Policial

Marido mata a mulher enforcada com fio de nylon e enterra corpo perto de açude

Antes de preso, homem disse que vítima tinha ‘sumido’
Vanda Júlio Borges, de 42 anos, foi vítima de feminicídio na região de Três Lagoas, cidade que fica a 338 quilômetros da Capital. Ela foi assassinada pelo próprio marido, Luciano Nunes Brito, de 41 anos, que confessou o crime na noite de sábado (11) e ainda apontou para a polícia onde o corpo da vítima estava enterrado.

O crime aconteceu na manhã de sexta-feira (10). A filha da vítima, de 19 anos, percebeu que a mãe tinha desaparecido e registrou um boletim de ocorrência na manhã de sábado. Segundo o registro, Vanda teria saído de casa, em um fazenda a 97 quilômetros da cidade, por volta das 10 horas na sexta e não foi mais vista.

Conforme o site JPNews, Luciano disse para a enteada que o casal tinha brigado e a mulher o agrediu com um tapa no rosto. Após a discussão, ele disse para a jovem que saiu para almoçar e, quando voltou, não encontrou mais a esposa na residência. Familiares suspeitaram da versão que ele contou, porque os remédios que a vítima tomava estavam na casa, assim como a moto dela.

Já na noite de sábado, por volta das 21 horas, familiares de Vanda foram com Luciano até o 2º Batalhão da Polícia Militar. Equipe conversou com o irmão e o filho de Vanda e eles contaram o caso. Luciano demonstrou nervosismo e entrou em contradições sobre onde estava a esposa, até que confessou que tinha matado a mulher e a enterrado.

Feminicídio

Luciano foi levado para a delegacia, onde deu os detalhes do crime. Ele contou que brigou com a esposa na manhã de sexta e ela teria pegado uma faca, ameaçando suicídio. Ele impediu, mas pegou uma corda de nylon e a enforcou. Para esconder o corpo da vítima, ele a enrolou em sacos e transportou em um trator até o açude.

Ao lado do açude, na área da fazenda onde os dois moravam, o criminoso cavou um buraco com uma escavadeira manual e enterrou a esposa. Ele ainda jogou alguns galhos por cima. Acompanhado de equipes da Polícia Civil, Polícia Militar e Perícia, Luciano foi até o local onde havia enterrado a mulher e o corpo foi retirado e levado ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

O caso é tratado como feminicídio, ocultação de cadáver e o delegado fez o pedido de prisão preventiva do suspeito.(MidiaMax)

PUBLICIDADE

Comentarios

Más popular

Arriba