Fronteira

DÓLAR ALTO FAZ ÁRABES “PICAR A MULA” DE PEDRO JUAN

Dólar alto quebra lojas da fronteira e fecha 3 mil vagas

Sumiço de turistas afeta lojas de Pedro Juan e Ponta Porã
Brasiguayo news – Foto Gerson Oliveira
5508a26cd09112e1fd3b86bc4910619c2cc66d3279912
Walid Z Walid Zenab, 36 anos, já está com passagens compradas para o Líbano. “Vou pra ficar. Não volto mais”, contou o libanês, que fechará, em breve, sua loja de eletrônicos, inaugurada há oito anos em Pero Juan Cabalero, no Paraguai. Dois dos três funcionários já foram demitidos. Com isso, Zenab intensifica duas estatísticas: a de demissões de trabalhadores e a de fechamentos de lojas.

Durante o ano passado, 120 estabelecimentos comerciais fecharam as portas e cerca de 3 mil profissionais do setor ficaram desempregados em Pedro Juan. No lado brasileiro da fronteira, os números também são críticos, com queda no movimento de clientes que chega a 83%. Esse cenário decorre da associação de dois fatores: a disparada do dólar e a retração da economia do Brasil.
28868618443251162693710

wmX-820x447x4-55074b215a085f533edfd0baa48176b795cf30334da90
A loja de Zenab é a única aberta em um quarteirão inteiro. “Doze lojas estão fechadas”, contou o libanês sobre os estabelecimentos vizinhos, alguns com placas de “Alquilo” (“Aluga-se”). “Também vou fechar a minha. Não vendo mais quase nada e o aluguel continua caro. Era R$ 6 mil e, agora, está R$ 4 mil. Mas continua caro”, reclama. Zenab chegou a vender R$ 10 mil por dia. “Hoje vendo de R$ 200 a R$ 400”, comparou. A retração, neste caso, é de 98%.

(Foto: Gerson Oliveira)

PUBLICIDADE;
banner-anuncie

Comentarios

Más popular

Arriba