Policial

Musicista morta em motel durante roubo é velada nesta quinta-feira

Musicista morta em motel durante roubo é velada nesta quinta-feira

Crime aconteceu na terça-feira

Geisy Garnes

O velório e o sepultamento da musicista Mayara Amaral, de 27 anos, acontecem nesta quinta-feira (27), em Campo Grande. Ela foi assassinada a marteladas durante um roubo e teve o corpo parcialmente carbonizado nesta terça-feira (25). Os autores, um deles conhecido da vítima, foram presos no dia seguinte ao crime.

Familiares usaram as redes sociais para se despedir da musicista, sempre lembrada como uma pessoa linda, cheia de vida e amante da música. O corpo de Mayara, brutamente assassinada em um latrocínio está sendo velado desta a noite desta quarta-feira (26) na Pax Real da Avenida Bandeirantes. A musicista deve ser sepultada na tarde desta quinta-feira.

O caso

O crime aconteceu na terça-feira (25) e o corpo da jovem só foi encontrado horas depois, parcialmente carbonizado em uma estrada de acesso a cachoeira do Inferninho. A família procurou a polícia, registrou um boletim de ocorrência por desaparecimento e acabou descobrindo que a musicista havia sido assassinada.

No mesmo dia, três homens foram presos pelo crime: Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29 anos, Ronaldo da Silva Olmedo, conhecido por ‘Cachorrão’ de 30 anos e Anderson Sanches, 31 anos. O trio foi preso depois que uma amiga de Mayara mostrou um aplicativo com os últimos passos da vítima a policiais do GOI (Grupo de Operações e Investigações), que os levaram ao primeiro suspeito.

Luís Alberto é músico, baterista, e já toucou na mesma banda que a vítima. Foi ele quem atraiu Mayara para o motel, de forma premeditada para roubá-la, mas ela reagiu e acabou morta a marteladas, a maioria dos golpes na cabeça. Para o homicídio o rapaz teve ajuda de ‘Cachorrão’.

Os dois pegaram os pertences da vítima e levaram o corpo para a casa do Anderson Sanches. No local dividiram os objetos e após cerca de oito horas com o cadáver, decidiram levar corpo para a estrada da cachoeira do Inferninho, onde atearam fogo no corpo e arreadores para tentar apagar as pistas. Cachorrão e Anderson foram presos, no decorrer das investigações, com o veículo da vítima, um Gol

Comentarios

Más popular

Arriba