área plantada, completam os desafios do setor”.

Para o especialista, as empresas visualizam nas startups um modelo eficiente e rápido a fim de auxiliar os produtores na redução desses riscos.

“A Basf também acompanha esse movimento”, disse Silva, que prevê, para breve, muitas novidades tecnológicas voltadas para o agro em e-commerce, aplicativos, drones, redes sociais e ferramentas de comunicação.

PUBLICIDADE.
13226775_132649397151746_3477280541821987743_n

DIGITAL FARMING

O diretor de Digital Farming da Bayer, André Salvador, afirmou que a empresa acredita que os produtores utilizam muito bem os produtos, mas precisam incrementar esse uso.

“A digital farming pode otimizar a aplicação dos produtos de proteção de cultivos e fertilizantes em países industrializados e trazer conhecimentos especializados para os países mais pobres do mundo”, afirmou o executivo, que participou do painel “Big Data e Inteligência Artificial: como a agricultura digital está transformando as fazendas”.

“A partir da necessidade de dimensionar o clima, a empresa construiu uma plataforma de alertas que está disponível para 5.570 cidades e cinco culturas principais (soja, milho, algodão, café e cana-de-açúcar).

São 23 algoritmos que ajudam o agricultor a enxergar algum problema que possa afetar a lavoura em um período de 14 dias e prevenir”, explicou.

Conforme Salvador, a previsão vale por 14 dias, sendo três dias de assertividade muito boa, depois, conforme os dias vão passando, as informações ficam menos precisas e são ajustadas. “Utilizamos como referência o clima de um ano anterior, parecido com o atual, e o modelo climático é ajustado com base nessa informação.”

No fim deste mês, a plataforma terá um aplicativo para o acesso às informações sobre clima. “Para isso, dividimos o Brasil em 360 mil quadradinhos, de cinco por cinco quilômetros, o que vai nos permitir sair do nível de 5.570 cidades para o nível de fazendas, ou seja, fornecer o clima da propriedade”, anunciou o executivo.

O serviço de cidades é gratuito, mas, com a melhoria da informação, a ideia é cobrar uma pequena taxa que será transformada em pontos pelo programa da empresa, o AgroService, que tem, atualmente, 80 mil agricultores cadastrados.

Em relação às plantas daninhas e aos nematoides, a empresa tem imagens de satélites e de drones coletadas em mais de 200 mil hectares para mostrar ao agricultor o que poderá acontecer no próximo ano se ele não tomar providências em relação ao controle, além de facilitar o monitoramento dos pontos críticos.

O programa global de apoio a pesquisas da Bayer, Grants4Targets, oferece até 50 mil euros para pesquisadores, sejam eles de instituições científicas, universidades ou startups do mundo todo, com o propósito de encontrar soluções inovadoras para a agricultura, com foco no controle de plantas daninhas, doenças e pragas que podem comprometer a produtividade das lavouras.
PUBLICIDADE:
4f1e9f02569b857c13e0ec00c0375aff

FINANÇAS DO CAMPO

Em palestra no painel “As Finanças do Campo”, Juliana Jardim, gerente de Commodities e Barter da Monsanto afirmou que 71 % do financiamento da safra virão de bancos e de capital próprio do agricultor, e 29% de outros agentes, com destaque para as operações de barter (troca de insumos por grãos, realizada entre agricultores, revendas e tradings).

De acordo com Juliana, o barter atende pequenos, médios e grandes produtores, com diferentes financiadores: indústria para distribuidores, indústrias para agricultores, distribuidores e cooperativas para agricultores e tradings para agricultores.

“Também temos visto a entrada de bancos nesse tipo de operação”, disse, destacando como vantagens dessa modalidade a possibilidade de trava de custo da produção e a mitigação dos riscos de câmbio.

De acordo com Juliana, outra alternativa para a captação de recursos é o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), cujos estoques aumentaram de R$ 2 bilhões em 2015 para R$ 6 bilhões em 2016.

“Esta modalidade tem apresentado bastante atratividade, seja para financiamento das próprias empresas agrícolas ou para o repasse aos seus clientes. É livre de imposto de renda e está disponível também para pessoas físicas (agricultores), mas precisa de escala para se viabilizar”, ressaltou.

APP FM CAPITANBADO.

thumbs

Oi pessoal to passando pra informar que nosso site CapitanBado.com já tem o seu próprio App da FM CAPITANBADO, sua radio para Android e o mais legal ele é GRATIS. E gostaria de pedir para todo os nossos internautas que instalem, comente e avalie o aplicativo para assim ir melhorando o App.- FM Capitán Bado: http://migre.me/q2ZKp

Comentarios

Más popular

Arriba