Policial

PCC é facção criminosa que predomina no Paraná

Os grupos costumam manter um trabalho conjunto em algumas atividades, como no carregamento de drogas e tráfico de armas….

O Primeiro Comando da Capital é a facção criminosa de maior poder nas penitenciárias do Paraná. A Segurança Pública aposta nos serviços de inteligência para combater a atuação dos grupos organizados nos presídios.

A disputa entre facções criminosas que teria resultado no massacre em uma penitenciária de Manaus nesta semana também foi identificada em presídios do Paraná.

Em outubro do ano passado, a Secretaria de Estado da Segurança Pública repassou com setores de inteligência de outros estados a informação de que líderes do PCC determinaram um rompimento com o Comando Vermelho e outras facções.

Os grupos costumam manter um trabalho conjunto em algumas atividades, como no carregamento de drogas e tráfico de armas.

A suspeita é de que o rompimento dessa colaboração tenha resultado na morte de 56 pessoas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, entre os dias 1.º e 2 deste mês.

A ordem para que líderes do PCC rompessem com outras facções percorreu presídios de todo o Brasil de várias maneiras.

Uma delas foi por meio das chamadas “pipas”, pequenos papéis escondidos com visitantes e até advogados, e entregues aos presos.

O secretário de Estado da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, diz que além de comunicar a informação a serviços de inteligência de outros estados, a administração penitenciária se encarregou de reforçar o monitoramento de alguns detentos.

Segundo o secretário, a informação resultou em transferência de presos para outras unidades. Diante da ordem e prevendo riscos, alguns detentos também pediram transferência.

O número de presos transferidos no Paraná não foi divulgado. Nenhum deles foi encaminhado a presídios federais.

De acordo com o secretário da Segurança, administrações penitenciárias de outros estados brasileiros também identificaram o problema e realizaram transferências.

Além dos bilhetes descobertos nos presídios, o serviço de inteligência do Paraná teve a colaboração de informantes e recebeu dados de outras formas de monitoramento.

O assassinato do traficante Jorge Rafaat Toumani, em julho, no Paraguai, também foi um sinal de alerta da tentativa de expansão do Primeiro Comando da Capital na fronteira.CGN

APP GRUPO CAPITANBADO
PUBLICIDAD:

Baixe Agora! Grupo CAPITANBADO.COM lança seu App de notícias!!
O GRUPO CAPITANBADO.COM inicia o ano de 2017 querendo deixar o leitor cada vez mais próximo da informação.
Baixe o App agora mesmo! Leia e navegue com rapidez pelas notícias do grupo CapitanBado.Com
CLICK AQUI E FIQUE CONECTADO 24 HORAS. http://www.grupocapitanbado.com/apps

Comentarios

Más popular

Arriba