Fronteira

Consequências das chuvas dificultam a vida de moradores de Paranhos

Nos meses de Novembro e Dezembro de 2015 choveram mais que o dobro da média para esta época e as consequências destas chuvas torrenciais está sendo prejudiciais aos moradores de Paranhos, especialmente aos que residem em Fazendas, sítios, chácaras, assentamentos e aldeias, muitas pontes foram rodadas, crateras foram abertas em estradas pela força das enxurradas deixando comunidades quase que ilhadas. Uma das pontes que rodou foi a que ficava sobre o Rio Taquaperizinho que corta a estrada vicinal que liga Paranhos a Sete Quedas, principal via utilizada pelos moradores do Assentamento São José do Jatobá, Aldeia Pirajuí, Fazenda Jatobá e dezenas de outros sitiantes para irem até Paranhos que agora têm que desviar o trajeto pela Internacional em alguns casos o percurso aumenta em mais de 25 kilometros, como é o caso do Senhor José Carlos Rodrigues (51) que reside no Assentamento São José do Jatobá há mais de 25 anos.

PUBLICIDADE:
banner-site
“De casa em Paranhos pelo Assentamento São Cristóvão eram mais ou menos 20 kilometros até Paranhos, agora se quisermos ir de carro devemos ir pela Internacional e rodar mais de 45 kilometros para chegar, esta muito complicada a nossa situação aqui.” Conta o Senhor José Carlos que afirmou ainda que parentes de outros estados deixaram de visitá-lo neste final de ano devido o acesso até a sua casa ter ficado muito difícil.

Alguns moradores improvisaram uma “pinguela” sobre o Rio Taquaperizinho para passarem a pé, de bicicleta e de moto, conforme declaração de populares já ocorreu acidentes com quedas de motos neste local.

O Grupo Jatobá, um dos maiores produtores agropecuário do Brasil tem uma filial em Paranhos, cujo percurso da cidade à Fazenda antes da ponte cair era feito por esta estrada em uma distancia de aproximadamente 20 KM agora o trajeto só pode ser feito pela estrada internacional em uma distancia de mais de 35 km, neste momento a Fazenda Jatobá está colhendo cerca de 700 hectares de milho e 750 hectares de soja da safra 2015/16 e após efetuará a plantação do milho safrinha e de pastagens e a execução destes trabalhos estão sendo muito prejudicados devido os estragos nas estradas provocados pelas chuvas.

“Além escoar a safra para cooperativas da região, precisamos também das estradas para receber insumos, implementos agrícolas e para transportar o gado para frigoríficos da região e manejar as “desmamas” para a outra filial em Itaquirai, neste final de semana, por exemplo, embarcamos cerca de 30 carretas de bovinos e foi muito custoso para chegar até Paranhos.” Destacou Manoel do Amaral Dias, encarregado da pecuária na Fazenda em Paranhos que emprega diretamente mais de 80 funcionários e que produz atualmente cerca de 05 mil bezerros, 150 mil sacas de milho e 120 mil sacas de soja por ano, Manoel informou ainda que até para trazer os funcionários à fazenda está difícil, a filial possui um micro-ônibus que transportava os funcionários diariamente de manhã e a tarde, de Paranhos até a jatobá, depois da queda da ponte foi necessário contratar outro ônibus para levar até o Rio Taquaperizinho e de lá fazer baldeação no veículo da empresa.

PUBLICIDADE:
1argamasa grudabem
A Prefeitura através da secretaria de obras e com apoio de parceiros como a fazenda Jatobá está trabalhando com foco especial nas manutenções das estradas vicinais, enquanto aguarda possíveis recursos dos governos federal e estadual, segundo relatório entregue pelo Prefeito Júlio Cesar de Souza (PDT) ao Ministro da Integração Nacional Gilberto Magalhães Occhi e ao governo do estado através da Defesa Civil, serão necessário cerca de 4 milhões de Reais para refazer tudo que foi danificado pelo excesso das chuvas.

Fonte: Assessoria Prefeitura de Paranhos

PUBLICIDADE:
banner-anuncie

Comentarios

Más popular

Arriba