Policial

MS.Execução de policial com 50 tiros pode ter relação com máfia dos cigarreiros

O assassinato do policial civil aposentado Giuvan de Oliveira Barbosa, de 52 anos, pode estar ligado ao contrabando de cigarros. De acordo com o site Maracaju Speed, o policial civil executado com mais de 50 tiros é suspeito de ter tido ligação com um esquema de contrabando de cigarros que passavam em carretas pela cidade.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Giuvan estava sentado conversando com outras três pessoas em uma garagem de carros, quando a dupla chegou em uma Fiat Strada branca. Os dois autores, jovens armados com pistolas 9 milímetros, efetuaram os tiros, trocaram os pentes das armas e continuaram com os disparos.
PUBLICIDADE.

Após o crime, os dois fugiram. Policiais de cidades próximas foram à cidade para ajudar nas diligências e investigações.

O corpo de Giuvan foi levado ao Imol (Instituto Médico Odontológico Legal) de Dourados. O delegado Amylcar Romero, que está à frente do caso também está na cidade para onde o corpo foi levado.
PUBLICIDADE:

Pneus,Pirelli,Alinhamento,Balanceamento,Caster,Revenda de Pneus,Cambagem
FACE BOOK. AQUI.
PEDRO JUAN CABALLERO – PARAGUAY..

Outro atentado

Há exatos três meses, o investigador foi vítima de um atentado e chegou a ficar internado na Santa Casa da Capital depois de ser ferido a tiros de fuzil. Na época, o policial chegava à residência em uma Ford Ranger, quando foi interceptado por dois homens em um Fiat Uno.

Usando um fuzil calibre.762, os suspeitos dispararam contra ele. Giuvan foi atingido, mas conseguiu sair pela porta do passageiro da Ranger.

Giuvan foi atingido por cerca de 5 tiros. Após os bandidos fugirem, o policial dirigiu até o Pronto Socorro, onde pediu socorro. O investigador aposentado foi transferido para Santa Casa de Campo Grande, ficou internado e depois de liberado voltou à cidade, onde nesta quinta-feira foi morto.

Na data do primeiro crime, Giuvan afirmou a Polícia Militar que vinha recebendo ameaças por telefone há dias. Conforme apura pela reportagem, a suspeita é de que o policial tinha envolvimento com a máfia do cigarro.

Há exatos três meses, o investigador foi vítima de um atentado e chegou a ficar internado na Santa Casa da Capital.MIDIAMAX

PUBLICIDADE.

Comentarios

Más popular

Arriba