Fronteira

Empresa não paga salários e Estado abandona rodovias no Cone Sul

Empresa não paga salários e Estado abandona rodovias no Cone Sul

Sem receber salários, funcionários da Juhá Engenharia cruzaram os braços e as esburacadas rodovias da região estão abandonadas há um mês. Diretor regional da Agesul se nega a prestar esclarecimentos.
Ver mais Fotos
Clique na Imagem para ampliá-la
Uma das rodovias em estado crítico é o trecho de 77 quilômetros entre Amambai e Caarapó e outro é o da MS-289 que liga Amambai a Coronel Sapucaia.
PUBLICIDADE:
13092106_1611666555820465_6080931976589998881_n

Com dois meses de salários atrasados, funcionários da empresa responsável pela manutenção cruzaram os braços e as esburacadas rodovias estaduais pavimentadas, bem como as de chão da região Cone Sul de Mato Grosso do Sul estão completamente abandonadas pelo Governo do Estado.

Os serviços de manutenção estão paralisados desde o dia 20 do mês passado (maio) e só serão retomados quando a Juha Engenharia, empresa contratada pelo Governo do Estado para realizar a manutenção das rodovias estaduais pavimentadas e não pavimentadas da região, pagar os salários devidos, segundo funcionários da empresa ouvidos reportagem do grupo A Gazeta.

Nessa sexta-feira, dia 17 de junho, um representante da Juhá esteve em Amambai, se reuniu com os funcionários em greve e teria prometido começar a pagar os atrasados a partir da próxima quarta-feira, dia 22 de junho.

“Promessas dessa natureza já foram realizadas anteriormente e não foram cumpridas, por isso vamos permanecer parados até que os pagamentos sejam efetivamente realizados”, disse um funcionário ouvido pela nossa reportagem.

De acordo com os funcionários, a empreiteira, que também estaria devendo em estabelecimentos comerciais da cidade, em Amambai, deve a eles metade do salário do mês de abril, cuja quitação teria se comprometido a realizar no último dia cinco de junho, mas não o fez, todo o salário referente ao mês de maio e mais a primeira quinzena deste mês de junho.

Enquanto a empresa não resolve seus problemas administrativos, rodovias como a MS-156 entre Amambai e Caarapó, a MS-156 entre Amambai e Tacuru e a MS-295 entre Tacuru e Iguatemi, trechos que integram a chamada “Guaira-Porã”, bem como a MS-289 entre Amambai e Coronel Sapucaia que estão tomadas por buracos, causando prejuízos e colocando em risco a vida de quem precisa trafegar por elas, continuam em o mínimo de manutenção.

A reportagem do grupo A Gazeta contatou o diretor da Unidade Regional da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimento) em Amambai, órgão que é responsável pelas rodovias estaduais da região, Domenico Godinho, mas o funcionário público disse “não está autorizado” a prestar esclarecimento sobre as ações e os trabalhos no âmbito da unidade a qual é nomeado como chefe.

A atitude do diretor regional é demonstração clara de falta de voz altiva em relação ao cargo que exerce ou de total descaso do Governo do Estado em relação a prestar esclarecimento dos até agora, deficitários serviços prestados pela administração estadual no que diz respeito a malha viária da região.

Nossa reportagem tentou entrar em contato com a Juhá Engenharia, mas não conseguiu.

Fonte: A Gazeta News
PUBLICIDADE:
CHOCA

Comentarios

Más popular

Arriba