Brasil

Polícia Federal prende mais um com 30 kg de cocaína

Polícia Federal prende mais um com 30 kg de cocaína

Duas equipes da PF (Polícia Federal), que foram para Bonito cumprir mandados de prisão e busca e apreensão pela Operação Nevada, estão a caminho de Campo Grande com mais uma pessoa presa, cerca de 30 kg de cocaína e uma arma de fogo apreendidos. A ação foi desencadeada na manhã desta quinta-feira (9), com ações em Bonito, Bodoquena e Campo Grande para desarticular uma quadrilha de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Durante uma entrevista coletiva concedida pelos delegados Leonardo Mazotti e Fabrício Martins Rocha, a forma de ação da quadrilha foi detalhada. Três irmãos empresários de Campo Grande são apontados como chefes de narcotráfico internacional. Dois deles foram presos na Capital e um no Estado de São Paulo. No total, 17 pessoas foram detidas, 30 veículos de luxo e 10 armas aprendidas durante a operação. As equipes que foram para Bodoquena não tiveram sucesso no cumprimento dos mandados, conforme a assessoria de comunicação da PF.

Para lavar o dinheiro do lucro ganho pelo tráfico de cocaína, a quadrilha utilizava um “testa de ferro”, que também foi preso durante a operação nesta manhã. O proprietário da Inove Veículos, localizada na avenida Rodolfo José Pinho, comprava e vendia veículos e já teria movimentado R$ 14 milhões. O que chamou a atenção da PF é que o “testa de ferro” declarava uma renda mensal de R$ 6,5 mil, mas entre 2011 e 2014, ele chegou a movimentar três contas em seu nome no valor de R$ 14 milhões.

Tráfico – Ainda conforme a PF, a quadrilha encomendava a droga da Bolívia, que vinha de avião. O entorpecente era lançado pela aeronave em propriedades rurais de Bodoquena e Bonito. Membros da quadrilha eram responsáveis por pegar a cocaína e deixar armazenada na região. Conforme o delgado Mazotti, todo dinheiro do lucro com o tráfico era investido em imóveis de alto padrão e veículos de luxo, para que depois fossem revendidos sem levantar suspeita. O “testa de ferro”, por exemplo, chegou a comprar dois carros no valor de R$ 600 mil cada, para depois passar para frente. A quadrilha declarava uma renda anual de R$ 60 mil, porém o patrimônio deles foi avaliado em R$ 4 milhões.

A Polícia Federal não divulgou o nome dos envolvidos na quadrilha. Conforme o delegado, o processo está em segredo de Justiça.

Investigação – O início das investigações ocorreu há dois anos e nesse período ocorreram oito prisões em flagrante, aproximadamente 778 kg de cocaína apreendidos, assim como US$ 2,2 milhões, R$ 38 mil, uma pistola calibre 9 mm, dois revólveres calibre 38, munições calibre 38, 9 mm e de fuzil calibre 5,56 mm.

Campograndenews

Comentarios

Más popular

Arriba