Policial

Advogado de boliviana acusada em caso LaMia morre em audiência

A funcionária da Aasana (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares de Navegação Aérea da Bolívia) Celia Castedo Monasterio (Facebook/Reprodução)
O advogado Guido Colque, defensor da ex-funcionária da agência nacional de aviação civil da Bolívia, Celia Castedo, que é acusada de ter responsabilidade no acidente aéreo que vitimou a delegação da Chapecoense na Colômbia, morreu segunda-feira de ataque cardíaco em uma audiência judicial por outro caso, informou uma fonte jurídica.
PUBLICIDAD;
Colque participava de uma audiência em um tribunal do bairro Plan 3.000, na cidade de Santa Cruz, no leste da Bolívia, quando perdeu a consciência e acabou falecendo. “Ele sofreu um colapso em plena audiência. É inconcebível que, em uma casa de Justiça como a do Plan 3.000, não houvesse sequer um kit de primeiros socorros”, protestou o advogado Otto Ritter, amigo do falecido.

Ritter, que é um advogado criminalista em vários casos polêmicos, acrescentou que foi algo “desumano” o fato de a audiência ter continuado após a transferência de Colque a um centro médico para que fosse atendido.
PUBLICIDAD:

VENTAS:0336-273036 –
EN ITAPOPO HOME CENTER.
PEDRO JUAN CABALLERO.

O defensor ressaltou que, ao contrário de outras cidades bolivianas, apenas em Santa Cruz os tribunais estão descentralizados nos bairros, o que, segundo ele, aumenta o estresse de advogados e investigadores, que têm que se deslocar de um lugar para o outro.

Colque defendia Celia Castedo, a ex-funcionaria da Administração de Aeroportos e Serviços de Navegação Aérea (AASANA, sigla em espanhol) da Bolívia, que pediu asilo no Brasil, após ser acusada de não reportar o plano de voo da aeronave da empresa LaMia.

Celia foi a pessoa que fez observações sobre a autonomia do avião da LaMia que partiu de Santa Cruz e que, segundo as investigações, caiu antes de chegar ao aeroporto de Medellín por falta de combustível, causando a morte de 71 das 77 pessoas a bordo, entre membros da delegação da Chapecoense e jornalistas.

A promotoria boliviana empreendeu ações para solicitar ao Brasil a extradição de Celia Castedo, acusada de supostos crimes de descumprimento de funções, uso indevido de influências, desastres no meio de transporte, homicídio, homicídio culposo, lesões gravíssimas e lesões culposas.(Veja)

PUBLICIDADE

================================

Comentarios

Más popular

Arriba