Brasil

Aborto em caso de microcefalia só se justifica quando não há condição de vida, dizem especialistas

Para professor de biodireito e diretor de associação médica, o debate precisa ser profundo

O aumento de casos de microcefalia, possivelmente, decorrentes do vírus zika no Brasil reacendeu o debate a respeito da legalização do aborto no País. A ONG Anis, com sede em Brasília, por exemplo, prepara um pedido junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) para que as mulheres tenham o direito ao aborto em gestações com má-formação dos fetos.

O argumento seria o de que o Estado é responsável pela propagação da doença e as mulheres não podem ser penalizadas. No Brasil, o aborto é ilegal, salvo exceções. E o jurista Carlos Eduardo Nicoletti Camillo, professor de biodireito da Universidade Mackenzie, que se diz contrário ao aborto, afirma ao R7 que é necessário uma definição precisa da questão de viabilidade da vida para a interrupção da gravidez no caso da microcefalia.

— Quem está com essa enfermidade tem viabilidade de vida? Se a resposta for afirmativa, o certo seria evitar esse aborto na forma da lei.

Hoje, o aborto no Brasil só é permitido em casos de estupro, risco de vida da mulher e quando o feto tem anencefalia — esse foi autorizado em 2012 pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Anencefalia x microcefalia

O professor de obstetrícia a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e da Universidade Federal Fluminense e diretor da SGORJ (Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Estado do Rio de Janeiro), Antônio Braga, explica que, nos casos de anencefalia (quando o embrião não desenvolve o cérebro e o cerebelo), em geral, já é possível descobrir que há má-formação entre 10 e 13 semanas, por meio de um ultrassom que avalia a morfologia do bebê. Porém, segundo ele, nos casos de microcefalia, a mãe descobre bem mais tarde.

— Os primeiros indícios [da má-formação] podem aparecer no ultrassom morfológico, entre 20 e 24 semanas de gestação. O perímetro de 32 cm [parâmetro utilizado pelo Ministério da Saúde para determinar a microcefalia] só se alcança no fim da gravidez. Há casos em a mãe só descobre que o bebê tem microcefalia após o parto, quando a criança passa por todas as medições.

A discussão será longa e a decisão precisa ser feita com muita cautela, de acordo com Camillo. Contatada pelo R7, a Anis informou que não poderia responder às perguntas por não ter mais nenhum horário de atendimento à imprensa.

Pesquisadores criam método que permite detectar zika em sangue de transfusão

Camillo ressalta que casos de microcefalia são bem distintos dos de anencefalia também do ponto de vista jurídico. Ele se baseia no conceito francês de viabilidade da vida para a sua explicação, já que, em casos de anencefalia, o feto, em geral, não é capaz de sobreviver por mais de algumas horas.

— É difícil arriscar um prognóstico, mas acho que a tendência é de se negar o aborto em casos de microcefalia. Vai ser um debate bem aguçado. Enquanto a situação não chegar ao STF, vai haver decisões contraditórias, alguns tribunais permitindo outros não permitindo.

Para o professor de biodireito, é importante que a comunidade médica esclareça o quanto antes todas as dúvidas a respeito das sequelas da microcefalia e de sua relação com o zika vírus. Camillo diz que o direito penal é uma consequência de questões sociais ou técnicas, definidas por especialistas dos setores.

— Não é a Lei de Tóxicos, por exemplo, que define que substâncias como a maconha e a cocaína são vedadas. Não está no Código Penal. O que está são as condutas das pessoas envolvidas nos processos de comercialização, de venda, de preparo, de consumo, mas quem determina a proibição da substância em si é o Ministério da Saúde.

Segundo explica Braga, conceitualmente, só se fala em aborto antes de 20 semanas. Após esse período, o conceitualmente chama-se “indução ao parto”.

— O risco desse procedimento deve ser muito considerado, pois, há risco de hemorragia, lesões no colo do útero e no útero, que podem comprometer uma chance futura de gravidez. E pode levar à morte também.

Cuidado redobrado

O exame que detecta a má-formação de bebês é o ultrassom, “que é mais facilmente disponível”, afirma o professor da UFRJ. Mas com ressonância nuclear magnética também se descobre.

As grávidas de bebês com microcefalia necessitam de um cuidado redobrado durante a gestação.

— Os exames de pré-natal devem ser mais frequentes, praticamente toda semana. Já a mulher com bebê saudável faz consultas mensalmente. Além disso, nós também recomendamos aos médicos que preparem um suporte multidisciplinar, com psicólogos, enfermeiros e toda a equipe necessária para acolher a gestante. Também pedimos sempre a ajuda da família.

O obstetra diz ainda é precoce discutir a possibilidade de aborto em caso de mulheres grávidas que têm zika vírus.

— Não sabemos se há relação direta entre zika vírus e microcefalia. Necessitamos de mais estudos. A grande questão é a dificuldade em se ter certeza de que tem a microcefalia. Mas acredito que em casos de microcefalia associada a lesões em múltiplos órgãos, que sejam incompatíveis com a vida, a lei deveria ser mais acolhedora.

Zika vírus é encontrado com potencial de infecção em urina e saliva, diz Fiocruz

Camillo ressalta que o que será determinante é o parecer médico. No caso da permissão para aborto em diagnósticos de anencefalia, o Judiciário só conseguiu chegar a essa conclusão no STF depois de uma definição da comunidade científica.

— Em relação à microcefalia é a mesma coisa. É preciso que haja discurso e compreensão para dizer como isso vai o que acontecer. O grande problema é que, apesar de o vírus ter sido descoberto há algumas décadas, quase ninguém sabe sobre ele. A comunidade médica não tem as respostas ainda. Tudo é muito novo.

Prevenção da doença

O médico ainda destaca, por sua vez, que, “para além do debate sobre a legalidade do aborto nesses casos”, é necessário focar atenção na prevenção da doença.

— Como a erradicação do Aedes aegypti, além de reforçar os cuidados com as gestantes, que devem usar repelentes e roupas de manga comprida.

Comentarios

Más popular

Arriba