Economia

Governo terá ‘facão’ entre nomeados para conter rombo de R$ 100 milhões ao mês

Governo terá ‘facão’ entre nomeados para conter rombo de R$ 100 milhões ao mês
Reinaldo prometeu diminuir tamanho sem perder eficiência

Ludyney Moura e Mariana Anjos

A reforma administrativa prometida pelo Governo do Estado deve sair do papel e chegar à Assembleia Legislativa já na próxima semana, foi a afirmação feita pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) nesta quarta-feira (1), para tentar equilibrar as contas da gestão.

“Não temos mais espaço para aumento de impostos. Temos que olhar para dentro das estruturas administrativas e melhorar o perfil com os gastos públicos, diminuir o tamanho do Estado sem perder a eficiência”, afirmou Azambuja.

O titular da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda), Marcio Monteiro (PSDB), revelou que o Estado convive com um déficit mensal de cerca de R$ 100 milhões, valor que ultrapassa R$ 1 bilhão em um ano.

Ele cita a queda na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do Gás como um dos responsáveis pelo caixa negativo, já que no último mês a arrecadação que era de cerca de R$ 100 milhões caiu para R$ 38 milhões. “Isso foi o que mais impactou as finanças do Estado”, frisou Monteiro.

Reinaldo citou a necessidade de um reforma previdenciária, e prometeu discutir o assunto antes de enviar um projeto para o legislativo com os representantes dos servidores. “Essa reformulação não é só aumento de contribuição, mas um olhar mais apurado com relação à previdência para os próximos anos, garantindo segurança dos próprios servidores”, afirmou o governador.

O tucano disse que o a gestão deve preparar ‘vários projetos em várias áreas’, e que a reforma vai incluir demissões, ‘principalmente de comisssionados’. Para o governador, o país convive com retração da econômica e PIB negativo, e isso demanda necessidade de uma reforma.

Já o secretário de fazenda, que revelou que até a segunda-feira (30), o Estado já tinha conseguido arrecadar R$ 164 milhões com pagamento do IPVA, frisou que alguns cortes afetarão serviços, como impressões nas secretarias, e até mesmo revisão de incentivos fiscais concedidos pelo governo. “Principalmente de empresas que não estão cumprindo com Estado”, finalizou.

(Matéria editada às 10h30 para correção de informação)

Comentarios

Más popular

Arriba