Brasil

MPF vê suspeita em R$ 3,3 bi pagos a 874 mil Bolsa Família

Suspeita é de que beneficiários não cumprem os requisitos do programa. Ministério Público recomendou visitas domiciliares em 84% dos municípios.
Levantamento do Ministério Público Federal (MPF) encontrou mais de 874 mil beneficiários do programa Bolsa Família suspeitos de receberem o repasse dos recursos de forma indevida. De acordo com o levantamento, o repasse a essas pessoas chega a R$ 3,3 bilhões entre o início de 2013 e maio deste ano (leia o levantamento completo aqui).
Segundo o MPF, o levantamento apontou grupos de beneficiários com indicativos de renda incompatíveis com o perfil de pobreza ou extrema pobreza exigido pelas normas do programa.
De acordo com o levantamento, as bases de dados cruzados foram fornecidas pelo próprio governo federal, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pela Receita Federal e pelos Tribunais de Contas estaduais e municipais.
Entre essas pessoas que supostamente receberam repasses sem se enquadrarem nas normas do Bolsa Família estão empresários; mortos; servidores públicos com famílias de até quatro pessoas; doadores de campanha; e servidores doadores de campanha (independentemente do número de pessoas na família).
PUBICIDADE.
pneus-pora

Ao analisar os dados, o MPF encontrou indícios de irregularidades nos repasses a 874.115 beneficiários, o que representa 4,07% do total. Essas pessoas receberam, em pouco mais de três anos, repasses que somados chegam a R$ 3,31 bilhões – ou 3,84% do total repassado pelo governo.
O MPF enviou recomendações a 4.703 prefeituras no período de julho a setembro deste ano, com prazo de 60 a 120 dias para que os gestores municipais informassem o número de irregularidades confirmadas e de benefícios cancelados. As respostas às recomendações ainda estão sendo recebidas e processadas pelo órgão.
O levantamento do Ministério Público aponta que em apenas 31 cidades do país não foram encontrados indícios de pagamentos suspeitos.
Empresários
Segundo o levantamento, foram incluídos nesse grupo tanto os empresários cadastrados como titulares do benefício, quanto aqueles beneficiários que integram uma família na qual há algum empresário.
O MPF destaca no levantamento que não descarta a possibilidade de haver pequenos empresários que atendam aos requisitos de pobreza ou extrema pobreza exigidos pelo programa para a concessão do benefício, mas ressalta que, em tese, esses seriam poucos casos.
No caso dos empresários, o MPF encontrou 535 mil beneficiários suspeitos de não fazerem parte dos requisitos para integrarem o programa e que receberam repasse. No total, o governo repassou R$ 2,03 bilhões para essas pessoas.
MARCENARIA MUNDIAL.
PUBLICIDADE.
marcenaria mundial

Mortos
Foram incluídos neste grupo os titulares de benefícios do Bolsa Família cujos CPFs (Cadastro de Pessoa Física) utilizados no cadastro foram identificados como pertencentes a cidadãos falecidos.
O levantamento encontrou 8,6 mil repasses para beneficiários nessa situação que, somados, chegaram a R$ 25,97 milhões.
Servidores públicos
Fazem parte deste grupo tanto os titulares do benefício, quanto aqueles que integram seu clã familiar, que são servidores públicos federais, estaduais ou municipais.
O MPF destaca no levantamento que condição de servidor, por si só, não impede que o cidadão se enquadre no perfil econômico exigido pelo programa para a concessão do benefício.
Apesar disso, há suspeitas de irregularidades nos repasses a 357,9 mil servidores, que somam R$ 1,23 bilhão.

PUBLICIDADE.
art-gesso

Doadores de campanha
O MPF elencou nesta categoria pessoas que doaram para campanhas eleitorais no ano em que também receberam o benefício. O levantamento destaca, porém, que o fato de ser beneficiário do Bolsa Família não impede o cidadão de doar para campanhas.
No entanto, foram encontrados pelo MPF casos em que o valor doado supera o valor recebido pelo programa. São os casos de 5,3 mil pessoas que receberam um total de R$ 5,05 milhões.
Servidores doadores de campanha
Foram colocados neste grupo tanto os titulares do benefício quanto familiares que são, simultaneamente, servidores públicos (federais, estaduais ou municipais) e doadores de campanhas eleitorais, independentemente do valor doado.
É o caso de 2,9 mil beneficiários que, entre 2013 e maio de 2016, receberam R$ 11,48 milhões.

Ministério Público Federal encontrou suspeitas em repasses do Bolsa Família para 874 mil beneficiários (Foto: Reprodução/MPF)
PUBLICIDADE.
elite-m-banner

Comentarios

Más popular

Arriba