Brasil

Conheça a maior fazenda do Brasil que planeja ter 200mil cabeças de gado

Com muito investimento, inovação e aposta na produtividade, três empresários consagrados no mundo dos negócios, transformaram um latifúndio improdutivo, em Goiás, num mega empreendimento lucrativo.
nova-piratininga-grafico1
A fazenda Nova Piratininga é um mundaréu de terras concentradas no noroeste de Goiás, no município de São Miguel do Araguaia, onde o Estado faz divisa com o Tocantins e com o Mato Grosso.

PUBLICIDADE:
EXPO 2
São 135 mil hectares, área equivalente a ocupadas por metrópoles como o Rio de Janeiro ou Nova York, registrados em uma única matrícula, no cartório de imóveis local, coisa rara no País. Em geral, grandes fazendas são o resultado da compra e concentração de várias propriedades. No mês passado, a DINHEIRO RURAL esteve durante dois dias na Nova Piratininga, localizada às margens dos rios Araguaia, Javés e Verde, a 480 quilômetros da capital Goiânia. Foi a primeira vez que uma equipe de reportagem entrou na propriedade, depois que trocou de dono, em dezembro de 2010.
PUBLICIDADE:
156172_1062989700426299_743336711891439460_n

Até então, a propriedade pertencia ao empresário Wagner Canhedo, que entrou para os anais do mundo dos negócios por ter levado à falência a Vasp, uma das principais companhias da aviação comercial brasileira. Seu lugar foi ocupado por três empresários goianos, detentores de partes iguais no negócio. Um deles, João Alves de Queiroz Filho, mais conhecido como Júnior, é o controlador do grupo Hypermarcas, colosso que no ano passado faturou R$ 4,6 bilhões com linhas de produtos farmacêuticos, de higiene pessoal e de beleza. O outro sócio é Marcelo Limírio Gonçalves Filho, ex-dono do laboratório de medicamentos genéricos Neo Química, absorvido pelo Hypermarcas, em 2009. Fecha o grupo a família de Igor Nogueira Alves de Melo, membro do Conselho de Administração da farmacêutica Teuto, fundada por seu pai Walterci de Melo e hoje controlado pela americana Pfizer. Alves de Melo foi escolhido pelos parceiros para dirigir a fazenda Nova Piratininga, na qual está envolvido praticamente em tempo integral. “Pegamos uma fazenda falida e hoje não há um único metro quadrado que não seja produtivo”, diz Alves de Melo. A fazenda está registrada como grupo MJW, letras iniciais dos nomes de seus compradores (no caso, o W refere-se ao pai de Alves de Melo, Walterci, falecido no ano passado).
PUBLICIDADE:
banner-anuncie
Remodelada, a Nova Piratininga pode ser colocada no rol das propriedades que servem de modelo para uma pecuária que produz gado bovino de alta qualidade e em larga escala. Da área total, 95 mil hectares são compostos de pastos, que alimentam um rebanho de 105 mil nelores puros ou cruzados com angus, que vem sendo submetido a um processo acelerado de seleção e melhoramento genético para dobrar de tamanho nos próximos cinco anos. O trabalho, mesmo feito a porteiras fechadas, tem chamado a atenção do mercado, principalmente de fundos de investimentos interessados em comprar a fazenda. “Já recebemos várias ofertas, mas nossa resposta é sempre não, porque, como empresários não temos perfil especulador”, diz Alves de Melo. “A Nova Piratininga, definitivamente, não está à venda. Segundo ele, o horizonte da trinca de controladores é de longo prazo, com a pretensão de produzir o melhor gado do País, com sustentabilidade. “A fazenda tem um enorme potencial para superar desafios de toda ordem.” Os sócios, que se reúnem a cada dois meses para discutir os rumos do empreendimento, acreditam que vão rentabilizar o negócio nos próximos anos, assim como fazem com seus investimentos urbanos. No ano passado, a Nova Piratininga já pagava suas próprias contas, ao fechar o exercício com uma receita de R$ 43 milhões obtida com a venda de gado. Mas o negócio vai além desse valor. Ao arrematar a propriedade, o grupo sabia que estava realizando uma grande tacada, em função da valorização da terra, principalmente a partir do momento em que ela começasse a se mostrar eficiente. A fazenda foi comprada por R$ 310 milhões, em parcelas – a última delas, no valor de R$ 50 milhões, será quitada nos próximos meses. Hoje, essa quantia pode ser considerada uma verdadeira pechincha: cinco anos depois da aquisição, o valor de mercado da fazenda decuplicou e é estimado em nada menos de R$ 3 bilhões. Não à toa, na época da compra, o trio de empresários goianos teve de disputar a fazenda de Canhedo com a família Batista, da JBS, e com o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity.

Ao tomarem posse da propriedade, os sócios estabeleceram um plano de governança com várias frentes de trabalho e algumas prioridades: era preciso olhar para o gado, para a terra, para a imensa infraestrutura e para os funcionários. “Quando entrei na fazenda pela primeira vez deu medo, mas, ao mesmo tempo, também senti uma imensa vontade de trabalhar nela”, diz Alves de Melo. “Estava tudo muito fora do que eu entendo por pecuária.” É preciso considerar que o diretor da Nova Piratininga, aos 35 anos de idade, não é exatamente um vaqueiro de primeira viagem. Ele começou a trabalhar aos 13 anos, dividindo o tempo entre a Teuto e uma fazenda que a família possuía antes de entrar no projeto Nova Piratininga. Alves de Melo, formado em administração de empresas, com especializações na universidade da Flórida, nos Estados Unidos, vem usando todo o seu conhecimento e ainda buscando ajuda para não errar.
PUBLICIDADE:
GARFO DE OURO
TERRA ARRASADA

A gestão do rebanho foi a primeira e mais urgente tarefa a ser realizada. “Nós não sabíamos nem quantos animais havia nos pastos”, afirma Alves de Melo. A contagem do gado mostrou um cenário de terra arrasada. O rebanho encontrado era de cerca de 90 mil animais, dos quais 60 mil eram fêmeas em idade reprodutiva. No entanto, apenas 18 mil haviam parido e 16 mil bezerros foram desmamados, em 2012. Isso significa que, naquele momento, a taxa de natalidade era de 30% e a de desmame, de 26,5%, quando o índice considerado aceitável em uma fazenda de bom nível técnico é de pelo menos 70%. No Brasil, a taxa média de desmame é de cerca de 55%, praticamente o dobro da que era obtida pela fazenda. Na pecuária, essas duas mensurações são reconhecidas como os principais indicadores da eficiência reprodutiva em bovinos de corte. E a verdade, é que eles não estavam nada bons. “O manejo era muito ruim”, diz Melo. “Havia gado na fazenda que nunca tinha sido levado para o curral, que nunca tinha sido visto por um peão.” Em outras palavras, para o antigo dono, gado rústico era sinônimo de sobrevivente.
PUBLICIDADE:
12507108_954204594696272_8487001927786981141_n
Além da contagem dos animais e da separação de lotes por categorias, entre elas as de vacas, novilhas e garrotes, a Nova Piratininga fez uma parceria com os criadores Adir do Carmo Leonel, e seu filho Paulo, que administra a fazenda Barreiro Grande, em Nova Crixás, município vizinho a São Miguel do Araguaia. Leonel, que há 50 anos cria nelore, apartou as melhores fêmeas do rebanho para um projeto de uso de sêmen de touros de sua criação. Iniciado em 2012, o projeto tem como meta 100 mil nascimentos por ano, através da técnica de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF). “Hoje somos alvo de muita curiosidade de pecuaristas de todo o País”, diz Paulo Leonel. Só para ter uma ideia, entre cinco mil e dez mil animais nascidos por intermédios dessa biotecnologia já são considerados projetos de porte.
PUBLICIDADE:
banner-site
É desse grupo de fêmeas inseminadas que começa a surgir a base das matrizes que vão produzir animais destinados ao abate. “Nosso objetivo é criar na Nova Piratininga um gado que eleve a qualidade genética da base do rebanho”, diz Adir Leonel. “Com ela, vai ser possível produzir animais padronizados em tamanho, peso e qualidade da carcaça.” Leonel é reconhecido por seus pares como um dos maiores conhecedores de genética nelore. Inclusive, segundo Alves de Melo, entre os funcionários da fazenda, os animais que vão nascendo dessa parceria são chamados de “gado do Adir, numa referência ao vizinho. “A gente realmente tira o chapéu para o trabalho desse criador especialista, porque de fato é um gado diferente e muito superior ao que tínhamos antes.” A compra de sêmen de reprodutores de Leonel, para a IATF, iniciada na safra 2011/2012, é o maior negócio já realizado diretamente entre duas fazendas, no País. Geralmente, esse tipo de comércio passa pelas Centrais de Inseminação.
Na safra 2014/2015, do total de 45 mil fêmeas apartadas para reprodução – as demais foram abatidas – 43,4 mil entraram no programa de IATF. Desse total, 15 mil fazem parte do projeto Adir e as demais foram inseminadas com sêmen de angus importado pela CRI Genética, empresa americana de genética animal. “A ideia com o cruzamento é fazer com a melhor base nelore, animais destinados a certos nichos de mercado, como as marcas de carne”, diz Alves de Melo. “Por isso, usamos o angus na inseminação.” A taxa de prenhes nesta estação de cria foi de 45% com a IATF, bem superior ao primeiro ano de uso da técnica, quando foi utilizada em apenas sete mil fêmeas e 35% emprenharam. Nesse projeto, as fêmeas que não pegam cria são cobertas por touros nelore. O rebanho de reprodutores é de 1,6 mil animais, usados na proporção de um para cada 20 vacas. A meta é chegar a uma taxa final de prenhes de 70%, mas o zootecnista Frederico de Faria Jardim, responsável pelos negócios da CRI em Goiás, Tocantins e Pará, acredita que possa passar dos 80%, índice que as fazendas altamente tecnologicamente avançadas, conseguem alcançar. “Vamos perseguir essa meta, porque criação, com baixa produtividade, é um mau negócio”, diz Jardim.
PUBLICIDADE:
NORTE

Para William Koury Filho, doutor em produção animal e dono da consultoria BrasilcomZ, de Jaboticabal (SP), que monitora cerca de 25 rebanhos de seleção, na cadeia produtiva da pecuária o setor de cria sempre foi um gargalo, porque não se dá a ela a devida importância. Segundo ele, o Brasil poderia produzir mais bezerros, com um número menor de fêmeas. Em outras palavras, com mais produtividade. São 44 milhões de animais destinados aos frigoríficos, menos de um quinto de um rebanho de 210 milhões de reses, o que representa uma taxa de abate de cerca de 21%. Nos Estados Unidos, por exemplo, são cerca de 88 milhões de bovinos, para um abate de 38 milhões de animais, ou seja, uma taxa de 43%, o dobro da brasileira. “Não há nada mais impactante na atividade pecuária que a fertilidade do rebanho”, diz Koury Filho. “E para quem faz o ciclo completo, do nascimento à entrega do boi no frigorífico, ser eficiente nesse setor é fundamental para ter lucro no negócio.”
MARCA DE CARNE

Atualmente, a fazenda Nova Piratininga tem na sua prateleira vários produtos, de bezerros, a animais jovens e vacas de descarte. Mas, no futuro, ela quer fazer o ciclo completo. “Pensamos também na construção de uma marca de carne”, diz Alves de Melo. “Chegar lá é uma questão de tempo.” Em 2014, a fazenda vendeu 39,7 mil animais prontos para o abate. Toda a produção de machos desmamados, que totalizou 17 mil bezerros nelore e cruzados, foram vendidos para o produtor Alexandre Negrão, ex-dono do laboratório Medley, para variar.
A nova roda virtuosa: o manejo é acompanhado por técnicos agrícolas que coletam os dados no campo. O serviço vai dos currais ao confinamento, estrutura para dez mil animais, a maior parte bezerros cruzados de nelore com angus, que são alimenta dos com ração e silagem de capim. Nos pastos, os retiros virtuais são para descanso. Cercas e estradas foram reformadas.
Negrão possui a Conforto, uma das maiores fazendas independentes de confinamento do País (não vinculadas a frigoríficos), com cerca de 80 mil animais no sistema. Neste ano, a Nova Piratininga vai produzir para a Conforto 20 mil bezerros. No mês passado, os nelores eram negociados a R$ 1.370 e os cruzados por R$ 1.521, valores de mercado acrescidos de bônus de até 50% sobre o preço da arroba. As fêmeas cruzadas de angus, por sua vez, são recriadas por Alves de Melo em confinamento até a fase de novilha e vendidas ao empresário Valdomiro Polisselli Júnior, dono da marca de carnes VPJ. “Conseguimos preço de bois por elas e bonificações de até 11%”, diz Alves de Melo. Os demais animais, fêmeas nelore descartadas do projeto Adir, mais as vacas velhas e os touros improdutivos, passam rapidamente pelo confinamento e depois são vendidos para abate, à JBS.
Nos planos de Melo está justamente o aumento da capacidade estática do confinamento para 30 mil animais, para sair desse modelo. “Com mais estrutura, o número de animais confinados poderia até triplicar.” Hoje, a capacidade é para dez mil animais, e o sistema tem a função principal de apenas padronizar os bezerros e recriar as novilhas cruzadas até alcançarem 20 arrobas, aos 20 meses, antes de irem à venda. “Seria um bom negócio se conseguíssemos confinar todos os animais até o abate, mas ainda não temos pernas para isso”, afirma Alves de Melo.
Para sustentar o projeto de crescimento de uma pecuária baseada na criação no pasto e na terminação em confinamento, o segundo problema atacado pela Nova Piratininga foi o estoque de alimento para o gado. Dos 135 mil hectares da área total, havia apenas 77 mil hectares de pastagens em condições mínimas de uso. Hoje, são 95 mil hectares, dos quais cerca de 50 mil já foram reformados. “Em um único ano chegamos reformar 20 mil hectares, mas é loucura. Hoje, mantemos a média de seis mil por ano”, diz Alves de Melo. Da área total, a fazenda possui 94 mil hectares em área de várzea, na qual foram construídos imensos canais em sistema de comportas para escoamento do excesso de água. “É um varjão controlado, o único do País, que nos permite ter pasto verde praticamente o ano todo.” Na área alta, que ocupa 41 mil hectares, há produção de silagem. Além disso, desde o ano passado 780 hectares de soja estão sendo cultivados por safra, para melhorar a estrutura do solo e implantar uma área de pastos irrigados destinados à produção de silagem.
PUBLICIDADE:
1argamasa grudabem
Também foram construídos 1,4 mil quilômetros de cercas para dividir melhor esses pastos. Até 2010, havia áreas de até três mil hectares, com 480 hectares de matas sem cercas, onde cinco mil vacas disputavam espaço com animais silvestres e selvagens, entre eles as onças. Alves de Melo diz que, felizmente, a infraestrutura de almoxarifado, oficina mecânica, laboratórios, escritórios, fábrica de ração, oficina, borracharia, em um conjunto de galpões, um deles, gigantesco, com 20 mil metros2 de área, era imensamente superior à montada para os animais.
“Nós não teríamos recursos para construir metade do que a fazenda tem hoje, caso tivéssemos comprado uma área para começar do zero”, diz Alves de Melo. Não se trata de exagero. A Nova Piratininga abriga, inclusive, um aeroporto com pista de 1,7 mil metros de extensão (240 a menos que Congonhas, em São Paulo), capaz de receber até jatos de médio porte. As estradas internas, cascalhadas e levantadas do leito original, somam 972 quilômetros, equivalente à distância entre as cidades de Goiânia e São Paulo, nas quais há 300 pontes e três viadutos de concreto, somente vistos em rodovias de pista dupla.
O valor dessa infraestrutura, que passou por reforma e ampliação, é estimado por R$ 1 bilhão, um terço da avaliação total da propriedade, de acordo com Alves de Melo. Há, ainda, dez reservatórios de água, para um projeto de 15, com capacidade de armazenar 10,6 bilhões de litros apenas para o gado. A rede de distribuição para 408 bebedouros tem cerca de 400 quilômetros de encanamentos, que deverão ser ampliados para 570 quilômetros. “Vamos dividir ainda mais a área de pasto, já construímos 250 casas de cocho para sal e proteinados, mas o projeto é chegar a mil”, afirma Alves de Melo. “Só assim vai ser possível dobrar o rebanho.” Juntamente com essa expansão, também vem sendo construído 20 locais de descanso para os cerca de 100 vaqueiros, chamados de retiros virtuais.

PUBLICIDADE:
20160120021231

AS PESSOAS

Os investimentos em infraestrutura também passaram fortemente pela área social. Casas, restaurantes coletivos, escola, clube com quadra de esporte, campo de futebol e piscina foram melhorados. Atualmente, vivem na fazenda 600 pessoas que desfrutam de moradia, salão social e até duas igrejas. Desse total, 300 são funcionários, mas, contando o quadro de terceirizados, formado por peões que trabalham, por exemplo, no manejo da inseminação, são 400 trabalhadores. “Quando assumimos a fazenda havia apenas 70 empregados e, por isso estava tudo largado”, diz Alves de Melo. “Sem mão de obra qualificada não há como ir em frente.”
Entre os contratados está o atual gerente da fazenda, José Cláudio da Silva, com mais de 20 anos no setor. “Quando me chamaram não pensei uma única vez”, diz Silva. “Essa é uma fazenda de uma porteira só, a de entrada.” Da equipe antiga, Selho José Ramos de Souza, contratado há 15 anos como peão, ainda na época de Canhedo era capataz até dois anos atrás. Hoje ele é um dos três gerentes de pecuária e braço direito de Silva. “Agora, sinto que tenho espaço para crescer na profissão, porque antes trabalhava olhando para o chão, enquanto hoje olho para as pessoas de frente.”
Da equipe de novos funcionários, os controladores do rebanho são exemplos da demanda por novas funções. Há dois anos, em busca de mão de obra, Alves de Melo foi conhecer o trabalho da Fundação Bradesco, no município de Formoso do Araguaia (GO), e fechou uma parceria com a instituição de ensino. O grupo é formado por 12 jovens técnicos agrícolas, que munidos de notebook, rádio e sensores de rastreamento, controlam todo o fluxo de gado dentro da fazenda. Nenhum manejo acontece sem que algum deles esteja presente.

Na Nova Piratininga, os cuidados com os empregados são estendidos às novas gerações. Nos últimos quatro anos letivos, a escola da fazenda ganhou o título de melhor instituição de ensino do município, para alunos até o sexto ano. Aparelhada de computadores, material de audiovisual conectado à internet, ela poderia servir de modelo para uma boa parte das escolas do País. Aliás, a internet é aberta para toda a fazenda.
A professora Vita Maria Saraiva, por exemplo, tem 25 anos de magistério e é pós-graduada em pedagogia. Sua filha, Lara, que também é professora, seguiu os passos da mãe e foi além. Ela cursou magistério, letras, pedagogia e é pós-graduada em língua portuguesa. “Aqui não parece uma fazenda, somos uma comunidade com seus problemas e acertos”, diz Lara. “Quando vejo uma criança que não gostava de estudar, pedindo tarefa extra, sei que estou no lugar certo.” Há três anos, elas criaram um projeto de incentivo à leitura, com distribuição de bicicletas como prêmios para os mais aplicados. No ano passado, Jenifer, de nove anos, e Artur, de oito anos, filhos de mecânicos, se destacaram. A menina leu 50 livros infantis, o menino, 46. “Mas neste ano vou ler mais”, afirma Artur.
Orgulhoso, Alves de Melo, que se acostumou a ser abordado sem cerimônia pelos funcionários, sempre que percorre a fazenda, diz que o que vale na Nova Piratininga o conjunto da obra. “Não adianta ter máquinas, gado e terra, pois sem as pessoas certas nada tem valor como unidade produtiva”, afirma. “Quando vejo a garotada, sei que a fazenda também é parte da vida deles, agora, mas pode continuar a ser também no futuro.”. http://comprerural.com/

PUBLICIDADE:
anuncie7

Comentarios

Más popular

Arriba