Fronteira

Jovem se suicida em abrigo municipal de Ponta Porã e família discorda da versão

Jovem se suicida em abrigo municipal de Ponta Porã e família discorda da versão dada e pede rigorosa investigação a policia.

A mesma foi identificada como Aline Francieli Moreira Vidar (15) que por volta das 14:01hs, cometeu o ato de suicídio utilizando um lenços amarrado a um ventilador de teto em seu dormitório, os responsáveis do abrigo municipal foram alertados e rapidamente comunicaram o fato aos agentes do Corpo de Bombeiros que chegaram a auxiliar a vitima ate o Hospital Regional onde chegou sem vida.

Mas familiares da mesma contestaram a versão dada pelos responsáveis do abrigo municipal após supostamente receberem mensagens de pessoas que se encontram no abrigo que manifestaram que a mesma não teria se suicidado por vontade própria, esta situação levou a delegada Sueili Araújo a manifestar no Boletim de Ocorrência como morte a esclarecer e explicou a família os procedimentos que foram realizados pelos agentes da Policia Técnica que indicaram que a adolescente se suicidou, mas a familia diz que tem evidencias que não pela que o caso que será investigada pelos agentes do SIG da Policia Civil que será acompanhado pelo delegado Lucas Caires e pela delegada Sueili Araújo a fim de sanar as duvidas da família e se em caso que a adolescente, supostamente, não tenha cometido suicídio por vontade própria responsabilizar os possíveis autores.

Segundo informações a adolescente se encontrava no abrigo após os pais perderem a guarda da mesma por ter supostamente sofrido vários maltratados na residência familiar, todos denunciados ante a policia e que levou a justiça a determinar a perda da guarda e a internação no abrigo municipal de Ponta Porã, onde a mesma cometeu o suicídio em razão de, supostamente, estar nos últimos dias em extrema depressão, antes de cometer o ato contra a vida a adolescente escreveu uma carta onde se despede dos colegas do abrigo e pediu para não culpar a ninguém pela decisão que tomou e pediu que o seu corpo não seja entregue aos seus familiares, a família manifesta que a carta não foi escrita pela vitima e que a mesma nos finais de semana passava com eles e se encontrava bastante feliz ao saber que os pais lutavam na justiça a fim de que a adolescente volte a residência familiar.

Segundo os familiares, a vitima tinha brigado com um guarda do abrigo, razão pela que a morte da adolescente por suicídio não foi aceita pelos mesmos, a delegada Sueili Araújo manifestou aos mesmos que o caso será investigada pela Policia Civil de Ponta Porã a fim de determinar as circunstancias do caso.

Os familiares acreditam que os responsáveis do abrigo poderiam ter cometido negligencia no cuidado da adolescente, já que os mesmos deveriam manter a mesma fora de perigo, razão pela que a justiça tinha retirado a mesma da residência familiar.poranews

Fotos face.

Comentarios

Más popular

Arriba