Policial

Jovem é encontrada nua e com a garganta cortada em Amambai P

Jovem é encontrada nua e com a garganta cortada em Amambai
Polícia Civil apura a possível participação de três pessoas indicadas por testemunhas como sendo as autoras do crime.

A jovem foi encontrada nua e com a garganta cortada. Sileia Martins, de 19 anos foi mais uma vítima gerada pelo consumo de bebidas alcoólicas e até mesmo drogas ilícitas nas aldeias de Amambai e região. (Fotos: A Gazetanews)

Vilson Nascimento

Mais uma jovem indígena foi morta de forma violenta após envolvimento com consumo de bebida alcoólica em Amambai.

O crime aconteceu na manhã desse sábado, dia 30 de janeiro, na Aldeia Amambai, onde a vítima residia com a família.

Segundo relatou na ocorrência a Polícia Civil local que atua as investigações do caso, Sileia Martins, de 19 anos, foi encontrada praticamente nua, com sinais de perfuração de faca no rosto e também teve a garganta cortada.

De acordo com informações repassadas à polícia a jovem guarani-kaiowá estava em sua casa no interior da reserva indígena quando teria chegado ao local, Carmela Benites Ribeiro de 39 anos e chamado Sileia para sair beber.

Elas teriam se reunido na casa de outras amigas, onde também estavam dois homens, Cledson Ricarte de 20 anos e outro até o momento identificado apenas por Junior.

Eles teriam permanecido no local bebendo até por volta das 5h da manhã, quando, segundo testemunhas ouvidas pela investigação, a vítima teria saído da casa onde estavam em companhia de Júnior, Cledson e Carmela e momentos mais tarde foi encontrada morta.

Carmela Benites, que segundo a polícia estava completamente embriagada, foi conduzida para a Delegacia para ser ouvida, Já Clédson e Junior não foram encontrados.

Crime gerou revolta

O assassinato de Sileia, mais um crime brutal ligado ao consumo de bebida alcoólica, gerou revolta e cobranças, por parte da comunidade local´, em relação a falta de ação da Funai (Fundação Nacional do Índio) e das demais autoridades responsáveis para conter a violência, sobretudo praticada contra jovens, fatos que vem ocorrendo com frequência na Aldeia Amambai, a aldeia indígena mais populosa do Cone Sul de Mato Grosso do Sul.

Preocupara com a situação, a técnica em enfermagem guarani-kaiowá Crescência Martins, que mora e trabalha na Aldeia Amambai, fez um post em uma rede social lamentando a perda de mais uma jovem para a violência que assola as aldeias da região.

No post ela também cobra das autoridades competentes solução para o grave problema.

Fonte: A Gazeta News

Comentarios

Más popular

Arriba